quarta-feira, 1 de junho de 2011

Entre o Ás e o Duque, está Rui Costa...

Após encerrar a sua carreira de futebolista, Rui Costa tomou posse do cargo de director desportivo do Benfica, com total autonomia nas suas decisões, com poderes abrangentes dentro da estrutura de futebol. Desde a escolha do treinador (Quique), passando pela negociação dos jogadores, percebia-se que era uma peça muito activa dentro do clube, quase que encarregue totalmente de todos os dossiers ligados ao plantel principal. Contudo na sua primeira época no cargo, o saldo não foi muito positivo em termos de resultados concretos, visto que a escolha do treinador revelou-se errada, e a equipa apenas conseguiu vencer a Taça da Liga.

Foi então que Luís Filipe Vieira chamou a si o protagonismo, esvaziando muito dos poderes de Rui Costa, assumindo ele próprio as tarefas que anteriormente eram da competência do director desportivo. Foi Vieira quem escolheu Jesus para treinador, foi Vieira que a partir daí encarregou-se das contratações e respectivas negociações dos contratos. Era claro nessa altura, que o papel de Rui Costa tinha-se alterado, que estava mais à margem de tudo o que se ia passando, e que as principais decisões deixaram de passar por ele. E a razão parecia estar do lado de Vieira pois o Benfica conseguiu reconquistar o campeonato, aquele que era o principal objectivo do clube desde o momento em que Jorge Jesus entrou na Luz.

No entanto, um ano depois dessa conquista, e estando sempre Rui Costa numa espécie de limbo, parecendo ser por vezes uma mera figura alegórica, o clube voltou aos maus resultados, e assistimos a uma temporada marcada por algumas humilhações e por uma ausência de rumo no planeamento desportivo. Foi uma época mal preparada a todos os níveis, não existiu critério no ataque às lacunas do plantel, e o clube pagou um preço alto por esse descuido que infelizmente não é caso virgem dentro do Benfica. Os poderes que foram anteriormente transferidos de Rui Costa para Jorge Jesus e Vieira, o modelo de gestão que recentemente parecia sólido, iria forçosamente ter que sofrer uma nova remodelação.

Parece que andamos ao sabor do vento, sem um estratégia bem delineada e que cai ao primeiro revés. Volta-se a falar nesta altura, que Rui Costa poderá ter um papel mais preponderante no clube, deixando de estar na sombra. Será que a fase de aprendizagem acabou, ou deverei dizer o castigo? E como será se no final desta época as coisas correrem novamente mal, o que acontecerá, voltará Vieira a tomar as rédeas, deixando de delegar menos?

Andamos nisto, ora o presidente delega mais, ora delega menos, não se percebe muito bem o que se passa dentro daquela estrutura, é a anarquia total, ou pelo menos é essa a ideia que é lançada para o exterior, e isto preocupa-me seriamente. Num momento muito complicado do clube, seria bom que os nossos dirigentes, soubessem dar sinais de confiança para os adeptos. Não é isso que tem acontecido, e os nossos rivais não esperam por nós.

12 comentários:

Águia Preocupada disse...

Rui Costa tem sido o trunfo de Vieira. O seu estatuto, varia conforme a menor ou maior popularidade de Vieira!
Quando foi preciso para lhe garantir a eleição, deu-lhe poder e protagonismo. O Ano passado fomos campeões e Vieira descartou-o! Este ano a coisa correu mal e como no próximo há eleições, Vieira começa a preparar o terreno para nova reeleição, dando novo fôlego à posição de Rui Costa. E este, vamos lá saber porquê, deixa-se usar e deitar fora como coisa inútil!
É assim a estrutura incompetente e oportunista de quem devia servir o Benfica e não servir-se dele!

Filipe disse...

Não sei se o Quique foi tão mal escolhido, chegou a andar em primeiro só que o plantel mostrou-se curto, daí as vindas (com critério) que foram feitas no final da época. Foi uma gestão feita como deve ser: analisou-se o que faltava na equipa e investiu-se. Javi, Saviola, Ramires, regresso do Fábio.

Muita da má vontade que tenho para com o Quique advém do Balboa. Apesar de tudo, com uma equipa ligeiramente mais fracas, deu-nos o mesmo título que o Jesus deu este ano. Além disso conseguiu ganhar 2 títulos no atlético (Liga Europa, supertaça europeia) algo que aquela malta há muito desconhecia.

Eu dou mais crédito à super-equipa que tívemos em 2009/2010 que ao Jesus que vejo como treinador muito fraco. O treinador que substituiu o Jesus no Braga lutou com ele pelo título até à última jornada do campeonato, e viria este ano a fazer melhor que ele na champions e na liga europa. Tenho medo que fiquemos atrás do Sporting este ano.

Far(away) disse...

Rui Costa tem estado conformado com o actual estado de coisas, tem levado bem o facto de ser atirado às feras, ou estar na sombra conforme a agende de Vieira.

Tiago disse...

Lá porque o Rui Costa escolheu o Quique não quer dizer que na altura tivesse mais poder. E quando o LFV escolheu o JJ não quer dizer que o Rui Costa tivesse menos poder. Há um trabalho de equipa! As decisões são tomadas em conjunto. É precisamente isto que o JJ disse hoje.

Já basta os merdia a quererem criar divergências no Benfica!

Anónimo disse...

nao vejo a coisa por este prisma. O porto tem o antero que apesar de nem darmos por ele tem a mesma funçao do rui e faz um trabalho excelente para o porto. o rui pode fazer o mesmo no benfica

JNF disse...

"As decisões são tomadas em conjunto."

Ai são, são! Oh se são!

Nairo disse...

Ponho a minha mao no fogo. O Rui nao compraria aquela coisa por 8.5

Alexandre disse...

Far,

Nesta matéria, não me atrevo a meter-me. Até porque é uma área da especialidade do grande JNF. Ele é que percebe destas coisas.

Mais uma vez, o meu apreço pelo texto e (do pouco que percebo) apenas tenho a dizer que concordo com a conclusão do texto, tanto no diagnóstico como na recomendação.

Um abraço,
Alexandre

Far(away) disse...

Tiago, só um cego não viu que depois da saída de Quique Rui Costa ficou sem muito dos poderes que tinha. Aliás foi o próprio presidente que o disse, a não ser que consideres intrigas também as palavras dele. O mesmo presidente que agora diz que vai delegar menos e que o Rui vai estar mais próximo da equipa de futebol.

Anónimo às 19:17, o Porto tem um presidente que percebe de futebol, só por aí tudo é diferente.

Pedro disse...

Quique teria sido campeão se o Palhaço Proença não nos tem roubado no Dragão e/ou se o Palhaço Henriques não nos tem roubado na Luz contra o Nacional.

Far(away) disse...

Pedro eu concordo que fomos prejudicados para o campeonato com Quique, mas acho uma explicação demasiado simplista para aquela má época. E a taça uefa horrível que fizemos? E o Leixões que nos eliminou, se bem que a penalties da taça de Portugal? A verdade é que a forma como Quique jogava não era adequada para o campeonato português, porque aquele sistema com duplo pivot, funciona num campeonato e numa equipa que jogue sempre em contra-ataque. O Benfica não, tem que assumir em quase todos os jogos as despesas do jogo. Quique não soube perceber a forma como se deve jogar na liga portuguesa.

Pedro disse...

Não gostei de Quique mas, apesar de tudo, tinhamos sido campeões. Não faz sentido dizermos q somos roubados e depois trocar de treinador.
É aqui q o SLB tem q ser consistente.