quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Benfica 2008 - De A a Z

A, de Andebol - Para uma secção que esteve para acabar mais do que uma vez e que há bem pouco tempo andou pelas ruas da amargura na segunda divisão, o campeonato conquistado 18 anos depois sabe a muito.
B, de Benfica TV - Talvez o maior acontecimento de marketing. Uma operação muito bem conduzida e que acredito veementemente que tem pernas para andar. Uma boa aposta.
C, de Camacho e Chalana - Infelizmente o regresso de el-rei D. Sebastião ao Benfica não teve o sucesso esperado pelos benfiquistas. Camacho bem tentou, mas nem ele nem a equipa eram os mesmos de 2003/2004. Seguiu-se Chalana, homem humilde e esforçado, mas que não tem estaleca para ser treinador principal. E aquelas conferências de imprensa metiam dó...
D, de Donner - O maior responsável pelo sucesso no Andebol. Foi também a cara de uma política errada de Luís Filipe Vieira nas modalidades: se ganhas, sais.
E, de Évora (Nélson) - Talvez o benfiquista que nos deu mais alegrias. Depois do Campeonato Mundial conquistado em Osaka, em 2007, foi para os Jogos Olímpicos com a mesma confiança que os outros atletas lusos, mas com muito mais humildade. Foi aí que residiu a diferença.
F, de Futsal - Mais uma vez o campeonato não escapou. Brilhantes alguns jogos desta equipa durante o ano, tais como a monumental goleada ao Sporting no pavilhão da Luz ou a inesquecível vitória sobre o Belenenses de Alípio Matos, no jogo 3 dos playoff.
G, de Gomes (Nuno) - sem dúvida o maior símbolo a actuar no plantel encarnado. Depois das saídas de Rui Costa, Petit e Simão, é o capitão encarnado um dos poucos que dá a cara à luta e defende sempre a mística do Benfica. Além disso, termina o ano em excelente forma.
H, de Henriques (Pedro) - O árbitro que queria mais protagonismo, ou que simplesmente impediu o Benfica de ir de férias com uma vantagem mais alargada no topo da classificação.
I, de Inferno - Porque no estádio da Luz frente a Porto, Sporting e Nápoles voltámos a sentir o que é o verdadeiro Inferno da Luz. Já tinha saudades.
J, de José Nuno Martins- Responsável pela dinamização do jornal "O Benfica", onde semanalmente expressa as suas ideias frontalmente sem medo as consequências, deixando sempre algumas críticas construtivas que devem ser bem-vindas. Não é mais um daqueles "papagaios".
K, de Katsouranis (e Luisão...) - O principal protagonista da pior cena dentro de campo de um jogador do Benfica. Lamentável...
L, de Lucílio Baptista - Depois de em 2 jornadas consecutivas ter tirado dois pontos ao Benfica e ter ajudado o Sporting com outros dois, nunca mais arbitrou um jogo do nosso clube. E ainda bem. Para mim, o mais nojento deles todos.
M, de Manifestação - Quase nem me lembrava! A mega-manifestação por eleições antecipadas iniciada pela blogosfera foi mais fracasso que sucesso. Felizmente salvou-se um debate de ideias sem problemas.
N, de Nuremberga - O julgamento foi piedoso para com um Benfica que não o merecia. Talvez o jogo que nunca merecêssemos ganhar. Ainda hoje quando penso no segundo golo dos germânicos tenho vontade de ir bater no Luís Filipe.
O, de Olímpicos - Portugal 2-3 Benfica. Haverá mais alguma coisa a dizer. Os nossos atletas foram brilhantes. Parabéns ao Nélson, à Vanessa e ao Di Maria.
P, de Pablo Aimar - Parecia ser a grande contratação do Benfica e também do futebol português dos últimos anos. Até agora, tem sido mais Marreta que Vedeta. Mas ainda há meia época para jogar. Que demonstre o seu real valor!
Q, de Quique - O homem certo no local certo. Gosto da sua personalidade, das ideias e da frontalidade. Boa escolha.
R, de Rui Costa - O meu ídolo deixou de jogar. Foi dos dias mais tristes que vivi no estádio da Luz. Mas hoje, enquanto director desportivo, continua a fazer "assistências" magníficas, só que fora dos campos.
S, de Simão - Foi em 2008 que realmente sentimos quão importante ele era para o Benfica, não foi?
T, de TAS - O TAS vai ficar marcado para sempre na História do Futebol Português. Uma decisão errada, de má fé e que demonstra que a corrupção também é gigante além-fronteiras.
U, de UEFA - Em 2008, o Benfica saiu da Taça UEFA por duas vezes, ambas sem glória: contra um Getafe superior primeiro e num grupo bastante difícil já na segunda metade da época. Apenas valeu pelo monumental jogo contra o Nápoles, na Luz.
V, de Vanessa Fernandes - Medalhista de prata nos JO de Pequim. Quem viu e ouviu as declarações dela no final da prova apercebeu-se do seu sentimento: frustração, por não ter conseguido o ouro. Só isso, demonstra que é uma grande campeã.
W, de WWW - Porque na blogosfera, o Benfica está cada vez maior.
X, de X (empate) – Um resultado tantas vezes conseguido em 2008. Quantos foram, mesmo?
Y, de Yebda - 1ª contratação de Rui Costa, que cedo demonstrou ser o novo patrão do meio-campo.
Z, de Zero - Tantos foram os jogos em que o Benfica ficou a zeros. Não há memória.

3 comentários:

Freire disse...

3 Grandes conquistas em 2008:

Oiro de Nélson Évora
Futsal bi-campeão
Andebol campeão

Uma palavra para a Prata de Vanessa

...

Futebol bah

MTP disse...

Desde quando é que o Aimar é Marreta? Se esteve qause sempre lesionado é difícil jogar a 100%...e desde quando é que o Yebda é o patrão do meio campo, com aqueles dois tijolinhos que acertam cerca de 25% dos passes que faz (sem querer desfazer dele, que é um gajo esforçado e trabalhador).

De resto concordo com tudo.

Anónimo disse...

Política errada das Modalidades??? Antes de Vieira ganhavas o quê? Com Vieira basta olhar para os resultados. O Benfica é hoje o clube mais eclético de Portugal e que mais aposta nas modalidades!

Quanto ao TAS, não foi corrupção do tribunal mas de quem em Portugal DEVIA ter enviado documentação. O TAS não podia fazer mais do que decidir como decidiu, pois a FPF e a LPFP tudo fizeram para atrasar o processo em Portugal