sexta-feira, 24 de julho de 2009

Rui Cartaxana


Ainda hoje de manhã, eram 11:26, escrevi que um dos poucos jornalistas do Record com dois dedos de testa era Rui Cartaxana. Escrevi isto sem imaginar que poderia falecer hoje. Aliás, nem sequer sabia que estava doente.

Se há exemplo de jornalismo que deve ser seguido é o de Rui Cartaxana. Escrever o que se pensa, não o que é imposto por terceiros, sem medo das consequências. Li assiduamente as suas crónicas no Record Online ao longo dos últimos anos. Gostava da sua forma de escrever mas também não escondo que o que escrevia sobre o fcp era um dos motivos que me fazia ler as crónicas. Tantas vezes foi insultado nas caixas de comentários, e nem hoje, dia em que falece, os ataques deixam de surgir. Lamentável.

Que descanse em paz e que os seus desejos de justiça e transparência no futebol sejam cumpridos.

14 comentários:

Aurelio Estorninho disse...

o proximo devias ser tu!
morreu mais um porco benfiquista!
eles vão todos

JNF disse...

Este comentário passa simplesmente para verem de que "massa" são feitos os adeptos do clube mais asqueroso do Mundo.

sigmund disse...

Aurélio Estorninho é o típico adepto portista. Eu vivo no Porto e sei bem do que falo. Conto pelos dedos das mãos as excepções e ainda sobram dedos.

Adiante.

Morreu um dos pouquíssimos jornalistas honestos que ainda restavam em Portugal. Ficou mais pobre o jornalismo e o jornalismo desportivo em especial. Paz à sua alma.

Anónimo disse...

Estorninho, ve la cuidado nao apanhes uma chumbada de Flober..
Normalmente quem deseja a morte a outros vai primeiro..

Andy

Sérgio_alj disse...

Deviam apagar esse comentário do estorninho!!

RIP!

Anónimo disse...

Paz à alma de RC...

PS. Essa coisa que assina "aurélio" é mais um caso agudo de demência regional colectiva não tratada,apresentando ideias tipicas de quem se alimenta exclusivamente das próprias fezes.

Sérgio_alj disse...

http://geoalj.blogspot.com/2009/07/ranking-de-clubes-paises-o-que-e.html

Para perceber como é calculado o Ranking de Clubes da UEFA!!

Com um exemplo prático!

JNF disse...

Quanto ao Estorninho, mantenho aqui o comentário dele, para lembrança futura.

Se quiserem é só visitarem o blog dele e retribuírem a gentileza

iBenfiquista disse...

"O pior de certos ódios é que eles são tão vis e rasteiros, que temos de nos baixar para os combater". Marie de Flavigny D´Agoult.


Concordo totalmente com o JNF. Acho que o "comentário" do estorninho (que nome de merda!), deve ficar.

Para vergonha dos seus correligionários, que passem por aqui. Os poucos que, ainda, tenham espinha dorsal.

Para os adeptos do sporting, que ainda não tenham reparado de que "massa" é feita os seus "aliados preferidos".

Para os portugueses, incautos ou distraidos, que ainda não saibam de que "têmpera" é feita os adeptos dos corruptos.

Para vergonha de todos os jornalistas, adeptos ou não do futebol, que dão cobertura, dobrando a espinha, a toda a quadrilha do Al Capone, nos seus meios de comunicação.

"É curto o caminho entre o ódio e o medo". Gianbattista Casti.

Saudações Benfiquistas

Galaad disse...

JNF:

Foste muito generoso. Comigo não tinha passado.

Quanto ao Sr. Rui Cartaxana, paz á sua alma.

Anónimo disse...

Curioso que nunca o li a escrever sobre o estoril-gate, o calabote, o caso inácio almeida e etc...

Sublime Benfica disse...

...este Estorninho,eu conheço-o,vive perto de mim. Além de ser CORRUPTO,consta-se que é rabo...
Mas tudo bem,cada um dá o CU(rrupto) da maneira que mais gosta.

Puta que o pariu.

Mr. Shankly disse...

"Se quiserem é só visitarem o blog dele e retribuírem a gentileza"
Isso era se fossemos escumalha como ele. Um dos comentários mais rasteiros que já li. Isto de gente que ganha tudo. Imagino se estivessem frustrados como por exemplo nós estamos. Quando esse dia chegar (e chegará, não tenham dúvidas) vai ser o bom e o bonito.

Dylan disse...

"JORNALISTA SEM MEDO"

Rui Cartaxana não foi apenas um jornalista desportivo nem um mero ajuntador de letras. Foi uma figura de referência no jornalismo português e pioneiro na modernização da imprensa desportiva contribuindo para a profissionalização do sector.

A sua independência editorial era um sinal dos seus valores e princípios que sempre defendeu, mesmo que entrasse em choque com o seu clube do coração. Talvez fosse o fervilhar do seu sangue africano - indomesticável - contrastando com a atitude de colegas de outras redacções, comodamente silenciosos, avessos a polémicas e bajuladores.

Com o Rui, desapareceu o jornalismo crítico afrontador do poder, porque não dizer romântico e ousado.

http://dylans.blogs.sapo.pt/