terça-feira, 31 de Janeiro de 2012

Futuro (III de III)

Depois da venda de Amorim e da não contratação de nenhum reforço, o que nos espera até final da temporada?

Amorim era o habitual suplente directo de Witsel e de Maxi Pereira, fazia duas posições com relativa facilidade. Sem o camisola 5 no plantel, a vaga de suplente de Maxi fica colmatada por André Almeida e por Miguel Vítor, sendo que o jovem retornado de Leiria será igualmente o suplente directo de Witsel. Até aqui tudo bem. Ou tudo mal. A verdade é que André Almeida não tem qualidade para ser jogador do Benfica e se for chamado à titularidade o mais certo é que dê barraca.

Uma lesão de Witsel arruina esta temporada por completo. Se tal infortúnio vier a acontecer ao belga, encontrar-nos-emos na mesma situação de 2010/2011: sem um pêndulo que equilibre o jogo ofensivo e o defensivo. E as consequências são as que sabemos: nos jogos grandes ou mais importantes, vamos passar por maus bocados. O Benfica deixará de ter capacidade para segurar jogo, para ter a bola no pé e saber descansar com ela em posse. Lembram-se da primeira parte em Eindhoven? Bastou o Peixoto entrar para o meio-campo no segundo tempo para a equipa poder respirar.

Poderá Matic fazer de Witsel no caso de uma eventual lesão do belga? Talvez. Mas a qualidade não será nem de perto nem de longe a mesma. E também estará aquém da oferecida por Amorim.

Negócio (II de III)

A minha paicência não se esgotou hoje. As sucessivas afrontas com que a actual Direcção tem brindado os adeptos já se tornaram um hábito e, pior que isso, toleráveis por parte da maioria dos benfiquistas. A cultura de exigência está morta. Estamos amorfos. Tudo é permitido, tudo é tolerado. E o caso Rúben Amorim vem revelar não só a falta de disciplina neste Benfica como ainda uma incapacidade gritante em lidar com problemas.

Comecemos pela parte disciplinar. Amorim é culpado, está fácil de perceber. Mas a culpa não morre com ele, estende-se aos outros dois protagonistas desta palhaçada: Jesus e Vieira. O primeiro porque em termos de relações interpessoais é um autêntico desastre. Não sabe como lidar com outras pessoas, não sabe interpretar e sente uma necessidade de criar conflitos em que todos ficam a perder. O segundo porque, sendo o chefe maior do clube, não consegue resolver esta situação da forma que seria mais simples e óbvia. Qual seria? "Rúben, deixa-te de merdas, pede desculpa ao grupo e ao treinador e volta ao Seixal para treinar e seguramente que serás opção válida para Jesus novamente. Caso não queiras, ficas a correr em Almada até Junho de 2013 e não vês Europeu, Mundial ou o que quer que seja. Agora escolhe.". Simples. Mas não há presidente com tomates para isto. Consegue lidar com o caso Enzo Pérez mas não consegue com Amorim. Inacreditável.

Pior que isso, vai negociar o empréstimo do jogador com o Braga. Sim, o Braga do Salvador, do Mossoró, do Alan, dos apagões, das bolas de golfe, dos insultos, da música da tourada, das simulações, do túnel. Esse mesmo Braga. Neste momento, a autoridade para os benfiquistas apoiantes de Vieira criticarem Quim e Nuno Gomes por terem escolhido os bracarenses é nula. Quim e Nuno eram jogadores livres, desempregados, desprendidos de qualquer obrigação para com o Benfica quando negociaram com o Braga. Vieira, por iniciativa própria (ou será que alguém lhe apontou uma arma à cabeça?), encetou negociações com o clube de António Salvador. O Benfica resolveu oferecer um presente chamado Amorim ao Sporting Clube de Braga. Não por seis meses mas por ano e meio.

Dor (I de III)

A saída de Rúben Amorim causa em mim um cocktail de sentimentos difícil de descrever. Nem tanto para onde vai mas sim pela forma como sai. É triste ver um benfiquista, com um número de sócio mais baixo que o meu e que a maioria dos consócios, sair desta maneira devido a uma situação onde ele próprio se meteu e que foi também despoletada (ou estupidamente não evitada) pelo treinador e pelo presidente. Rúben sai pela porta pequena e não volta. Um ano e meio é demasiado tempo e assim que o empréstimo findar não tenho a mais pequena dúvida que o jogador não quererá regressar e que o Benfica também não quererá o jogador. Ver partir um jogador do qual gosto imenso não só pelas qualidades futebolísticas mas pelo amor que sempre demonstrou ao Benfica dentro de campo causa-me dor. Literalmente.

As culpas de treinador e presidente bem como a forma como o negócio foi dirigido e as consequências para a restante época desportiva ficam para outros posts, a publicar ainda hoje.

Bolas, já estou mais descansado...

Rejubilem caros consócios!!!

Com o empréstimo de um ano e meio do Ruben Amorim ao Braga, assegurámos, sem qualquer margem de dúvida, que nas nossas futuras deslocações ao Norte do Pais podemos voltar a treinar na Pedreira. Isto são boas noticias... (ironic mode off)

Desde que não sejamos recebidos á pedrada e a luz não falhe, como tem sido hábito!!!!

Considero isto um desrespeito e uma afronta aos sócios e adeptos do Benfica que nas últimas visitas a Braga têm sido vitimas de violência gratuita. A Direcção voltou a ceder a quem nos ataca e nos matrata.

Volto a dizer: sempre defendi LFV, mas a sua margem de manobra (que era imensa), dissolveu-se num abrir e fechar de olhos. E porquê: porque vai voltar a dizer a frase "Toda a gente sabe a relação que tenho com o presidente do Braga." tentando fazer dos benfiquistas estúpidos e ainda mais enxovalhados. Mas não conseguirá. Estamos atentos, e noto que a insatisfação daqueles com quem falo e contacto diariamente é crescente em relação á Direcção. Reafirmo: perante a Direcção. Nunca perante a equipa. Essa orgulha-nos. Não tenha a Direcção o condão de minar as suas prestações como parece estar empenhada.

Depois de David Simão, o Ruben Amorim. Dois portugueses. Só faltam o Eduardo (que até está emprestado), o Mika, o Miguel Vitor e o Nelson Oliveira (que até se diz que...). O que deviam despachar (André Almeida- atenção: nada contra a pessoa, mas como jogador não serve!) não o fazem.

PS: estive a saltitar entre os dois programas "desportivos" que dão na TV á segunda feira. Sobre os mediadores, não se pode esperar muito já que alinham sempre com os corruptos e se ajoelham e corroboram tudo aquilo que dizem, mas nenhum dos artolas que representa o Benfica se lembrou de chamar á discussão a notável prestação do árbitro no Porto vs. Gil Vicente da primeira volta!!! Como eu sempre digo, cada vez que ouço um tipo do Porto a queixar-se da arbitragem é, para mim, a mesma coisa que ouvir a Cicciolina dizer "Aquela gaja que vai ali é um bocado puta!".

PSS: Um apelo final, Presidente LFV (em tom de suplica): emende a mão. Ainda tem tempo. Faltam 23 horas e 5 minutos até o mercado fechar. Já lhe disse que teria todo o prazer em vir aqui e engolir estas (duras) palvras: Traga um defesa esquerdo, um defesa direito e um extremo direito (que não o Djaló, por favor)!!! Estou desiludido, mas quero acreditar em si. Quero acreditar em si. Quero acreditar que, tal como eu, você também quer ver o Benfica Campeão. É essa a nossa essência.

PSSS: a frase da noite, que ilustra o que vai na cabeça de todos os benfiquistas, é da autoria do Constantino do magnifico blog A mão de Vata e diz qualquer coisa como: "É
possivel o SLB estar em 1º com 5 pontos de vantagem e mesmo assim um gajo passar
a noite angustiado?
" Perfeito!

segunda-feira, 30 de Janeiro de 2012

Tristeza...

Infelizmente para nós, adeptos, que gostamos de ver o Benfica ganhar e ser Campeão Nacional, a nossa Direcção não partilha das nossas ambições. Estou, aliás, convicto que o facto de o Benfica estar em primeiro lugar, a 5 pontos do segundo classificado e a jogar bom futebol está a causar muito incómodo nas cabeças iluminadas que dirigem os destinos do nosso Clube. Há, até quem diga, que a passagem da fase de grupos da Champions roçou o intolerável. E logo em primeiro lugar. Eu, que sempre fui um acérrimo defensor de LFV, sinto que nesta reabertura de mercado LFV não está a dar tiros nos pés, mas sim umas valentes bazucadas nas unhas. É para mim incompreensivel que se verifiquem as seguintes situações:

. Djaló no Benfica;
. André Almeida no Benfica;
. Ruben Amorim no Braga;
. Não se contratou um defesa esquerdo que corra com "quem não se deve nomear" para fora do onze;
. Não há um substituto para o Maxi (e não digam André Almeida, sff...);
. Toneladas de jogadores para uma equipa B, que só irá competir para o ano, como se a prioridade fosse essa.

Andam a gozar connosco. Que pagamos quotas, que compramos Red Pass, que apoiamos, que vamos atrás da equipa vá ela para onde for muitas vezes com sacrificio pessoal e financeiro. Que, por este Clube, até abdicamos de passar tempo com as nossas familias.


Senhor Presidente: tem até ás 24 horas de amanhã, para me fazer "engolir" este post. Nada me daria mais prazer...

PS: Os corruptos já asseguraram o Lucho e um ponta de lança. Posições onde estavam carenciados a somar ao Danilo. Percebem o que quero dizer...?
PSS: Já sei que provavelmente vou ser atacado e apelidado de mau benfiquista. Mas não sou e não recebo lições de benfiquismo de ninguém. Mas sou um ser pensante com espirito critico.

Ambos sabemos, mister, ambos sabemos

Seria. Eu sei e tu sabes. O César não era tão mau quanto a maioria dos adeptos achava, apesar de o corpo não conseguir acompanhar a mente. Era regular. Não havia grandes arrancadas mas havia segurança na lateral esquerda, coisa que hoje não temos. Era um profissional tranquilo, um polivalente e neste momento meteria "Aquele Que Não Deve Ser Mencionado" no bolso. Foi pena não o teres conseguido convencer a ficar no clube e a desempenhar a posição que querias dele, especialmente quando se fala (diz-se por aí...) que Capdevila pode sair do Benfica hoje.

P.S. Quanto a Djaló... parece que sim.

domingo, 29 de Janeiro de 2012

Nem Ganso, nem Galo... nem Águia


Este Porto não vai à bola com as aves. Primeiro foi a nega e o xingamento público que o presidente do Santos impôs aos azuis e brancos ao receber uma proposta "ridícula e trágica", nas palavras do mesmo, sobre Paulo Henrique Ganso, médio criativo dos de Vila Belmiro. Hoje foi ver o Gil Vicente, que já na semana passada tinha dado muito boa conta de si na Luz ao causar imensos problemas ao Benfica, dificultar as aspirações portistas na revalidação do título de campeão. Grande galo imposto por Cláudio, pelo sósia de Capdevila e pela restante equipa gilista. O Porto vê assim a Águia a fugir na classificação, para azia de muitos portistas, alguns sportinguistas e até vitós encapotados.

Aos adeptos benfiquistas importa relembrar que nada está ganho e que, a partir deste momento, dado o plano teórico, temos muito mais a perder que a ganhar. O caminho é difícil e teremos adversários muito complicados pela frente. Podem nem ser os mais habilidosos, mas se demonstrarem o empenho que o Feirense e o Gil demonstraram nos jogos contra Benfica e Porto, as coisas tornam-se complicadas. Eles também jogam (e nem é com a amarelinha, como ridiculamente se insinuou por alguma blogosfera). E quem dizia que o alargamento a 18 clubes só acrescentaria duas equipas que seriam carne para canhão dos grandes, pode repensar a opinião. Basta ver os resultados alcançados pelos "mais fracos" nos últimos anos.

Já Está


Vitória sem espinhas. STOP.

Estádio complicadíssimo. STOP.

12 vitórias para o título. STOP.

Carrega Benfica. STOP.

sábado, 28 de Janeiro de 2012

Aguenta coração...

Estádio pequeno, adeptos barulhentos, adversário aguerrido e desinibido, de volta aos anos 90. O Benfica arrancou uma vitória preciosa e difícil frente a um adversário complicado, que tinha roubado pontos em casa ao Porto, naquele que foi o triunfo mais difícil da época a par do alcançado nos Barreiros. Após uma primeira parte com alguns lances de perigo para ambos os lados, o Feirense entrou melhor no segundo tempo e colocou-se em vantagem fruto de um golo de Varela, que surgiu de pontapé de canto. Estávamos em Santa Maria da Feira mas parecia a Trofa. Medo. O Benfica estava a perder e não dava a volta a um resultado desfavorável fora desde Abril de 2010, na Figueira da Foz. A equipa mostrava alguma capacidade em circular a bola mas claras dificuldades em aproximar-se da baliza com verdadeiro perigo. Até que o mesmo Varela emendou a mão e voltou a colocar a partida empatada, ao desviar com sucesso um cabeceamento de Cardozo. Jesus mexeu e fez entrar dois jogadores que colocaram mais dinâmica à partida, Gaitán e Nolito. E pouco depois, o irrequieto Rodrigo, numa boa desmarcação, arrancou um penalty que Cardozo marcou para onde se deve marcar quando a confiança não está no máximo: para o meio. Depois foi aguentar e esperar pelo soar do apito final. Péssima arbitragem com um penalty perdoado ao Feirense e um golo mal anulado aos da Feira. Valeram os 3 pontos, tão importantes, e que nos mantêm no topo da tabela. Agora é esperar que o Gil faça o seu trabalho e nos deixe com uma margem mais folgada. Acredito sinceramente que sim.

P.S. Paulo Lopes? Andámos a formar um guarda-redes para isto? E o festejo do Shéu? Ele bem sabe onde se ganham campeonatos.

P.P.S. Parabéns ao treinador do Feirense, Quim Machado, que com poucos recursos montou uma equipa personalizada e consistente. Apesar de pouco criativos e engenhosos, a garra dos jogadores é enorme e a atitude demonstrada engrandece-os a eles e ao clube.

Talvez, seja mesmo verdade...

Vamos fazer contas:

Saídas do plantel no mercado de Inverno:
Mora - (Peñarol - empréstimo)
David Simão (Académica - empréstimo)

Portanto, saída de um avançado que não foi compensada até ao momento e de um número 10, que também não foi compensada.
Existe outra situação, Ruben Amorim que foi colocado à parte do plantel e ainda não se encontra reintegrado ao contrário de Enzo Pérez. Pelo que se disse, André Almeida veio substituir Ruben Amorim.
Juntando a estes factos, a chamada de Bruno César para terreno centrais nos últimos momentos do jogo contra o Gil Vicente para jogar como 10, talvez JJ tenha encontrado uma solução interna para a saída de David Simão.
A saída de Mora e a "mudança" de Bruno César para terrenos mais centrais, pode muito bem ter aberto uma vaga para um ala/avançado. Pois, é isso. O Yannick Djaló...
Em relação a este jogador, apenas dizer que nunca seria um indiscutível do onze, poderia no máximo, ser uma boa solução de plantel que exploraria situações de contra-ataque, coisa que os nossos alas actuais, tem alguma dificuldade.

Aguardam-se os próximos episódios...

Mais uma piada de mau gosto da nossa Comunicação Social...

O Benfica estar interessado no Djaló.
Pior.

Se Djaló falhar, a alternativa é o Sálvio.

Mas está tudo doido??

sexta-feira, 27 de Janeiro de 2012

Já que estão falidos, há outra maneira de pagar

Estádio José de Alvalade, domingo, 7 de Abril de 2012,
40.000 bilhetes

Um clube grande como o Benfica deve ser, até certo ponto, complacente para com os mais pequenos. Nessa medida, atendendo ao actual estado da nossa equipa de futebol e à falta de capacidade financeira do nosso ex-rival, proponho à Direcção do Sport Lisboa e Benfica que perdoe o meio milhão de euros que o Sporting nos deve e que, em troca, peça os famosos 40.000 bilhetes para o jogo da segunda volta em Alvalade.

quinta-feira, 26 de Janeiro de 2012

Apoiar por fora e já agora lá dentro também

A ideia em si, que muito provavelmente vocês já conhecem, é nobre e tem justificações mais que suficientes para que os adeptos não compareçam no interior do estádio do Feirense: vivemos tempos de crise, os bilhetes são excessivamente caros e há um claro aproveitamento dos clubes em relação ao Benfica e aos seus adeptos.

Mas a questão que eu ponho é a mesma que coloquei aquando do boicote patrocinado por Luís Filipe Vieira. Apesar de serem situações diametralmente opostas (Vieira não pediu um boicote contra os clubes adversários, ao contrário deste movimento), entroncam no mesmo ponto: e quem é que apoia o Benfica dentro do Estádio? Estamos num momento crucial da época. Três dos próximos quatro jogos são fora, com duas deslocações complicadíssimas a Coimbra e Guimarães e este jogo na caixa de fósforos da Feira, um estádio típico do período pré-2004 onde era muito difícil conquistar pontos (lembram-se do Mário Duarte, do São Luís, do Vidal Pinheiro, etc?). É, na minha opinião, fundamental que os benfiquistas compareçam em força em Santa Maria da Feira e que encham o estádio apoiando o nosso clube, apoiando os nossos jogdores. Lá dentro. É aí que se faz a diferença. Até porque a Feira pode ser a nova Trofa.

E do ponto de vista prático, a concretização deste projecto com êxito tem tanto de complicado como o Sporting vencer este campeonato. Sejamos objectivos: quem é que quer sair de casa numa noite de inverno e fazer vários quilómetros para ficar à porta de um estádio sem ver o jogo? Os benfiquistas que vêm à internet ler blogs não representam 0,5% dos benfiquistas de Portugal. E estas ideias nascidas na internet, sem a divulgação daqueles que são actualmente os grandes meios de comunicação (jornais e televisão), estão condenadas ao fracasso. Até porque, atendendo ao actual momento da equipa do Sport Lisboa e Benfica, parece-me impossível que os bilhetes não esgotem. Não é com duas mãos que se pára o Mar Vermelho.

Não me interpretem mal. Na minha lista de prioridades, a vitória no campo do Feirense é o objectivo mais importante. Atendendo ao enquadramento deste jogo, creio que é fundamental que os adeptos estejam presentes no estádio a apoiar a equipa. Desejo que este movimento tenha o maior dos sucessos possível até porque é uma ideia pertinente e que tem toda a razão de ser. Ficaria orgulhoso pelos benfiquistas que participariam (e que participarão) nesta iniciativa, mas a sua realização e arriscar não apoiar o Benfica num jogo tão complicado...

quarta-feira, 25 de Janeiro de 2012

8 anos depois

Longa vida ao Rei

Faz hoje 70 anos que nasceu o melhor jogador português de todos os tempos. O homem que elevou bem alto o nome de Portugal em 1966. O homem que conquistou dezenas de troféus pelo Benfica e que nos deu boa parte da dimensão europeia que temos. Obrigado, Eusébio. Parabéns.

P.S. E quem é o senhor que aparece ao lado de Eusébio?

terça-feira, 24 de Janeiro de 2012

Diabos Vermelhos não vão à Feira

Os Diabos Vermelhos (ler o comunicado) tomaram uma atitude corajosa mas inconsequente. Corajosa porque amando o clube como amam, deixar de ir ao estádio para apoiar a equipa custará a muitos deles eventualmente mais do que os 25 euros pedidos pelo Feirense. Inconsequente por outro lado porque quem manda e vai continuar a mandar nesta brincadeira do preço dos bilhetes são os clubes. Esta conversa tem mais de 15 anos e acaba por ficar invariavelmente em águas de bacalhau. Têm dúvidas? Há anos que isto é assim. O preço dos bilhetes tem de ser regulado (eu disse regulado, não disse "imposto") por uma entidade externa, neste caso a Liga de Clubes.

Quanto ao comunicado em si, apenas mais um pequeno apontamento: os Diabos têm toda a razão em fazer este comunicado e este protesto, dando como exemplo uma situação que já foi aqui discutida neste blog (ver aqui). Infelizmente trata-se de uma batalha hercúlea que estamos a travar e que dificilmente terá o desfecho que os adeptos desejam.

A propósito, se estão encandalizados com estes preços, relembro-vos estes.

P.S. Entretanto o Sporting fez um musical, o primeiro de uma equipa de futebol em Portugal. Já sabem: mais um título.

segunda-feira, 23 de Janeiro de 2012

Don Joan Capdevila Méndez, el Gordo

Temos aqui um problema. Joan Capdevila chegou ao Benfica com a fama de ser campeão da Europa e do Mundo mas logo na primeira conferência de imprensa em que questionaram Jesus sobre a nova aquisição, o técnico português menorizou a contratação do lateral esquerdo. Assim nasceu uma história de amor-ódio ou de incompreensão que não sei classificar ao certo.

A verdade é que provavelmente não estaríamos a falar da condição de suplente de Capdevila caso Fábio Coentrão cá estivesse. Mas não está. Quem acabou por ficar com a vaga de Coentrão foi Aquele Que Não Deve Ser Nomeado. E a qualidade desse atleta é constantemente posta em causa, vistas as fragilidades óbvias que exibe para mal dos nossos pecados. Porque não consegue então Capdevila conquistar a titularidade? A resposta pode ter sido dada contra o Santa Clara. Capdevila não está em forma. Não falo da velocidade ou do "ter pulmão", duas características sobrevalorizadas nos laterais, o problema de Capdevila é outro: está gordo. Balofo. Obeso. Convexo. Cheínho. Largo. Barrigudo. Ascítico. Quase cirrótico. Está na fase pré-Ronaldo. E nenhum jogador (excepto o Ronaldo e o Ailton, vá) se pode apresentar nesta forma. O que não sei é se o actual estado de Capdevila é a causa ou a consequência de não jogar, mas de qualquer das maneiras tem de se apresentar em boa forma.

É uma lástima que esta situação tenha chegado a este ponto. Temos aquele que era, até há um ano, um ds melhores laterais esquerdos do mundo (e que era titular na maioria dos jogos do Villarreal, ao contrário do que se quer passar). Hoje é suplente de um marreta e a meu ver por culpa do treinador mas também por culpa do próprio atleta.

P.S. Sporting é a 4ª equipa mais baixa da Europa. Mais um título para os de Alvalade.
P.P.S. Sporting é a primeira equipa com uma sessão de autógrafos cancelada pela marca promotora. Mais um título para Alvalade.

Águia vence galo bravo (título tão estúpido que amanhã será capa do Record)

Custou mas foi. O Gil Vicente foi a equipa mais competente que o Benfica defrontou na Luz em jogos a contar para o campeonato nesta época e causou enormes dificuldades com a sua defesa compacta mas subida. O Benfica não soube encontrar sempre resposta para os problemas causados pela equipa de Barcelos e teve muitos momentos em que não soube desatar o nó dado pelos gilistas no jogo. Muita bola na defesa, entre Garay e Luisão e alguma dificuldade em ter posse no meio-campo adversário. Felizmente Cardozo picou o ponto uma vez mais e Rodrigo, com sorte à mistura, colocou o Benfica na frente depois de Galo ter empatado para a equipa do Galo de Barcelos. Aimar, vindo do banco, selou o triunfo benfiquista que permite manter os dois pontos de diferença para o Porto, que também ganhou por 3-1 ao Vitória de Guimarães. Vitória justa mas suada e com um futebol pouco convincente naquele que acabou por ser o pior jogo na Luz a contar para a Liga Zon Sagres até agora. O que importa são os 3 pontos e já cá estão. Próxima jornada é em Santa Maria da Feira frente a um adversário que nos causará certamente muitas dificuldades...

domingo, 22 de Janeiro de 2012

Direitos televisivos: o que fazer?

Nos últimos dias temos assistido a mais contra-informação que informação sobre este tema que tanto preocupa (e que deve preocupar) alguns benfiquistas. Estamos a falar de vários milhões de euros em jogo e a decisão dos direitos televisivos dos jogos do Benfica não deve ser tomada de ânimo leve.

Mas o que mais me aflige não é não saber o que o Benfica, na pessoa do seu presidente, quer em relação a este negócio. O que mais me atormenta é a ideia que tenho de que nem o próprio Benfica sabe bem o que quer e quanto quer. Não me interpretem mal, mas tendo em conta a situação económica do país, quanto as empresas podem e querem oferecer, analisando as palavras do próprio Vieira, que começou este processo dizendo que um jornalista do Record teria de lhe fazer uma estátua porque iria vender os direitos televisivos por um valor bem superior aos 30 milhões de euros e observando a mudança de discurso encabeçada pelo garganta funda Rui Gomes da Silva... tudo isto leva a pensar que o valor pelo qual o negócio ficará feito será muito inferior àquilo que imaginávamos inicialmente.

De qualquer das formas, há uma boa maneira de contronármos esta indefinição e explicar as coisas aos sócios: assembleia-geral. O Benfica não deve ser dirigido de fora para dentro, mas deve ouvir e esclarecer os seus sócios até porque, segundo o actual presidente, eles [os sócios] são o maior activo e o maior bem do clube. Assim seja.

P.S. Há outras questões importantes que tardam em ser tratadas e que deveriam ser explicadas aos sócios: o naming do Estádio é uma delas. É para avançar? Quanto querem? Quem está disposto a pagar? Parece que não mas esta conversa tem quase 10 anos...

sábado, 21 de Janeiro de 2012

Não convocado!

Lancem os foguetes, a nossa besta negra não foi convocada!

Segundas linhas

O jogo com o Santa Clara permitiu aos adeptos verem alguns dos jogadores que constituem a chamada "segunda linha" do Sport Lisboa e Benfica. E se houve alguns que surpreenderam pela positiva, ou melhor, não desiludiram, outros houve que demonstraram que nem hoje nem a 30 de Fevereiro estarão prontos para jogar pelo nosso clube. Nest post, analiso alguns jogadores que se destacaram pela positiva e pela negativa nesse encontro:

Eduardo - um bom guarda-redes não precisa de fazer muitas defesas aparatosas. Basta-lhe defender quando é chamado a intervir. É coisa de guarda-redes de clube grande e Eduardo tem isso. Ainda bem. Contra o Santa Clara salvou o Benfica por duas vezes, uma delas simplesmente incrível. Excelente sentido de posição. É claramente o melhor guarda-redes português no Benfica desde Bento.

Jardel/Miguel Vítor - não desiludiram o que é importante. São dois atletas que têm jogado pouco e que se estrearam como dupla pela primeira vez no jogo contra os açoreanos. Não deslumbraram e tiveram allgumas falhas pontuais, mas nada de grave. São dois jogadores importantes para o plantel uma vez que não criam mau ambiente e que correspondem às expectativas quando chamados (Jardel, este ano, esteve bem quando fez dupla com Garay e Miguel Vítor, em anos anteriores, demonstrou o mesmo por várias vezes).

André Almeida - é o lateral da moda de Jesus e é um defesa in: incapaz, incompetente, invulgarmente mau. Não há aqui patinhos feios, o gajo é mau e ponto final, ou precisamos de lhe dar as oprotunidades que o Escalona e o Rojas tiveram para demonstrar a sua valia? André Almeida nunca na vida conseguirá atingir o potencial de Emerson (que como sabem, não é um jogador do meu agrado). Não consegue receber uma bola em condições, não tem pezinhos para defesa e nem consegue fazer um passe de jeito. Por favor não brinquem com o Sport Lisboa e Benfica, reeintegrem o Amorim urgentemente e despachem este "jogador" para Leiria outra vez.

Saviola - A cada jogo que passa fico mais desesperado. O que é isto? 65 minutos em campo e uma jogada digna desse nome. Dá dó ver um jogador da sua qualidade degradar-se desta forma. Nem tem força nas canetas para se manter em pé e fazer um passe com bola corrida. Neste momento deveria ser o terceiro avançado do plantel e duvido que para o ano consiga manter esse estatuto face à previsível explosão de Nélson Oliveira.

Nélson Oliveira - jogo interessante do internacional sub-21 português. Nem sempre muito feliz, fruto da boa organização defensiva dos insulares e do pouco entrosamento dos jogadores encarnados, procurou sempre levar a bola e a equipa para a frente. Não apareceu tão encostado às faixas como Jesus, Ilídio Vale e os treinadores da formação lhe exigiam, jogando mais pelo centro, mas com a mesma capacidade de transportar jogo. O golo acabou por lhe sorrir, justamente, recompensando a boa exibição. Que seja o primeiro de muitos.

sexta-feira, 20 de Janeiro de 2012

Golo do Setúbal; Quem falhou?


Neste primeiro momento, podemos ver Emerson e Witsel na linha da bola e Matic no meio-campo. Daqui, viria a resultar o lançamento de linha lateral para a equipa do Setúbal, bola que viria a ser colocada nas costas de Jardel e para o mesmo jogador que se encontra mais próximo da bola, neste momento, que é Jorge Gonçalves. Emerson fica mal na fotografia neste primeiro momento porque não acompanhou o seu adversário directo.



Num segundo momento, é quando a bola se encontra a ser lançada para as costas da defesa. Pode-se ver a linha defensiva, neste momento, Jardel já se encontra atrás da linha para perseguir Jorge Gonçalves que não se encontra em fora-de-jogo porque a bola vem de fora do terreno de jogo.
Podemos ver Matic e Emerson bastante próximos, sem nenhuma marcação direta e também, um pouco mais à frente também circundado, Witsel. No círculo de meio-campo encontra-se Bruno César, um pouco atrás de Neca que dispunha de todo aquele rectângulo livre à frente de Luisão.


No último momento, momento do cruzamento. Jardel encontra-se como "defesa esquerdo" e Matic a posicionar-se no lugar de Jardel.
Não se vêem nas imediações da área, Bruno César ou Witsel, para mim, os dois culpados no golo. Porque não se souberam reajustar a uma situação de desvantagem na lateral e que viria a resultar naquele rectângulo, sem jogadores do Benfica, à frente da nossa grande área de onde viria a surgir o remate para o golo.
Portanto, num primeiro momento falha Emerson e por último, Witsel ou Bruno César que não perceberam a situação de inferioridade numérica à entrada da área. Matic, como podem ver, estava-se a colocar, e bem na posição de Jardel.

Nélson Évora

Gostamos de celebrar os títulos e as vitórias que Nélson Évora dá ao Benfica e a Portugal. Vibramos e emocionamo-nos a cada salto que este atleta dá na pista rumo à caixa de areia. Um... dois... três! Grande salto! Medalha de ouro! Campeão olímpico! Nélson Évora é uma história de sucesso que gostamos de testemunhar. Mas também há derrotas na sua carreira, como a mais recente nos mundias de Atletismo.

Pior que qualquer derrota, é uma lesão. Isto não é cliché, é a mais pura das verdades. A angústia de um atleta de uma modalidade individual quando sofre uma lesão grave é algo muito pesado. Ainda para mais quando se é um campeão como Nélson, que tem uma reputação e um orgulho enormes a defender. Desejo rápidas melhoras a este verdadeiro campeão que nos faz gostar de modalidade que mal conhecíamos e que orgulha o seu país com a sua humildade, preserverança e títulos. Força Nélson!

quarta-feira, 18 de Janeiro de 2012

O trabalho "invisível" de Matic


Esta imagem é apenas para ficarem com uma ideia da zona do terreno onde Matic pressionou em conjunto com Rodrigo e a sua importância no segundo golo. Bastaram dois passes para a bola chegar a Cardozo.

5 vice-campeões do Mundo de sub-17

Elbio, Gianni e Jim Varela a comemorar um golo.


Gaston Silva - segundo consta, é o único jogador garantido para o próximo ano. Já esteve no estádio da Luz e inclusive, já tirou algumas fotos com Rui Costa. É um jogador de 1, 85 m e vem do Defensor Sporting, o mesmo clube de onde vieram Maxi Pereira e Rodrigo Mora.
É um jogador interessante, um central canhoto que actua preferencialmente como central "esquerdo". É um jogador que terá que crescer na agressividade com que aborda os lances, actualmente ainda é muito passivo. Tem uma características interessante que resulta da abordagem defensiva da equipa sub-17 do uruguaia, é o jogador que vai disputar as bolas "bombeadas" para as costas da defesa, na gíria futebolística o central das dobras. Como Garay faz no actual Benfica.

Gianni Rodriguez -É um jogador de 1,77 m e é procedente do Danubio do Uruguai. É um lateral esquerdo com "pulmão" para fazer toda a lateral a alta rotação durante os 90 minutos e que bate, lances de bola parada. Ainda assim, não me parece um jogador muito evoluído tecnicamente. Compensa algumas falhas posicionais defensivas com a agressividade que coloca nos lances.

Jim Varela - o jogador mais baixo dos cinco, com 1, 75 m e poderá chegar do Peñarol. É um trinco, como já repararam bastante baixo, com Jesus aposto que não calçará no plantel principal.
Posiciona-se bem mas ainda é algo lento a ocupar os espaços. Tem bons pés. É um jogador muito semelhante ao Airton, duvido que atinja um nível superior ao brasileiro.

Juan San Martín - Também do Peñarol. É um avançado, típico argentino. Corre demasiado e faz tudo com mais vontade que jeito. Foi o menos utilizado destes 5 jogadores no Mundial de sub-17.
Desnecessário, parece-me.

Elbio Alvarez - este sim, vale todos os euros que vamos investir nele. Tem um 1, 77 m, tal como Gianni e vem como os dois anteriores, do Peñarol. É um extremo direito, mas parece-me que também poderá jogar como 10 ou segundo avançado.
Tem um pé esquerdo fabuloso e consegue desequilibrar, como também se disfarçar de organizador de jogo na ala.
Tem alguns "traços" de James Rodríguez do Porto. Muito bom, esperemos que continue a evoluir.

Como disse atrás, apenas Gaston está garantido. Existe opção de compra sobre os jogadores do Peñarol e Gianni Rodriguez do Danubio. Que deverá ser accionada em breve.

PS: Um abraço para o nosso camarada "Zaratustra" que me pediu esta breve análise dos jogadores. Espero que sirva para ficarem com uma ideia sobre os jogadores.

Actualidade...


Nelson Oliveira - hoje, terá mais uma oportunidade para se mostrar, desta vez num jogo na Luz. O entorno poderá ajudar a uma melhor exibição do que as proporcionadas em Portimão, Figueira da Foz e Guimarães.
Para mim, o problema do Nelson tem residido na sua incapacidade de adaptar o seu jogo ao futebol sénior. A sua incapacidade de pensar mais rápido o jogo, segurar e passar a bola com maior velocidade e se convencer que não irá conseguir "enfrentar" 3 ou 4 jogadores como aconteceu na Colômbia.
Espero que hoje demonstre maior maturidade e pragmatismo no seu jogo.

Enzo Pérez - não esperava de forma nenhuma este fim. Cheguei a escrever neste espaço que o objectivo mais realista de LFV seria proporcionar ao Benfica o melhor negócio possível com o jogador. Felizmente, LFV aguentou, pressionou o empresário para fazer com que Enzo Pérez voltasse a Portugal e conseguiu.
O trabalho da direcção com este jogador foi exemplar. Não cedeu às pressões do empresário e do antigo clube do jogador e multou o jogador de forma exemplar. Resta a Enzo Pérez, abordar os treinos como se de jogos se tratassem para voltar às opções de Jesus.
Não tenham dúvidas que é um excelente jogador. Por algum motivo, os dois flanqueadores utilizados no primeiro jogo oficial foram Enzo Pérez e Nico Gaitan. Enzo é craque!

André Almeida - vão ser muitos os que vão torcer para um bom jogo deste rapaz e ainda mais, por uma exibição pobre da sua parte. Há muitos anos que os benfiquistas precisam de encontrar o seu patinho feio na equipa para descarregar as suas frustrações.
Pois bem, este jogador foi lançado no futebol sénior num momento em que o Belenenses estava sem dinheiro e teve que apostar na formação. De todos esses jogadores, Freddy e André Pires foram outros que tiveram essa oportunidade, foi o único que vingou na nossa primeira liga.
No jogo na Luz há dois anos, foi o único jogador que verdadeiramente assumiu o jogo e fez um belo jogo. Passados dois anos, é internacional sub-21 e tem sido opção regular de Rui Jorge. Também foi opção no Leiria durante esta primeira metade da época, clube que se encontra a disputar a permanência na nossa liga. Como sabemos, em clubes com estes objectivos é complicado apostar em jogadores jovens.
É certo que a sua abordagem a alguns lances ainda é alvo de alguma preocupação, mas deixem-no crescer!
O mesmo que acontece com jogadores como Matic e Emerson, tem futebol nos pés e sabem o que lá andam a fazer, algunss desleixos em algumas situações serão corrigidos com o tempo.
Em relação a Jardel, não se pode dizer o mesmo. Como o escrevi, demonstra fragilidades no seu jogo que dificilmente serão corrigidas.
Por fim, os benfiquistas tem que perceber que a constante troca de suplentes é que tem "morto" a saúde financeira do clube. Qual é a necessidade de trocar o Matic por outro jogador? Ficamos com outro jogador que não sabemos o que irá dar e na maioria dos casos, não irá demonstrar um nível muito superior ao jogador que vem substituir. O fundamental é encontrar suplentes com vontade de trabalhar e que não criem problemas no grupo, claro que tem de ser jogadores de um nível razoável/bom. Para mim, Emerson, Matic e André Almeida são jogadores deste tipo.

David Simão - precisa de jogar, e Jesus já demonstrou ter outras opções para o seu lugar. Reconsidero e aceito este empréstimo, a uma das boas equipas do nosso campeonato, a Académica. Espero que faça uns bons 6 meses e regresse.

terça-feira, 17 de Janeiro de 2012

Paguem, animais

O estudo do LNEC parece não deixar grande margem para dúvidas: o incêndio provocado pelos adeptos do Sporting aquando do último derby danificou a cobertura e parte da bancada de betão armado do Estádio da Luz, o que requer a substituição de nove vigas da referida bancada e de elementos numa área que pode ultrapassar os 200 m2.

O regulamento da Liga, nestes casos, é inequívoco:
Portanto... paguem. O Correio da Manhã avança com 500 mil euros. Mas nós, como somos simpáticos, e sabendo da vossa situação precária, estamos dispostos a fazer-vos um preço de amigo vizinho: mais caro. Ou isso ou perdoamos os 500 mil euros em troca do Elias, vá. Mas paguem.

P.S. Confirma-se: na Índia, as vacas são sagradas.

Um já está, falta o outro

É exactamente isto que o Benfica precisa: união. O grupo de trabalho não pode desmembrar-se tão facilmente como aconteceu neste mês de Dezembro. Enzo Pérez foi "posto no sítio", segundo A Bola e reintegrado no plantel já hoje. A partir de agora, na fase final da recuperação da lesão, Enzo trabalhará com os seus colegas e só tem de dar o seu melhor. Se tiver uma postura e atitude dignas nos treinos, deverá ser chamado rapidamente para as próximas convocatórias uma vez que a sua qualidade assim o justifica, não devendo o treinador mostrar qualquer sinal de marginalização para com o argentino. Resta por isso acreditar que os jogadores com mais anos de balneário consigam integrar o companheiro, pois todos temos a ganhar em que se sinta bem no Benfica.

A Reforma do Futebol Nacional

Num post publicado há dias, sobre a eleição de Mário Figueiredo para presidente da Liga de Clubes, manifestei-me favorável à ideia de voltar a ter um campeonato com 18 clubes. Partindo deste ponto, apresento aquela que seria a minha ideia para a reforma dos dois campeonatos profissionais do futebol português.

Em primeiro lugar, os motivos: o campeonato com 16 equipas não oferece jogos suficientes a um adepto de futebol. É insuficiente. Treinamos mal e jogamos pouco em Portugal. Há duas formas de oferecer mais jogos: ou reduzimos o número de equipas para 12 fazendo um campeonato a três voltas ou aumentamos o número de participantes para 18. O incoveniente da primeira solução é que, a meu ver, mataria definitivamente o futebol português uma vez que se criaria uma super-elite ainda mais diferenciada que a que existe actualmente, ou seja, Benfica, Sporting, Porto e Braga passariam a pôr e dispôr ainda mais do dinheiro, dos negócios e do poder no futebol português sobre as outras equipas. Porquê? Porque com 12 clubes, descendo dois, haveria uma grande rotação de equipas da primeira para a segunda. Por outras palavras, Guimarães, Académica, Marítimo, Nacional e outras equipas que se têm estabelecido na primeira divisão passariam a fazer parte da segunda liga mais frequentemente, perdendo naturalmente poder de compra. Isto interessa a quem? Provavelmente apenas aos 3 grandes, que teriam, ao invés do que seria de esperar, adversários mais fracos. Possivelmente mais homogéneos, mas ainda mais nivelados por baixo. Por isso, a solução que me parece ser a menos má é mesmo alargar o campeonato para 18 equipas. Neste modelo competitivo, com três equipas a descerem, há muito mais luta na metade inferior da tablela, o que evitaria algumas "borlas" que se vêem por aí. Que me recorde, a luta para não descer mantinha-se não raras vezes até à 34ª jornada com mais de duas equipas envolvidas.

Apresentada a ideia, e sabendo da intenção de introduzir as equipas B de Benfica, Sporting, Porto, Marítimo, Braga e Guimarães na Liga Orangina ou na segunda B, eis o modo de implementação da mesma, dividido pelas épocas 2011/2012, 2012/2013 e 2013/2014.

2011/2012: a época que está actualmente em curso não deve sofrer quaisquer alterações sob pena de se tornar numa enorme farsa. Não se alteram as regras a meio do jogo. Já ouvi falar numa possível situação que não me agrada e que passaria por não descer ninguém à Orangina esta época. Que sentido faz isso? Seria falsear o sentido da prova. Este ano, como dizem as regras, devem subir duas equipas e descer outras duas.

2012/2013: seria a primeira fase de mudança. Nesta temporada, 16 equipas participariam na Primeira Liga e 20 participariam na Segunda Liga. Estas 20 seriam as 16 esperadas mais Benfica B, Sporting B, Porto B e Marítimo B. Os três primeiros por terem maior história e responsabilidades no futebol português e, no caso dos insulares, por terem um projecto de há muitos anos e bem sustentado que levou a que jogadores como Sami, Djalma ou Danny passasem da equipa B ao plantel principal. Da Primeira Liga para a Segunda desceriam à mesma duas equipas e quatro clubes fariam o sentido inverso, da Segunda para a Primeira. Contas feitas, no final de 2012/2013, a Primeira Liga teria 18 clubes e a Segunda Liga também.

2013/2014: nesta época, Sp. Braga B e Vitória de Guimarães B entrariam directamente para a Orangina, figurando esta divisão com 20 equipas. A Primeira continuaria com 18 clubes. Algum problema? A meu ver, não. Em Inglaterra, por exemplo, a Premier League tem 20 equipas e a First Division tem 24. Em Espanha ocorre uma situação semelhante, com 20 e 22 equipas na Primeira e Segunda divisões, respectivamente. A partir daqui, três equipas desceriam e outras três subiriam.

segunda-feira, 16 de Janeiro de 2012

Gaitán? Só se for a defesa esquerdo!

É um exagero, claro está, mas parece-me que tendo em conta o momento de forma de Nolito e de Bruno César, Nico Gaitán tem (ou deveria ter) o seu lugar cativo no onze em risco. Tanto o espanhol como o brasileiro têm-se exibido a bom nível, mostrando muita vontade, qualidade e golos, aparecendo nos momentos mais importantes dos jogos. É certo que a qualidade de Gaitán é inquestionável, mas fará sentido abdicar dos outros dois alas para entregar a titularidade de mão beijada ao camsiola 20?

Na minha opinião, não. Gaitán é um jogador inconstante em termos exibicionais. Varia entre o muito bom e o muito mau, por vezes no mesmo jogo. Já nos deu pontos e golos importantes esta época, como no Dragão e com o Manchester, mas não é raro vê-lo eclipsar-se em alguns jogos, nomeadamente contra adversários menos talentosos. A Nico falta-lhe, a meu ver, algum sentido colectivo de jogo, pois esquece-se frequentemente que está a jogar para uma grande equipa e não é suposto ter uma grande equipa a jogar exclusivamente para si, recuperando as bolas que infantilmente perde após alguns disparates. Não menosprezando o valor que o jogador tem, não acho que se deva entregar a titularidade só porque nas suas costas aparece o nome "Gaitán". Nolito e Bruno César merecem que se continue a apostar neles, deram conta do recado e foram os titulares naquele período que acabou por ser o melhor do Benfica esta época, tanto em termos exibicionais como de resultados.

Jesus tem de se lembrar que o objectivo prioritário para esta época passa não por vender Gaitán por 40 milhões ao United mas sim por ser campeão. E para ser campeão não pode olhar a nomes, algo que tem sabido gerir bem nestes dois anos e meio de Benfica, salvo uma ou outra excepção.

Digam lá se esta tipa não devia levar umas valentes lambadas?

O que esta cronista(???) hoje escreve no Record é simplesmente inqualificável. Pior: assumindo-se como benfiquista lança um ataque ao Cardozo que faz corar de inveja o lagarto e andrade mais empedernido. Benfiquistas como tu, sua ****** (raspar os asteriscos), não fazem falta. Nenhuma mesmo. Para quem ainda não leu, aqui fica o artigo desta ******.
O Cardozo
Com tamanha eficácia concretizadora, seria de esperar
que o número 7 benfiquista fizesse a alegria de todo e qualquer adepto. Parece
que o Tacuara é o melhor marcador estrangeiro do Glorioso. Parece que nos salva
umas quantas vezes. Dizem que tem um pé esquerdo-bala. Mas a mim não me traz
grande alegria. Já aqui o disse muitas vezes. Hoje explico porquê.Oscar Cardozo é
teimoso, pesado, cabeçudo, preguiçoso, lento e, mais recentemente, caprichoso.
Tem vindo a perder humildade e, mesmo marcando, qualidade. Se o paraguaio já me
mexia nos nervos antes do último Benfica - Sporting, o vermelho que viu nessa
partida levou-me ao ataque de nervos agudo. Amarelado e caprichoso, deu-se ao
luxo de protestar com a vida ou com o árbitro - nunca saberemos - e ir parar ao
meio da rua com meia hora de jogo pela frente e uma vantagem magra para
defender. Depois desse jogo, e com o Rodrigo a jogar a titular, perdeu-se
qualquer hipótese de eu vir a gostar - ou voltar a gostar - do Cardozo.
Lembram-se quando ele dançava a imitar uma galinha após cada golo marcado? Pois
cantar de galo é o que o Cardozo faz melhor.Ele marca, pois
marca. E obriga alguns defesas a preocuparem-se em marcá-lo, é verdade. Mas
pensa muito pouco. Não tem visão de jogo ou inteligência táctica. Não faz pela
vida, espera alegremente que a bola lhe chegue ao alcance enquanto outros se
matam na correria pelos 90 minutos afora. Os tempos não estão para um
ponta-de-lança que não sabe fazer muito mais que estar à espreita, sem construir
jogadas ou partilhar a fortuna com os colegas de equipa. Só que enquanto o
Rodrigo não acaba de crescer, o Oscar tem lugar marcado porque marca.No sábado marcou.
Duas vezes. Mas caprichoso como ele é, deu-se outra vez ao luxo de ver um
vermelho. Só faltavam 5 minutos para o fim e vencíamos 4-1. Na recepção ao Santa
Clara não estará lá. Não me deixa saudades.
by Marta Rebelo.

domingo, 15 de Janeiro de 2012

Should I stay or should I go?

Já vamos a meio de Janeiro e o mercado está muito parado para os lados da Luz. Ainda bem, digo eu. Se há coisa a que o mercado de Janeiro nos tem habituado é ver péssimos negócios, entre contratações fúteis e vendas disparatadas, por parte do Benfica. No entanto sabemos que, muito provavelmente, vai haver mexidas. Dos jogadores que poderão sair, eis a minha opinião sobre cada um deles e sobre devem ou não sair.

Eduardo: o namoro de Jesus por Eduardo já é antigo. Ainda antes de Roberto chegar ao Benfica, já Jesus queria o guardião do Braga, à altura, no Benfica. Chegou à Luz para representar o seu clube do coração mas na baliza já morava Artur, que tinha impressionado tudo e todos com exibições seguras e de grande qualidade. É actualmente o guarda-redes da Taça da Liga e já expressou o seu desejo em sair para jogar regularmente. Deve o Benfica satisfazer o seu desejo? Não. É um bom guarda-redes e é importante não esquecer que se Artur vir um amarelo na Champions, fica de fora do jogo seguinte. Mais vale prevenir até porque será difícil remediar.
Veredicto: Ficar.

Miguel Vítor: tem jogado menos do que aquilo que se esperava. Actualmente é, aos olhos de Jesus, o quarto central do plantel, mas a primeira hipótese para substituir Maxi quando o uruguaio não pode jogar (visto que Amorim, para já, não conta). Mesmo sabendo do interesse de alguns clubes, uma equipa deve ter sempre quatro centrais com qualidade para substituir um habitual titular com um nível minimamente aceitável. Não podemos abdicar de Miguel Vítor.
Veredicto: Ficar.

Capdevila: O seu valor intrínseco é inquestionável, pelo menos para quem o viu jogar e sabe o que vale. Quem o conhece sabe do seu valor, quem não conhece é melhor não tecer muitos comentários pois arrisca-se a fazer figura de urso ao dizer que é pior que Emerson uma vez que o treinador é que sabe, argumento que legitima todas as decisões de todos os treinadores (incluíndo colocar Beto a titular quando havia Karagounis, lembram-se?). É incomparavelmente melhor que Emerson, devia ser titular de imediato.
Veredicto: Ficar.

Luís Martins: é, no entender de Jesus, o segundo lateral esquerdo do plantel. Está longe de ser melhor que os outros dois colegas de posição e a sua escolha para figurar no banco de suplentes é, a meu ver, uma forma clara de Jesus explicar a Capdevila que "não te posso vêr à frente nem pintado e por isso até convoco este miúdo". Não tem qualidade para ser titular nem suplente neste momento.
Veredicto: Emprestar.

André Almeida: não lhe vejo grande futuro, sinceramente. Do que tinha visto dele ainda no Belenenses e na pré-época no Benfica, parece-me curto tanto a jogar sobre o meio-campo como na lateral direita. Mal estará o Benfica se tiver de recorrer a André Almeida. Actualmente não tem qualidade para estar no plantel e acredito que dificilmente algum dia terá.
Veredicto: Emprestar.

Rúben Amorim: já dei a minha opinião sobre este caso. Amorim tem qualidade mais que suficiente para ser mais utilizado. Não pode, no entanto, ter a atitude que teve mesmo tendo razão (que a tem). Assim não pode ser. Deve ser multado e reintegrado rapidamente. A época ainda vai a meio e vamos seguramente precisar dele. E provavelmente, ele precisa mais de nós do que pensa.
Veredicto: Ficar.

Enzo Pérez: o mesmo se aplica a Enzo Pérez, com a diferença que a atitude do argentino é ainda mais incompreensível. Do Benfica não tem nenhuma razão de queixa, a sua atitude foi lamentável. Deve levar uma multa exemplar, pedir desculpas ao grupo e ser reintegrado o mais depressa possível. Tem qualidade a rodos, é um desperdício não a aproveitarmos.
Veredicto: Ficar.

David Simão: tem muita qualidade e não tem oportunidades. Mesmo sabendo da qualidade das opções de Jesus, David Simão merecia muitos mais minutos que aqueles que tem. Não o digo por ser da formação nem por ser português, mas por ser objectivamente bom. Tem de sair para rodar e voltar ainda melhor.
Veredicto: Emprestar.

Rúben Pinto: Não me lembro de o ver no banco de suplentes uma vez que fosse sequer. No entanto, do que me recordo nas camadas jovens, é um jogador muito interessante e que apresentava um futebol evoluído para a sua idade. Por mim, emprestava-se a uma equipa da Orangina.
Veredicto: Emprestar.

Nélson Oliveira: Nélson já começa a ser uma opção no banco de suplentes e tem entrado pontualmente em campo. Mesmo sem ter muitos minutos na Liga, vai demonstrando o seu valor sempre que chamado. Se por um lado o seu empréstimo seria benéfico para o crescimento do atleta, o Benfica não pode abdicar deste avançado sob pena de ficar sem muitas opções para a frente de ataque. É a chamada faca de dois gumes.
Veredicto: Ficar.

Rodrigo Mora: Pouco ou nada mostrou até aqui. Conheço pouco de Mora e o que mostrou até aqui não me entusiasmou. A verdade é que, olhando a longo prazo, não vejo hipótese nenhuma de vir a ser importante no Benfica. Cardozo está cá e está para durar, felizmente. Rodrigo e Nélson idem, espero. Não terá muitas oportunidades.
Veredicto: Vender.

Javier Saviola: O Saviola de 2010 já não volta, desenganem-se. Perdeu explosão, perdeu velocidade, perdeu força. Mantém o faro de golo e um grande conhecimento do jogo, mas é-lhe cada vez mais difícil executar tecnicamente bem os lances. Tenho alguma dificuldade em compreender o motivo que levou a que se renovasse contrato, a não ser que seja um aliciante para Aimar ficar. No final da época logo se vê o que se faz a este jogador. Por agora...
Veredicto: Ficar.

Mário Figueiredo, presidente da Liga

Mário Figueiredo venceu António Laranjo na corrida à presidência da Liga de Clubes. Apoiado pela maioria dos clubes ditos mais pequenos, conseguiu vencer o candidato que reunia o apoio dos três grandes. Quem é Mário Figueiredo? De onde vem? Que projectos traz para a Liga de Clubes? O que defende?

Numa Liga cada vez menos autónoma e cada vez mais dependente da Federação, Mário Figueiredo, advogado de profissão, faz parte de um escritório (GMSSC) constituído por Gil Moreira dos Santos, advogado de Pinto da Costa no processo Apito Dourado, e Adelino Caldeira, administrador da SAD do FC Porto. Mário Figueiredo é ainda genro do presidente do Marítimo, Carlos Pereira, sendo advogado dos insulares. Parece portanto estranho verificar que não reúne o apoio dos portistas. Estranho? Talvez não. Tendo em conta que o FC Porto não apoiou Fernando Gomes para a presidência da Federação, encontramos aqui um padrão. Os interesses aparecem mascarados, há que ter atenção a estas situações.

Qunato a projectos, Figueiredo apresenta como bandeira o alargamento da Liga para 18 clubes, a renegociação e redistribuição do dinheiro dos direitos televisivos, publicidade e apostas online e a introdução de mecanismos de solidariedade aos clubes com menores capacidades financeiras. A primeira medida agrada-me e explicarei porquê noutro post, as outras duas parecem-me prejudiciais aos grandes mas mais ao Benfica que aos outros uma vez que, goste-se ou não, somos o clube que mais dinheiro consegue fazer mover.

Um a um (Benfica vs Setúbal)


Artur - algo nervoso. Um pouco abaixo do que nos tem habituado, de qualquer forma tem se revelado um upgrade enorme em relação ao ano passado.

Luisão - um mau alívio para a zona central do terreno, onde se deveria encontrar Witsel, visto que Matic tinha ido ajudar Emerson e Jardel na lateral esquerda. Custou um golo mas a sua exibição foi sempre a subir daí em diante. Bom jogo!

Jardel - acho que está farto de demonstrar que não tem valências para ser central de equipa grande. Tecnicamente, deixa a desejar e fica sempre na dúvida como deve abordar os lances nas zonas laterais, por um lado quer ir lá mas por outro, tem medo de deixar descoberta a zona central. A contratação de um terceiro central tem que ser uma prioridade ou a colocação de Miguel Vítor como terceira opção. Para mim, é melhor com a bola nos pés e na abordagem aos lances que o brasileiro.

Maxi Pereira - ataca com muita qualidade, defende igualmente com enorme qualidade. Acho que apenas Daniel Alves consegue superá-lo, neste momento. Portanto, segundo melhor lateral direito do Mundo, actualmente.

Emerson - deu continuidade aos bons jogos em Guimarães e na Marinha Grande. Tem qualidade técnica, ainda revela algumas falhas de concentração algo incompreensíveis mas deve continuar no plantel, como alternativa a um titular mais decisivo nas acções ofensivas.

Matic - Vou-me repetir, qualidade técnica e algumas falhas incompreensíveis. No fundo, muito semelhante a Emerson. Para titular, dá a sensação que é algo curto mas pode continuar a ser um elemento válido no plantel. Espero que se mantenha por cá, tal como Emerson.

Witsel - Bom jogo! Esteve bem dentro dos possíveis. Para mim, atinge o patamar de grande médio do futebol europeu com Aimar no onze. Ainda não tem dimensão para ser o principal construtor de jogo de uma equipa que joga com dois médios no centro do terreno. Parece-me que sente a falta de um terceiro homem para ajudar a construir.

Bruno César - depois de um grande jogo, baixou a bitola. Alguns bons momentos com Maxi, espero que melhore no próximo jogo.

Nolito - cada vez mais Simão e cada vez menos avançado esquerdo. Chegou com movimentações de avançado e agora já pensa como médio. O futebol colectivo ganhou com a mudança sobretudo Emerson, que aparece cada vez melhor nas movimentações ofensivas.
Os números de Nolito (assistências e golo) tendem a baixar com esta mudança.

Rodrigo - Impressionante! Os seus tiques à imagem de Henry a jogar como segundo avançado, encantam-me e aposto que também, os olheiros dos clubes mais endinheirados do futebol europeu.
Espero que dê para aguentar por mais algum tempo, este tem que ser a VENDA MAIS CARA DA HISTÓRIA DO NOSSO CLUBE.
"Pode mesmo vir a ser um fenómeno no futebol Mundial..." - http://eternobenfica.blogspot.com/2011/11/fenomeno.html

Cardozo- mais uma vez, a decidir. É a peça mais influente da nossa equipa.
Fiquei furioso com expulsão, poderia ter-se limitado a encostar a bola para a baliza mas quis embelezar a jogada. Ao que parece, cumprirá castigo contra o Santa Clara a meio da semana e seguirá com 3 amarelos na Liga. Menos mal...

Gaitán - para quem veio de lesão, entrou bem. Pouco mais a acrescentar.

Saviola - que lento, Javier! Estou cada vez mais convencido que só serve para desmontar autocarros em jogos na Luz.

Luís Martins - ajudou Emerson a fechar a lateral esquerda. É um projecto interessante de futuro.
Ainda para mais, Jesus tem demonstrado que gosta dele.

In the air tonight

Viste? Sentiste? Percebeste?

Quem esteve na Luz sentiu que havia um euforia e uma confiança na equipa que nunca vi ou senti numa primeira volta do campeonato. As pessoas acreditam. Os jogadores acreditam. Jesus acredita. E mais que acreditar, há capacidade. Sofremos um golo? Não há problema, até final da primeira parte já estamos a ganhar. Jogamos com 10? Até podiam ser nove que não deixávamos de dominar o jogo. O árbitro complica? Nem com um Cosme, um Malheiro ou um Xistra, todos ao mesmo tempo, conseguiam impedir este Benfica de ganhar. Temos capacidade. Os golos são festejados de forma diferente. Viram o Cardozo? Eufórico. E os adeptos? Em êxtase. Hoje criou-se, pela primeira vez desde 2010, a onda vermelha. Levem-na a todo o lado e levaremos tudo à frente. Este ano é nosso, será nosso e vai ser nosso.

sexta-feira, 13 de Janeiro de 2012

Continuidade ou dar uma oportunidade a Bruno César como 10?



ou




Apenas um reparo, caso Gaitan não se encontre a 100 %, deve ser substituído por Nolito.
Qual é para vocês a melhor solução? 4-1-3-2 com Bruno César a 10 ou 4-4-2 clássico?

quinta-feira, 12 de Janeiro de 2012

Djaniny

O jovem promissor avançado cabo-verdiano ao serviço da União de Leiria assinou pelo Benfica. Gostem ou não dele, e goste ele ou não de nós, comprometeu-se, é nosso e tem um contrato a cumprir. Mas vamos por partes.

Como já tinha destacado, Djaniny é um jogador que aprecio. E penso que confirmou no jogo contra o Benfica, onde por acaso (só por acaso) foi o melhor elemento da União, aquilo que tinha dito: é rápido sem ser tão veloz quanto um jogador com a sua idade e fisionomia aparenta, possui um toque de bola muito interessante sabendo escondê-la dos adversários e tem sentido de equipa, rematando com alguma facilidade. Terá qualidade para jogar no Benfica? Sim, tem. Não como titular por enquanto, mas integrando-o no plantel, jogando minutos pela equipa principal e também pela equipa B.

Quanto às declarações do seu pai, há que contextualizar a situação. Temos de compreender que esta negociação foi feita, ao que parece, à revelia ou com parcial desconhecimento do empresário de Djaniny. Aliando isto ao facto de o jovem e sua família serem de origens muito humildes e com escolaridade baixa... dá nisto. São facilmente manipuláveis e produzem declarações "quentes" sem intenção nem necessidade.

P.S. Jogar numa equipa B não é vergonha para ninguém. Pelo menos não deve ser. Um sistema de rotação como o que se faz em Barcelona é ideal. Mas isso fica para outro post.

quarta-feira, 11 de Janeiro de 2012

Como vocês tanto pediram...


Com a lesão de Aimar e de Witsel, abre-se uma janela de oportunidade para Bruno César como 10.
Muitos dizem que era a sua posição no Corinthians, na qual se tornou referência. Pois bem, o Corinthians jogava em 4-3-3 com o Bruno César a jogar como avançado nos flancos. Ocasionalmente, surgia uma variante em que, de facto, jogava como 10.
Percebo a vontade de o ver jogar no centro, ainda para mais com a lesão de Aimar e depois, da grande exibição na Marinha Grande. Espero que esta colocação na sua posição do "origem" não se converta numa desilusão e num contributo "a espaços" para o nosso futebol colectivo.
Mais do que fazer jogar a equipa, exige-se ocupação dos espaços, temporização de jogo, agressividade defensiva, etc etc etc. Exige-se uma grande variedade de recursos para jogar naquela posição, contando também com Matic a ocupar a posição 6 que não é o mesmo que ter Javi Garcia, que defensivamente é muito superior.
Portanto, só existe uma solução. Ser um jogo de sentido único, não deixar o Setúbal ter bola e superiorizar-se a meio-campo porque a nossa capacidade de recuperação defensiva, para além de ser mais lenta a meio-campo também é muito mais passiva com Bruno César e Matic.
Por fim, por muito boa exibição que Bruno César faça, só mesmo nos jogos em casa é que o colocaria na posição porque Witsel e Aimar dão outras garantias defensivas na posição. Não nos podemos esquecer que é o seu primeiro ano de Europa e a velocidade a pensar e executar no centro do terreno terá que ser superior à que pratica no flanco.

Sem honra nem vergonha

Mal vai um clube que se diz sério e que supostamente pugna por um futebol mais correcto e mais justo quando coloca nos túneis de acesso ao relvado imagens associadas a tudo aquilo a que o desporto não deve ser: violência e racismo. A escolha das imagens não é inocente. Quem fez aquilo, fê-lo premeditadamente e com pior das intenções. Qualquer pessoa com o mínimo de bom senso saberia que as imagens não poderiam ser exibidas. Mas também só se surpreende quem não conhece este clube: desde as claques neo-nazis passando pela famosa tarja "Eusébio macaco, a tua Flora toda a fauna comeu", os episódios de racismo no Sporting são mais que muitos.

Mas pior que os adeptos, só mesmo os dirigentes. O Sporting, actualmente, é comandado por gente muito pequenina. Mais pequenos que Bettencourt ou Soares Franco. E pior que serem mais rasteiros, só o facto de serem gente perigosa. Não no sentido de ameaçarem Benfica e Porto na conquista de títulos mas sim no sentido de fomentarem um clima ainda mais explosivo no futebol nacional. Neste caso concreto, face a esta notícia, o Sporting procurou desculpabilizar-se de toda a situação questionando o timing da notícia. Inadmissível. Questionar a altura do aparecimento de uma notícia para cobrir uma situação de racismo é nojento. Mas o Sporting foi mais longe: mentiu sobre as vistorias e avaliações feitas ao túnel e imagens aí colocados. Como burros que são, esqueceram-se de que tanto a Liga como a UEFA não brincam com este tipo de situações e foram rapidamente desmentidos por ambos os organismos.

Resta agora saber o que o Sporting vai fazer em relação às imagens e como os sportinguistas, nomeadamente os seus dirigentes, conseguirão voltar a falar de ética no desporto. Tão impunes, tão puristas, tão transparentes. Simplesmente inacreditável.

P.S. A mulher de Garay venceu o prémio de WAG do ano. A de Anderson Polga ficou em 43º lugar. Parabéns ao Sporting por mais um título.

terça-feira, 10 de Janeiro de 2012

Força senhor presidente!

Depois da autêntica borrada que foi o mercado de transferências de 2010/2011, Vieira emendou a mão e trabalhou muito bem nesta pré-época. Dotou o Benfica daquele que é, a meu ver, o melhor e mais completo plantel do clube desde 1993/94. É certo que teve um grande azar (a lesão de Enzo Pérez) e uma situação completamente inesperada (o caso Capdevila), mas não é culpa sua. No entanto, há uma (duas!) situações por resolver e que devem ser tratadas assim que possível.

Falo dos casos de Enzo Pérez e Rúben Amorim. Os jogadores não estiveram bem: o argentino porque não tem uma razão de queixa que se saiba do clube e traiu-nos depois de tanto tempo a ser bem tratado; o português porque desrespeitou o treinador, ainda por cima em frente dos colegas. E no meio disto tudo quem acaba por sair bem deste quadro é mesmo Vieira, uma vez que tem mantido o silêncio e os casos deixaram de ser falados na comunicação social. No entanto, não é por não se falar nos casos que eles estão resolvidos. Não estão.

É agora que Vieira deve intervir (se é que ainda não interveio). E o que deve fazer? Face à qualidade dos jogadores, deve fazer os possíveis por reintegrá-los na equipa. Sendo os casos tão diferentes, a abordagem em cada um deverá ser distinta. Quanto a Enzo Pérez, Vieira terá de mostrar quem manda. O atleta tem cinco anos de contrato e ou fica a cumpri-los com a equipa principal após multa ou fica a correr no Seixal, sozinho, até 2017. Enzo não terá opções. Vai ter de escolher aquela que é a melhor solução para si e para o clube. Já com Amorim as coisas não se encontram no mesmo plano. É explicar-lhe que percebe que queira jogar mais minutos e que provavelmente terá essa oportunidade brevemente (e terá, o calendário vai começar a apertar), mas que não pode deixar-se dominar pelas emoções. Paga a multa, pede desculpas ao treinador e ao grupo e volta a jogar de águia ao peito. Jesus deve ser igualmente sensibilizado pelo presidente, não no sentido de dar minutos (as opções são da inteira responsabilidade de Jesus), mas sim de não retaliar contra os infractores. Estas são questões de tacto. Vieira precisa de saber lidar com elas. E acredito que conseguirá dar conta do recado.

A época é longa, precisamos de soluções de qualidade, vai haver tempo para todos jogarem. Tem de haver uma reconciliação para que os objectivos sejam alcançados. De outra forma, tudo será muito mais difícil.

segunda-feira, 9 de Janeiro de 2012

Rodrigo, ano e meio depois

Ano e meio depois da sua polémica compra ao Real Madrid, hoje ninguém duvida que temos um grande talento nas mãos. Rodrigo é um dos jovens avançados com mais mobilidade e talento na alta roda do futebol mundial. Independentemente do preço a que foi contratado, não pensando no valor real actual do jogador e no valor demonstrado à altura da sua compra, sabemos que o Benfica vai fazer bastante dinheiro com a sua venda, que ocorrerá, inevitavelmente, mais cedo ou mais tarde. Hoje estamos contentes: Rodrigo dá golos, dá vitórias, dá pontos.

Mas (e há sempre um "mas"), a verdade é que no ano passado se gastaram 6 milhões de euros num jogador que não nos foi útil. Poderíamos ter perdido Rodrigo mas, em contra-partida, com o dinheiro que sobraria, poderíamos ter ganho um verdadeiro substituto de Ramires, que nunca chegou. Em 2010/2011 vimos um Benfica desequilibrado defensivamente e que sofreu muitas humilhações em campo fruto de uma equipa não compensada. A questão que vos ponho é a seguinte: sabendo do valor actual de Rodrigo e das humilhações sofridas no ano passado, estariam dispostos, voltando atrás no tempo, a abdicar da contratação do hispano-brasileiro para ter um médio equilibrador como Ramires? Digam de vossa justiça.

domingo, 8 de Janeiro de 2012

Obrigações, perigos e vantagens da liderança

Obrigações: mantê-la até final. O Benfica tem o melhor plantel deste campeonato. Equilibrado em todos os sectores, com várias soluções, tem obrigação de ganhar praticamente todos os jogos até ao final da Liga. A equipa é séria, adulta e sabe gerir os momentos do jogo. Ganhámos Garay, Witsel e Artur, três jogadores chave que além da técnica e da táctica têm um estofo mental de campeões. Aliando a estes um Luisão, Javi, Aimar e Cardozo em grande forma, temos uma espinha dorsal de equipa de classe europeia. Pensando jogo a jogo, com muita seriedade, não tenho a mais pequena dúvida de que seremos campeões.

Perigos: se os holofotes ainda não estavam totalmente apontados para nós, estarão a partir de agora. Líderes isolados, o alvo a abater. Não só por Sporting e Porto, com estes últimos a dominar a teia que é o futebol português, mas também por todos os outros clubes, os chamados pequenos. Não que uma vitória contra o Benfica dê mais pontos que uma vitória sobre o Setúbal, Olhanense ou Feirense, mas o orgulho e a ambição de vencer o mais amado e maior clube do país é um factor importante. E não o digo por fanfarronice. Aliás, nem sou eu quem o diz, são os próprios adeptos dessas equipas.

Vantagens: estamos à frente, partimos em vantagem e temos o calendário mais fácil. Se é certo que jogaremos com os mesmos 15 adversários que os nossos rivais, não é menos verdade que teremos o calendário mais acessível fruto de já termos ido aos Barreiros, Braga e Dragão. Já o Porto, por exemplo, terá de ir a Braga, Barreiros e... Luz. Olhando ainda para o banco do Porto, vejo uma figura sinistra, pequenina e, mais importante que isso tudo... incompetente. Podendo parecer que não, o nosso título pode passar por Vítor Pereira.

It's a bird, it's a plane... no, it's Benfica

Lá vai ele, todos a olhar para cima

Centros de Poder

António Oliveira, ex-jogador e treinador do FC Porto, acabou de dar uma entrevista interessantíssima no programa Zona Mista da RTP Informação. Oliveira deu uma explicação clara e concisa sobre o modus operandi do futebol português. Não que seja propriamente uma novidade, mas é uma explicação dada por alguém que esteve muitos anos no seio desta teia mafiosa e assim estas declarações saem valorizadas. Os dois assuntos quentes foram:

Taça de Portugal: Os sorteios são uma farsa. Intencionalmente ou não, Oliveira afirmou taxativamente que os sorteios eram feitos com bolas quentes e com bolas frias.

Lobby Olivedesportos: O grande assunto. Resumindo, o ex-seleccionador nacional afirmou que a Olivedesportos controla o futebol português em toda a largura. Desde a escolha do presidente da Federação, apoiado convenientemente pelos dirigentes de Porto, Sporting e Benfica, para que não percam benefícios, passando pela escolha do seleccionador nacional, tudo é controlado pela empresa do seu irmão. E "tudo" significa mesmo "tudo". Afirmou que os campeonatos ganhos pelo Porto eram controlados pela Olivedesportos e que esta empresa tem os clubes na mão, tendo questionado os seus próprios méritos enquanto treinador do fóculporto.

Será que já percebem a minha repulsa pelos indivíduos que andam de mão dada com o grande amigo Joaquim Oliveira?

sábado, 7 de Janeiro de 2012

Contratações de verão

Seis meses de trabalho, cinco de competição são tempo mais que suficiente para fazer uma avaliação sobre os jogadores que foram contratados ou passaram a integrar o plantel do Benfica pela primeira vez nas suas carreiras. A avaliação é feita tendo em conta o tempo de jogo que têm, as expectativas criadas, as perspectivas de futuro, a importância para a equipa e, sobretudo, a qualidade de jogo. Do pior para o melhor, eis a minha opinião:

Rúben Pinto, Mika, David Simão, Luís Martins, Mora, Enzo Pérez e Capdevila - Sem tempo nem espaço para afirmação. Os poucos minutos que jogaram não permitem uma avaliação quanto à utilidade e qualidade destes "reforços". No caso dos 5 primeiros ainda se percebe que, pela sua juventude ou pela qualidade das outras opções ao serviço de Jesus, tenham poucas oportunidades para mostrar o seu valor. Pérez, lesionado, também não teve chances. O caso de Capdevila parece ser incompreensível e a desculpa de que Emerson é melhor que ele é simplesmente idiota. Se é assim, também posso dizer que acho o Walter melhor que o Benzema.

Matic - Não é bom nem mau, antes pelo contrário. Tem mais técnica que aquilo que eu esperava, mas não é assim tão assertivo do ponto de vista defensivo, deixando muito a desejar quando joga sozinho à frente da defesa. Seria de esperar que com a sua altura e com a sua capacidade física conseguisse ganhar mais lances e impedir a progressão dos adversários, mas não tem acontecido. A meu ver, há outros médios que mereciam mais minutos. Matic tem jogado demais. Não justifica.

Nélson Oliveira - Pouco tempo também mas já começou a mostrar as suas qualidades. Rápido, com algum poder de desmarcação, apresenta remate fácil e uma grande mobilidade na frente de ataque que lhe permite jogar em cunha entre os centrais ou a vir da faixa (esquerda ou direita) para o centro. Tem um futuro muito promissor.

Eduardo - Só não joga mais porque tem um colega de posição de qualidade igualmente elevada. Eduardo é, provavelmente, o melhor guarda-redes que temos desde o tempo de Michael Preud'homme. Tem um pequeno azar chamado Artur. E acredito que, se tivesse chegado ao mesmo tempo que o brasileiro, seria hoje o titular fruto das suas qualidades, claro, mas também de uma possível preferência de Jesus. Sempre que foi chamado, esteve bem.

Rodrigo - Talvez a maior surpresa deste início de época. A sua contratação foi muito criticada no ano passado e com alguma razão: a prioridade era um médio centro/defensivo (que nunca chegou a vir, com as consequências que se conhecem) e o valor pago foi excessivo face ao que o jogador demonstrara em Madrid e face àquilo que seria expectável. De qualquer das formas, Rodrigo começa a justificar a escolha do departamento de futebol do Benfica para integrar o plantel. Rápido, com bom controlo de bola, tem faro pelo golo e já deixou a sua marca em alguns jogos importantes esta época. Pode chegar muito longe.

Bruno César - O senhor "ponte aérea" chegou ao Benfica com grandes ilusões e foi aquecer o banco. Não contente com a situação, trabalhou afincadamente e sempre que entrava em campo justificava as qualidades que se conheciam do Brasil. No entanto, com o passar das semanas, tem-se apagado progressivamente. Qual é o verdadeiro Bruno César? Quanto a mim está próximo do de Setembro. É um jogador muito interessante na minha opinião e que dá soluções de jogo que o Benfica não tinha o ano passado.

Nolito - Um jogador diferente de tudo aquilo que vemos actualmente. Com a bola colada ao pé, Nolito cria o pânico nas defesas adversárias. Flecte muito bem da esquerda para o centro e tem um remate colocado, à semelhança do que acontecia com Simão. Não é tão tecnicista, não é tão líder de equipa como o ex-camisola 20 mas tem uma enorme utilidade. Precisa de aprender a largar a bola mais cedo e de refilar menos com os árbitros. É garantia de golos.

Artur - Tecnicamente não é o melhor guarda-redes do mundo, longe disso. Mas transmite uma segurança e serenidade que impressionam. Artur é tranquilo entre os postes, agarra a bola na maioria das vezes, sai-se muito rapidamente aos pés dos adversários e não precisa de a socar quando lhe vem pelo ar, agarrando-a. Não dá nas vistas, mas quando é preciso fazer uma defesa de elevado grau de dificuldade também está lá (Elias que o diga, ainda hoje tem pesadelos).

Witsel - É difícil explicar como e porque motivo adoro este jogador. Witsel é um dos meus favoritos. É a prova de que a velocidade não é o mais importante no chamado "futebol moderno". O belga sabe ter a bola, controlar os ritmos do jogo e compreender quando se deve desmarcar, passar ou rematar. Do ponto de vista defensivo é a antítese de Ramires: muito mais de ocupar espaços do que de recuperar bolas. Era o jogador que precisávamos para ter alcançado a final da Liga Europa no ano passado. Um verdadeiro craque.

Garay - Não é preciso ser exibicionista para se ser um bom central. Garay é do mais discreto possível e surpreende pela sua serenidade, posicionamento e entendimento do jogo. O eixo formado por Artur, Luisão e por si é seguro muito graças às qualidades do argentino, que complementa o colega da selecção brasileira. Além disso, sabe sair a jogar e começa a mostrar alguma actividade nos lances de bola parada, tanto a responder a cruzamentos como a batê-los.

P.S. De Emerson não podemos falar, é assunto tabu. Parece que há muita gente sensível a esta questão. É fazer como os pinguins do Madagáscar: "just smile and wave boys, smile and wave".

sexta-feira, 6 de Janeiro de 2012

César Peixoto

César Peixoto e o Benfica chegaram a acordo para a rescisão de contrato. O médio/lateral esquerdo português abandona assim as águias após duas épocas e meia ao serviço do clube. Estando longe de ser o craque que prometera em início de carreira, César Peixoto era um jogador regular e com uma capacidade técnica invejável. Trabalhador, dava o que podia e conseguia em campo. Sem a velocidade de outrora, compensava pelo bom posicionamento e pela capacidade em segurar jogo, algo importantíssimo e tantas vezes negligenciado pelos adeptos. Ainda me recordo da sua entrada em Eindhoven, frente ao PSV, que veio estabilizar uma equipa inconstante e insegura.

Apesar de não gostar de jogar a lateral, era aí que eu gostava mais de o ver actuar. Em forma e com ritmo de jogo, era melhor que Emerson. E não se pense que digo isto porque é agora que se vai embora ou para xingar o brasileiro. Podem procurar na barra de pesquisa se não acreditarem. Também é com jogadores low profile como Peixoto de que se fazem os campeões. Obrigado e boa sorte.

Só enganam, quem quer ser enganado...

Digam lá que não foram oportunas as notícias sobre a possibilidade de Djaló assinar pelo fcp e a capa do Público sobre imagens que exaltam à violência no balneário dos visitantes do estádio de Alvalade. Mesmo mesmo mesmo, um dia antes de um jogo que os pode colocar a olhar para cima, se nós fizermos a nossa obrigação contra o Leiria.
Meus caros, mais uma vez procuram-se "vitórias morais", antes da bola começar a rolar.

Esperemos que o "rolo compressor", volte em força!

Ter um Mono é bom, dois seria fantástico.


O caso Enzo Pérez continua a dar muito que falar mas, a possibilidade de voltar parece cada vez mais remota. Mesmo sabendo disto, LFV procura manter-se firme.
Acho que nem o próprio acredita que o jogador voltará mas, no mínimo, pretende não ser muito prejudicado numa negociação com os Estudiantes de La Plata.
Segundo os diários argentinos, o Estudiantes colocou 6 soluções em cima da mesa. O único que conheço e bem, é Gabriel Mercado. Jogador que partilhava o flanco direito com Enzo Perez, uma locomotiva como Maxi Pereira que leva tudo à frente e que, para além do mais tem muita apetência para marcar golos. É seguramente um jogador com valor razoável no mercado mas nada que se compare com o valor de Enzo Pérez. Portanto, a troca por troca parece-me um mau negócio.
Os outros jogadores como referi, não conheço. Apenas, sei que Michael Hoyos é o camisola 10 dos sub-20 argentinos, lá terá algum valor. Podia ser uma solução interessante, também. Esta a médio-prazo.
Em relação a Mercado, acho que tínhamos muito a ganhar. Como falei ontem, a nossa dinâmica a meio-campo está longe de ser semelhante à que rendeu o título e alguns belos jogos na época passada, cada vez depende mais da capacidade ofensiva dos laterais. Por exemplo, Maxi esteve em três dos golos marcados em Guimarães. Com tantas tarefas ofensivas e defensivas, é provável que Maxi se vá abaixo em alguns jogos. Ter outra solução semelhante a Maxi, dava outra segurança e transformaria André Almeida, ainda mais, em jogador de meio-campo.