segunda-feira, 24 de junho de 2013

E agora Jesus?

Analisemos as coisas friamente. Jesus terminou a sua quarta época de Benfica ao peito. Conquistou um Campeonato e três taças da Liga. Números que não são suficientes num clube que deve sempre aspirar ao máximo, que são os títulos e não se contentar com vitórias morais que apenas servem muitas vezes para esconder a incompetência. Desde a chegada de Jesus, o Benfica desportivamente está melhor? Muitos dirão que sim, alegando à valorização dos activos feitos e à fama da equipa practicar um bom futebol e estar mais competitiva. Eu sinceramente, vejo as coisas por outro prisma. Na era Vieira, nenhum outro treinador, teve as condições que Jesus teve no Benfica. Nenhum outro treinador, teve o orçamento para transferências que Jesus teve e tem. Nenhum outro treinador teve o espaço de manobra que Jesus tem tido, senão vejamos a renovação de contracto quando vimos o rival do norte a celebrar o tri-campeonato.

Sim, já sei, o que alguns dirão acerca disso. O Benfica não luta com as mesmas armas. Estamos num campeonato corrupto. O "sistema" está bem activo e empurra os de sempre para o topo. Apesar de não negar que esse "sistema" exista e que ele faz tudo o que pode para prejudicar o Benfica, nunca tal coisa deve servir, como tem servido em inúmeras ocasiões para disfarçar os erros cometidos, ano após ano, no planeamento desportivo do clube. E são erros graves, que não podem passar ao lado. Erros que no final das contas, prejudicam a equipa, fazem com que o clube esteja mais longe do sucesso. Será mesmo que Jesus e quem nos dirige, aprenderam mesmo com os erros cometidos? Quantas mais vezes teremos que fazer esta questão para percebermos que é apenas um mero acto de retórica? Não vale a pena pregar aos peixes. Eles não nos percebem nem nos podem responder. O que nos resta? Ter esperança e fé em Deus?

Já passei essa fase. A realidade mostra-nos que Jesus vai partir para a quinta época ao serviço do Benfica. E se qualquer treinador está sob pressão num clube como o nosso, nunca Jesus esteve sob tanta pressão como está neste momento. Os desafios são inúmeros, os objectivos os mesmos de sempre. Será Jesus capaz de reinventar-se e levar novamente o Benfica aos títulos? Tenho as minhas sérias dúvidas. Jesus tem qualidade e defeitos como qualquer treinador, mas tem uma coisa que atrapalha muitas das suas qualidades: o seu ego. Um treinador tem que defender sempre a equipa, tem que perceber que são os jogadores os intérpretes máximos num jogo de futebol. Mas ao longo da época o que vemos? Quem está sob os holofotes de forma constante? Quem colhe para si os méritos? Dito isto, uma coisa tenho a certeza. Jesus é a pessoa mais competente dentro da estrutura de futebol do Benfica, mas isso não significa que seja o melhor treinador ao nosso alcance. Significa antes que muitas coisas terão que mudar, até chegar ao dia onde um treinador possa destacar-se apenas pelo seu trabalho. O futebol em Portugal joga-se muito para além das quatro linhas e o Benfica não tem uma estrutura que leia esse jogo, que combata os jogos de bastidores, que sabote à nascença qualquer ataque ao nosso clube.

Com tudo isto, como esperam que um simples adepto parta para o início de uma nova temporada? Que expectativas terá um comum benfiquista perante este cenário? É preciso acreditar dirão alguns, que serão muitos. Mas não me peçam para acreditar como um simpes acto de fé. Tenho que ter razões que façam pensar que estamos no rumo das vitórias. Não entro em discursos populistas e demagogos, não me vão vender canções de verão onde me dizem que agora é que é. Não como gelados com a testa. É tempo de quem de direito, acordar para a realidade e perceber de que a competência é o principal factor para qualquer clube estar no caminho certo. Jesus acaba por ser vitima de si próprio. Tem que dar sempre o corpo às balas e com isso a sua imagem vai-se desgastando cada vez mais na opinião pública. Com isso a forma como os jogadores olham para ele, vai-se alterando com o tempo. E se quando as coisas correm bem, o ruído não se faz sentir, quando elas correm mal, alguém terá que pagar o preço da factura. Será que Jesus não pagará esse preço em breve? É que no futebol, quem é o teu melhor amigo hoje, amanhã poderá ser um simples desconhecido. Jesus terá essa noção, ou não.

9 comentários:

Cole disse...

Boa noite,

Jesus tornou o Benfica uma equipa muito forte, quer a nível interno, quer a nível europeu. O final de época que vivemos foi atípico e que espero que sirva de aprendizagem ao ainda jovem plantel. Acredito plenamente que com estes jogadores e este treinador o Benfica tem tudo para melhorar na próxima época, até porque o Porto estará menos forte do que no ano passado com a saída do Moutinho, do James e do treinador. Saibamos manter o Matic e ter esperança no Lisandro para substituir o Garay (transferências que estarão na calha nas próximas semanas) e partimos fortíssimos para a próxima época. Ninguém estará com mais vontade de ganhar tudo e ultrapassar o trauma da época que terminou do que os jogadores e o treinador. Calma e confiança é o que devemos todos sentir, porque estes jogadores e este treinador já foram capazes de mostrar que são competentes e de grande nível. Agora que temos um Benfica de nível europeu não podemos desistir de apoiar por termos em 3 jogos falhado a glória. Provavelmente esse falhanço foi derivado ao jejum de domínio que desde os anos 90 temos sentido. O Porto no passado também teve muitos amargos de boca que levaram a que tenham agora uma mentalidade de luta e superação fora de normal, que lhes traz muitas vitórias. Agora que temos futebol ao nível do melhores, só falta aperfeiçoar o espírito de conquista. Deitar a perder a aprendizagem da última época para começar tudo de novo seria um desperdício enorme... Quanto à questão financeira, Jesus pode ter tido muito dinheiro para fazer plantéis, mas também conseguiu como mais ninguém fazer rios de dinheiro com as vendas dos jogadores. Se juntarmos a isso o facto do Benfica ser uma equipa organizadíssima dentro de campo e que ganhou quase todos os jogos do campeonato que jogou... É uma obra feita, que embora tenha ainda poucos títulos, poderá ser o início de uma era vitoriosa para o clube que se pode prolongar por mais tempo. Não percamos o rumo, porque parece-me que estamos no bom caminho.

Far(away) disse...

Eu sou muito frio nestas coisas. O Benfica vive de títulos e esses não têm caído com Jesus com frequência. Estamos no rumo certo? Espero que tenhas razão, para bem da minha sanidade mental.

Pedro disse...

A velha justificação dos "rios de dinheiro".

Kardec, Éder Luiz, Jara, Mora, Fernandez, Luisinho, Michel...esses não contam.

O que eu espero é o mesmo que esperei nas últimas épocas.
Um SLB muitas vezes goleador, massacrante, a dar um verdadeiro festival de futebol, a malta toda empolgada e depois, no final, puff...erros habituais de JJ e os do costume a festejar.

Rear disse...

A tabela do Record em termos de vendas/compras de jogadores dos ultimos 6 anos, de Benfica e Sporting são sintomáticos.

Temos um Ferrari, com menos 50 cavalos do que o outro que vai á nossa frente.
E quem não percebe que é o dinheiro que mexe isto tudo, percebe pouco de futebol.

Abraço

Cole disse...

Não sei se tiveram oportunidade de ver o jornal O Jogo de hoje. AVB fala um pouquinho da questão mental que diferencia o Porto do Benfica. Claro que o AVB é suspeito e não concordo totalmente com o que ele afirma. Mas eu próprio, quando vi o Benfica a ganhar na Madeira pensei o mesmo que o jogadores, que isto estava ganho. Apesar de em Portugal termos até um ditado que diz que "Deitar foguetes é só no final da festa", eu tinha a estúpida certeza que iamos ganhar o campeonato de certeza e que para a Liga Europa tinhamos as mesmas hipóteses do Chelsea, senão mais. Parecia mesmo que o campeonato era um objetivo menor e que o verdadeiro objetivo para festejar seria o triplete. Tal como eu, milhares de Benfiquistas devem ter sentido mesmo, se calhar até os próprios jogadores e técnicos. Porque o Benfica é o maior de Portugal, é um gigante que tinha despertado, blablabla e outras conversas que não servem de nada senão para inflamar esta ideia de superioridade teórica, que acaba por contribuir para criar uma atitude de m**da quer dos jogadores, quer dos adeptos, quer do treinador, etc... É por isso que acredito que a época anterior foi uma lição, porque caso voltemos a chegar a momentos de decisão bem posicionados, não vamos falhar. Não vamos já passar horas no café a discutir que a adaptação do Matic e do Enzo foram decisivas, ou o que fez a diferença foi termos ido buscar o Lima antes do Porto... Vamos estar todos focados no mesmo: ganhar. E depois festejar no momento certo, quando de facto nos tornarmos vencedores.

Far(away) disse...

Será mesmo? Ver para crer caro Cole.

carlos disse...

Para o ano temos 4!!! planteis à disposição: 1 para o campeonato, outro para a Liga Europa, outro para a Taça de Portugal, e ainda outro para o Caneco da Cerveja: http://panorama-c.blogspot.pt/2013/06/ate-bola-perdeu-paciencia.html

joão carlos disse...

cole-"É por isso que acredito que a época anterior foi uma lição, porque caso voltemos a chegar a momentos de decisão bem posicionados, não vamos falhar." isso ipsis verbis foi o que se disse no final da época 2011/12 e o que aconteceu não aprendemos com os erros e voltamos a cometer exactamente os mesmos acreditar que este ano vai ser diferente é como acreditar no pai natal.

Nuno Pinho disse...

"O futebol em Portugal joga-se muito para além das quatro linhas e o Benfica não tem uma estrutura que leia esse jogo, que combata os jogos de bastidores, que sabote à nascença qualquer ataque ao nosso clube."
Não é tudo, como dá a entender o autor, mas fico-me com esta ideia.