sexta-feira, 18 de setembro de 2009

O outro plantel - Os Emprestados (II)

São, pelas minhas contas, 30 os jogadores que o Benfica tem a rodar em clubes portugueses ou estrangeiros, de primeira ou segunda divisão. Destes 30 - praticamente um plantel - a idade e qualidade variam muito. Possivelmente, poucos serão os que ainda possam vir a dar um contributo importante para o nosso clube. É a pensar neste outro plantel que escrevo hoje o segundo de uma série de cinco posts sobre "Os Emprestados".

Halliche Possivelmente não haveria um dia melhor para falar de Halliche que o dia de hoje. Ainda ontem, no embate europeu que pôs frente-a-frente Werder Bremen e Nacional da Madeira, o jovem argelino contratado em Janeiro de 2008 ao Hussein Day, marcou o golo do empate madeirense. Emprestado ao Nacional pela terceira época consecutiva, Halliche tarda em afirmar-se como pedra base do onze de Manuel Machado. É certo que tem feito alguns jogos a titular pelos madeirenses, mas precisa de ser titularíssimo para chegar ao Benfica e jogar. Sem duvidar das suas qualidades, acho difícil que tenha ou possa vir a ter lugar neste ou em próximos plantéis, dada a qualidade de Luisão, David Luiz, Sidnei, Miguel Vítor e, esperamos todos, Roderick.

Yu Dabao "O grande tesouro", alcunha deste chinês, deslumbrou nos juniores do Benfica. marcando bastantes golos, que rapidamente o colocaram nos jornais. Mediaticamente, poderia ser um bom negócio, mas a transição de júnior para sénior é sempre muito difícil. Que o diga Dabao. Emprestado primeiro ao Desportivo das Aves, depois ao Olivais e Moscavide e este ano no Mafra, o jovem chinês tarda em afirmar-se. Nesta idade é importante jogar e marcar, especialmente quando se é ponta-de-lança. Não sei, neste momento, quanto vale ou poderá valer num futuro próximo Yu Dabao. Fica a incógnita quanto a este avançado.

Ivan Santos Desde muito cedo ligado ao Boavista, Ivan Santos é, dos conhecidos "Jovens Emprestados", dos mais velhos, tendo nascido em 1988. Esteve emprestado ao Boavista na temporada passada, onde até jogou bastante, efectuando 24 partidas para o campeonato, apesar de em 17 desses jogos ter sido suplente utilizado. Este ano, e de modo a manter-se na Liga Vitalis, foi emprestado ao Carregado, onde em quatro jogos (três para o campeonato e um para a Carlsberg Cup), foi apenas utilizado num, 15 minutinhos contra o Trofense. Outro cujo talento tarda em aparecer (ou então não existe).

Miguel Rosa Este médio centro formado nas escolas do Benfica promete. Digo isto com base nos seus desempenhos ao serviço do Estoril, 4º classificado na época passada, onde, com 19 anos, fez 21 jogos, sendo que 13 como titular. Já este ano, emprestado ao Carregado, também tem dado nas vistas, sendo titular em todos os jogos, desde o Campeonato passando pelas Taças da Liga e de Portugal, onde até marcou dois golos. A crítica considera-o jogador chave nesta equipa. É um miúdo que deve ser observado com bastante atenção, pois parece ter futuro.

Ivanir Rodrgiues Comprado ao Real Sport Clube, ingressou nos juniores do Benfica, tendo ficado tapado por Mário Rui, defesa que representa as selecções mais jovens. Efectuou 11 jogos, sendo que foi titular por apenas 4 vezes. Tenho alguma dificuldade em colocar este jogador como esperança para o futuro. Talvez a sua afirmação no Mafra, onde se encontra emprestado, sirva para poder entrar no plantel principal, mas, tal como disse, acho muito improvável que tal aconteça.

Edcarlos Contratado ao São Paulo, onde era suplente de Alex Silva, irmão de Luisão, Edcarlos chegou ao Benfica na conturbada época de 2007/2008, a do 4º lugar. Não começou mal, mas cedo se percebeu que não tinha qualidade para o nosso clube. Penso que a maior parte dos benfiquistas que segue diariamente o que se passa no futebol jamais esquecerá o famoso lance nos Barreiros onde seguiu com os olhinhos o avançado Ytalo, por uns bons 60 metros, deixando-o marcar. Inconcebível. Hoje, emprestado ao Fluminense, continua a fazer estragos na própria defesa, sendo acusado pela torcida tricolor de ser um dos responsáveis pelos desaires da equipa. Vendam-no enquanto podem, srs. dirigentes.

8 comentários:

Bruno Venâncio disse...

Vejo qualidade em Halliche mas só poderá ter alguma hipótese de ficar no plantel se no fim desta época algum dos centrais for vendido. No entanto, é de relembrar que ele também joga como médio-defensivo, posição para a qual neste momento temos um défice (embora na próxima época os emprestados Bastos, Binya e Yebda regressem).

Yu Dabao prometeu muito mas como sénior tem mostrado muito pouco e não me parece que seja jogador para vingar no Benfica.

Ivan Santos mostrou qualidade no Boavista, ainda há 2 anos, quando se estreou na 1ª Liga e até marcou na última jornada ao Sporting. A época passada não deu continuidade a esse crescimento e jogou pouco na Vitalis, tendo um papel muito pouco activo num plantel fraquinho. Se este ano não vingar no Carregado, não me parece que seja aposta para continuar (faz-me lembrar o percurso de André Carvalhas...).

Miguel Rosa é o oposto. Tem vindo sempre a crescer e pode vir a ser um excelente jogador, um bom 10.

Ivanir não conheço.

Concordo com tudo o que dizes do Edcarlos. Eu desesperava com ele quase tanto como com o Luís Filipe. Mas, e tendo em conta esse lance de que falas, do qual eu muito me lamentei também, relembro que o golo marcado por Weldon no Restelo ao Benfica foi igual mas com outro interveniente: Luisão. Foi tirado a papel químico.

Éter disse...

Acho que o Halliche tem potencial.

JNF disse...

Ter potencial até tem, o problema é que não tem mais potencial que david Luiz, Sidnei ou Miguel Vítor (e até mesmo Roderick).

JNF disse...

Bruno,

o lance do Ytalo e do Weldon são totalmente diferentes: um é feito pelo centro do campo, outro é na linha lateral. Aliás, Luisão é fraco quando um avançado, ou ala, entra em diagonal (Weldon, Paíto, e ontem, Krivets, já na segunda parte me fez lembrar esses lances), mas no 1 para 1, de frente, é quase imbatível. Edcarlos é fraco em tudo.

Bruno Venâncio disse...

O lance todo não foi igual, mas a parte final foi: Ytalo correu em diagonal, Edcarlos correu ao seu lado e no fim Ytalo flectiu para o centro partindo os rins ao Edcarlos e rematou. O lance do Weldon é igual na sua conclusão. Está perto da linha, flecte para o meio, deixa Luisão prostrado e atira. Aliás, tens dúvidas que se o lance do Ytalo fosse com o Luisão seria igual? Nem ele tinha pernas para o jogador do Marítimo. Volto a referir que não está aqui nada de pessoal contra o Luisão nem quero pôr a sua qualidade em causa, apenas os lances são semelhantes na sua parte final. Ou seja, os dois foram papados da mesma maneira.

Hattori Hanzo disse...

Haliche ainda é do Benfica? Tenho a impressão que ele já pertence aos quadros do Nacional, ficando o Benfica com 30% do valor desportivo dele numa futura venda. Caso não seja também tenho as minhas dúvidas que alguma vez volte. Dabao teve várias lesões nos últimos anos e tem outro problema em Portugal: é um verdadeiro ponta-de-lança, alguém que só está em campo para finalizar a jogada e em Portugal não se aproveitam por norma esse tipo de jogadores. Se fosse por exemplo na Holanda tinha muito maiores probabilidades de progredir. Edcarlos parece ser uma excelente pessoa, não me parece é que futebol seja o seu forte. Quanto aos portugueses depois da época que Miguel Rosa fez o ano passado defendia a sua inclusão já este ano cá para aprender com os mais velhos ou pelo menos emprestado a uma equipa da 1ª divisão (pelo que sei o João Carlos Pereira até o quis levar para o Belenenses). De Ivan e Ivanir o ano passado mostraram muito pouco, mas ainda são jovens e podem evoluir muito.

JNF disse...

Bruno,

muito provavelmente Luisão teria cometido falta no início dessa jogada, e aí o lance morreria à nascença. Essa é a diferença. Em segundo lugar, o lance não é como tu referes. Ytalo não parte os rins a Edcarlos. Simplesmente aproveita o facto de este ser um idiota. Revê o lance aqui

Bruno Venâncio disse...

Realmente tens razão. Estava mesmo convencido que ele flectia para dentro. Erro meu então. Sim, foi ainda pior. Ele acompanhou-o durante todo o caminho e nem se fez ao lance. Tens toda a razão.