sábado, 30 de junho de 2012

Cento e noventa e cinco

Desde pequeno, quando pela mão do meu pai entrei pela primeira vez no Estádio da Luz para ver um Benfica x Salgueiros nos anos 90, que sempre me habituei a ver os jogos na bancada central. Não no piso de baixo porque, como diz e bem o meu pai, "não se consegue ver nada de jeito do lado de lá do campo", mas sempre, sempre no piso de cima. Ainda hoje, mais de 150 jogos depois assistidos ao vivo no novo estádio, é sempre estranho quando por uma ou outra razão acabo por ficar no piso 0 ou num dos topos. E, como eu, haverá seguramente muitas centenas de benfiquistas para as quais o piso 3 do Estádio da Luz é "onde se vê a bola".

E esses sócios que gostam de ver a bola desde lá de cima terão de desembolsar 195 euros. É puxadote. 156 euros de quotas, 195 de cativo, bilhete de metro (já vai a 1,25 euros a ida), bifana (para os que comem), enfim, está a tornar-se caro ir à Luz ver um jogo. Sim, o IVA aumentou, é verdade, mas por que motivo não poderia ser o Benfica, que até tem orçamentos cada vez mais alargados, a assumir esse aumento do IVA de 6 para 23% em vez de pedir aos sócios para, uma vez mais, apertarem o cinto? Desde que comprei lugar cativo pela primeira vez, em 2005, já houve três aumentos de preço (2007, 2010 e 2012) e uma redução de 17 para 15 jogos na Luz (em 2006, com o preço a manter-se). Não acham que estão a abusar um bocadinho? É que se bem me lembro, o clube do povo, já no ano passado, praticava preços mais elevados para o lugar anual que o clube da elite. Pensem nisso.

4 comentários:

Pedro Filipe Godinho disse...

O piso zero é fraco para ver os jogos, de acordo, a visibilidade, apesar da proximidade, é prejudicada por esse mesmo pormenor.

Os preços estão bastante caros, especialmente considerando as condições financeiras do país. Como benfiquista fora e longe de Lisboa sempre sonhei um dia poder ver durante um ano todos os jogos da época do SLB. Vivi um ano em Lisboa e afastei por completo essa ideia depois de saber os preços. Afastam o adepto comum automaticamente.

Mas quanto a isso... enquanto houver quem compre, haverá sempre quem venda pelos preços. O que se poderia fazer era, em AG, propor um tecto relativo em relação aos preços de época e de jogo. Para sócios e não sócios.

Anónimo disse...

Não posso deixar de me associar ao teor deste post. E quando temos filhos que são apaixonados pelo Benfica, lá temos de pagar mais quotas e de adquirir o respectivo red pass. E quem vive fora de Lisboa tem de pagar gasolina e, por vezes, o estacionamento…
Para além disto, e muito mais grave, porque quanto a isso pouco ou nada podemos fazer, está o facto de nos reduzirem os vencimentos, retirarem os subsídios, aumentarem os impostos, etc.
Assim não dá!
Tudo ponderado, e com muita pena minha, estou a ponderar seriamente não renovar o red pass.
MM

Anónimo disse...

Benfica quer acabar com os sócios?

www.maquinadelavax.blogspot.com

jakim bolas disse...

Benfica não é casa de alterne.

Vive dos socioeitasrar recs e da sua capacidade empresarial para gerar receitas.

Se tivesse que pagar para ter socios era bonito de se ver