domingo, 5 de setembro de 2010

Quem parte e reparte e não fica com ...



Rúben Amorim é Benfiquista. Já o era antes de ter ingressado no plantel, assistia aos jogos quando podia na bancada do antigo Estádio.

Jogador que encarna e sente o Clube e a sua mística, revelou-se uma peça importante em fase de crescimento, e acima de tudo uma compra coerente por parte do Benfica quando se disponibilizou a pagar 1 milhão de euros ao Belenenses.

Vem hoje noticiado que vai deixar de ser representado pelo empresário Carlos Gonçalves para passar a ter na figura ímpar do mundo empresarial do futebol, Jorge Mendes, o homem que irá traçar o seu futuro.

Em Maio depois de ter vindo das férias do Dubai, a SAD queria renovar com ele, antes mesmo de ser repescado para o Mundial.
Rezam as crónicas que, seria a par do Coentrão, os dois profissionais e internacionais, mais mal pagos do Benfica.

Após o Mundial, ambos foram assediados por Clubes estrangeiros, ficaram por cá, esperemos que tenham melhorado os seus vencimentos. Merecem, e certamente a BenficaSAD assim o terá feito.

Mas esta crónica não vem «passar manteiga» na SAD, muito ao jeito daqueles que receiam meter o dedo na ferida, preferindo enterrar a cabeça na areia e esperar que passem despercebidas certas ... incongruências.

Fundo de Jogadores. Bom ou mau para o Benfica?

Pouco me interessa. Qualquer pessoa no seu bom senso sabe que a BenficaSAD vem vivendo durante o Papado de Luís Filipe Vieira, endividando-se de forma cíclica e crescente, através de vários artifícios legais financeiros de subsistência.
Dos empréstimos obrigacionistas, intercalados pela emissão de Papel Comercial e a criação deste Fundo de Jogadores, já ultrapassou esta «forma de viver» os cento e muitos milhões de Euros.

É como os meus Amigos viverem de cartões de créditos, faseando-os e pagando em juros que são uma enormidade.

Forma errada de vida, pontualmente aceite, mas que sistematizada, torna-se numa enorme bola de neve que não pára. Se parasse, hipoteticamente, criaria sérias dificuldades às finanças da Benfica SAD.

O «Fundo de Jogadores» foi mais uma forma criativa, que a Benfica SAD na pessoa do seu Administrador Financeiro, Domingos Soares Oliveira, arranjou para ir tapando o vazio ou as necessidades de tesouraria existente. Após a criação do Fundo de Jogadores o ano passado, já este ano foi lançado um novo empréstimo obrigacionista no Valor de 40M€.

Sendo assim na época anterior 2009/2010, a do famoso «all in», o Benfica pediu "emprestado" indo pagar com juros, 80 milhões de euros.


Ninguém gosta de falar nisso, porque fomos campeões (graças a Deus e a Jesus, que eu não sou ingrato!), e rapidamente o discurso do Luís Filipe Vieira, direccionou-se para a conquista do Bicampeonato.

Todos nós queremos vencer desportivamente, mas a componente financeira da vida do Clube, é uma preocupação que deve estar sempre presente.


Mas neste processo de criação do Fundo, e voltemos atrás, basta consultar os relatórios de contas para verificar que uma parcela do Rúben Amorim foi vendido ao fundo.

A singela "oferta" de 50% do passe do Internacional Português por

1.500.000,00€ ... dá para acreditar?

Metade do passe do Rúben por uma soma que nos obriga a dividir com «os amigos da SAD» uma futura venda do Atleta.

Porque razão isto aconteceu assim, honestamente não sei. Que é absurdo e estranho, qualquer um vê.

Entregue agora a Jorge Mendes, provavelmente será vendido no próximo ano.

Abraço do Papoila Calmante

7 comentários:

Paulo disse...

Gostava sinceramente de vos ver a gerir o Benfica...está tudo mal e o LFV já foi eleito "PAPA" impresionante e depois ainda dizem que o Pragal Colaço está errado...está está eu conheço o benfica há mais de 30 anos e concordo com ele quando ele diz que o nosso pior inimigo somos nós proprios...
Paulo Chagas socio do SLB

Anónimo disse...

Este texto é impressionante. Parece daqueles discursos de politiqueiros, que tentam passar um punhado cheio de suposições e teorias, como factos concretos, apenas para enganar aqueles que nesta altura não se sentem contentes com a situação actual.

O ano passado não me lembro de tantas críticas ao "Papa" e os "seus amigos da SAD".

Deve ser tudo uma questão de timing...

Pedro disse...

Comparar um emprestimo a uma empresa, no caso o Benfica, com um individuo a viver de cartões de crédito é ridiculo.

Passando isso, o Benfica tem opção de recompra, se o vai fazer ou não, não sei.

É importante que as pessoas mais influentes no futebol tenham boas relações com o Benfica.

Seria interessante apresentar argumentos sólidos. Teorias da conspiração há para os dois lados.

Mentiroso disse...

Estamos na presença de um tipo de gestão moderna “inventado” por esta direcção. Resta-nos ganhar o próximo título e na reabertura do mercado vender mais dois ou três dos nossos melhores jogadores. Quando este ciclo se quebrar, por falta de títulos ou de jogadores com mercado, afundamo-nos de vez. Nessa altura, muito provavelmente já os ratos terão abandonado o navio.

Mr. Shankly disse...

Um pergunta: que percentagem, e por quanto, foi vendida do passe de Cardozo?

JNF disse...

O passe do Cardozo? Não sei de nada, penso que é todo nosso. Ele já não tinha idade para entrar no Benfica Stars Fund.

Bimbosfera disse...

Sobre o Cardozo, creio, sem certeza, que queriam alterar a idade para poder fazer parte do fundo, mas que já não deve ter ido a tempo, logo estou quase convicto da correcção da resposta do JNF, que é todo nosso.
Sobre o post em si, bom, conheço um ou dois blogs onde o prato do dia é só e só falar mal de LFV. Respeito que o amigo Papoila Calmante seja Benfiquista, como nós, e que queira o melhor para o Benfica. No entanto há que convir que, primeiro, isto se torna por demais repetitivo, e admito que cá venho SÓ pelos posts do JNF, pois estes já passaram, para mim, que não conheço quer o autor, que LFV para servir de seu advogado de defesa, os limites que tenho como bom senso, ainda para mais associadas, todas estas teorias, a uma fase mais «negra», por assim dizer, do «consulado» de Jesus.
Segundo, que a maior parte do fundo é nossa, na ordem dos 40%, ou seja, dinheiro que entra para o fundo, 40% dele entra de volta para o Benfica.
Terceiro, estamos, apesar de eu ser de esquerda e não gostar da economia em que vivemos, capitalista, economia de mercado, essas tretas todas, tenho que admitir que são as regras pelas quais nós vivemos, e, hoje com 31 aos, formado numa área que pouco tem a ver com a economia, lembro-me de uma frase que ouvi, há já uns anos, e que diz assim «vive na medida das tuas possibilidades, nem que para isso tenhas que pedir emprestado». A frase não é minha, nem de amigos ou familiares, mas li-a ou ouvi-a algures. A pergunta aqui é, qual o problema de haver passivo no Benfica, pois parece ser o grande problema, «a dívida», se temos um activo bastante decente?
Porque não poderia Vieira estar a dizer a verdade, se na data em que deu a entrevista ao MST, em que disse que se vendesse todos os jogadores, pelas propostas à data, que ficariamos sem dívidas? Será que não se dá, já, sequer, o benefício da dúvida de alguém?
A mim custa-me ver julgamentos primários, mesmo que tenha razão, como já lhe disse antes, pois não sou Vieirista, e há lugares próprios para falar destas coisas... Bem, já vai longo o comentário.

Abraço

Márcio Guerra, aliás, Bimbosfera

Bimbosfera.blogspot.com