domingo, 16 de março de 2008

A questão do mister

Muito se tem falado do futuro treinador do Benfica. Goste-se ou não, bom ou mau, o Benfica precisa de um treinador com estatuto em Portugal. Um homem aclamado, respeitado pela imprensa e pela maioria dos adeptos. Não sou fã de Scolari, nem da sua personalidade nem das suas capacidades tácticas, mas começo a achar que é de alguém dentro do perfil dele que precisamos. Mourinho seria a escolha óbvia, mas impossível...por enquanto.

Perceba-se o que eu digo. O Benfica é, mais do que nunca, afectado por todos os factores externos possíveis de todos os quadrantes imaginários. É necessário unir e fechar o balneário, de calar a imprensa e de reunir a aprovação da maioria dos adeptos. É preciso alguém que bata com a porta, que contrarie Vieira...alguém que não permita que este esbanje dinheiro em jogadores desconhecidos sem o seu aval. Alguém que seja voz de comando dentro do clube. E às vezes, para isso, é preciso ter um pouco a mania.

Scolari e Mourinho têm a mania, são teimosos, arrogantes e têm feitios difíceis de lidar. No entanto, são bem sucedidos. O país, os jornais, os adeptos, sentem uma enorme admiração por eles. E seria de uma extrema incoerência mudarem de opinião se eles ingressassem no Benfica. Dar-lhes ia tempo para uma adaptação necessária, que já está mais que feita ao nosso país e conferir-lhes-ia espaço para montar um projecto capaz de reerguer o futebol do clube.

Mas, mais do que tudo, ainda continuamos a precisar de um presidente...

4 comentários:

Anónimo disse...

o treinador até pode ser o Chalana... basta um treinador bom e barato e em Portugal há pessoas com essa capacidade... não gastem milhoes num treinador caro... gastem-nos para reforçar muito bem a ala-direita--- porque sem ovos não há omoletes...

JNF disse...

Tive ainda há dias uma conversa semelhante sobre o caso Scolari. Poucos são os quadrantes da comunicação social que não gostam ou não admiram Scolari, e isso seria óptimo para a asua adaptação ao Benfica. Aliás, precisamos de um sargentão, ao estilo do brasileiro, gostemos ou não (eu pelo menos não o suporto, mas sei reconhecer que é fantástico). Porém, tenho algumas dúvidas sobre quanto tempo Felipão se iria aguentar na Luz dada a falta de pacênca da direcção, dos media e nossa, massa adepta.

César disse...

Eu questiono-me se realmente precisamos de um sargentão ao estilo do Scolari, já que pensei que Camacho fosse um Scolari espanhol e deu no que deu...

Isaias disse...

Um líder como Scolari seria muito bem vindo, mas julgo que o Benfica precisa de algo mais.
Precisa de repensar a sua estrutura - Precisamos que a política desportiva não esteja dependente do treinador mas seja definida pelo director desportivo.
Temos de definir um modelo de jogo que seja aplicado desde as camadas jovens. Por exemplo no torneio da Pontinha do ano passado vi um Benfica-Barcelona e fiquei impressionado com a cultura táctica e o posicionamento que os "putos" espanhois já apresentavam.
Isto vem do berço.
Carlos Queiroz podia ser muito útil ao Benfica na definição da organização de jogo desde as camadas jovens.
Com um organigrama com Rui Costa a director desportivo e Queiroz a Manager, o treinador de campo poderia muito bem ser o Álvaro Magalhães (mistica e raça não iria certamente faltar).
Assim, até poderia voltar a ser como diz o grande capitão - No Benfica qualquer treinador se arrisca a ser Campeão.