domingo, 29 de novembro de 2009

Continuamos [muitíssimo] melhores

Mesmo que pensem ou digam o contrário, o resultado do jogo de ontem foi muitíssimo melhor para o Benfica que para os rivais da 2ª Circular. Com o que se passou ontem em Alvalade, a Liga tem novo líder, se bem que à condição, e um candidato ao título praticamente arremedado da luta pelo campeonato. Não significa isto que o Benfica possa estar satisfeito com o resultado de ontem. Aliás, não pode nem deve. Dificilmente terá uma nova oportunidade tão boa quanto esta para ganhar ou até mesmo golear um Sporting que continua a revelar-se frágil, com poucas ideias, desmotivado, apesar de estar muito mais organizado. Foi um jogo à italiana. As expectativas superaram a qualidade de jogo, houve sangue (literalmente, que o diga Javi Garcia), suor e casos. À italiana, portanto. Ou se preferirem, à portuguesa.

O Sporting entrou mais forte nos minutos inicias do derby como vem sendo hábito há já umas épocas a esta parte. E como vem sendo apanágio, cedo de apagou esse pressing leonino. O Benfica respondeu e reagiu bem e em boa hora, tendo até a primeira boa chance de golo, por Cardozo, num lance em que lhe faltou discernimento, pois rematou cedo demais. Apesar deste lance menos feliz, o paraguaio regressou em boa forma, tendo feito um jogo bem acima daquilo que eu próprio esperava. Há claramente um “antes” e um “depois” neste paraguaio, desde que chegou em 2007 e o presente. Agora nota-se mais móvel, ágil e com um excelente entendimento e entrosamento com a equipa. Não marcou, mas jogou e fez jogar.

As oportunidades no primeiro tempo iam-se sucedendo numa baliza e noutra: Liedson fez gato-sapato de Sidnei, que esteve mais uma vez uns furos a baixo daquilo que se lhe exige, e rematou forte para boa defesa de Quim. Depois foi Polga que, após canto curto, teve a melhor oportunidade leonina da primeria parte, ao rematar por cima após falha de marcação da defesa encarnada (Maxi a marcar Polga?!). Realmente, aquela defesa à zona nos pontapés de canto não lembra ninguém.

No segundo tempo, o Benfica não entrou a “massacrar”, nem era isso pedido, ao contrário do que os comentadores e os jornalistas dizem (a crónica de Vítor Serpa hoje, n' A Bola, é ridícula, incompetente e ofensiva). Dizer que o Benfica já perdeu o fulgor, que os adeptos já não têm entusiasmo e que o Sporting está em crescendo é absurdo. Quase tão absurdo como o Director desse jornal afirmar que a mão de Polga... não foi mão! Mas já lá vamos. Dizia eu que o Benfica entrou de facto melhor, não massacrando mas controlando o jogo, mesmo no meio-campo do Sporting. Os leões reagiram e obrigaram Quim à melhor defesa deste campeonato até ao momento, defesa essa que sintetiza bem a grande exibição do internacional português, a quem, em parte, devemos e de que maneira este resultado.

No entanto, Di Maria, Cardozo, Ruben Amorim, David Luiz e Saviola, que até atirou uma bola à trave (mas o lance seria bem anulado por fora-de-jogo) tiveram as suas ocasiões, umas mais flagrantes que outras, sem esquecer a de Ramires, bem perto do final do jogo, e em posição regular, que não concretizou um golo praticamente feito.

Fiquei com a certeza que o jogo não teria golos por volta dos 65 minutos. Até final, e apesar das muitas oportunidades que o Benfica teve, o jogo foi um longo bocejo. Até deu para falar da Selecção Nacional, sobre a injustiça que é a ausência de Quim e Amorim, etc.

O jogo não foi difícil de arbitrar. Foi fácil até. Mas a incompetência de Pedro Proença fez do fácil difícil. Adrien, com uma entrada por trás às pernas de Saviola, sem qualquer intenção de jogar a bola, ficou em campo. Miguel Veloso tem uma entrada duríssima sobre Di Maria e só viu amarelo (e o árbitro parou o contra-ataque do Benfica). Por fim, o mais escandaloso de todos: Polga, com os braços bem abertos, corta um cruzamento de Ramires. Indiscutivelmente. Cartão amarelo por exibir (seria o segundo e consequente expulsão) e fica a dúvida: dentro ou fora da área? Polga entra na área e acaba por ficar fora desta quando o lance termina, mas quando corta a bola com o braço parece estar dentro, não com os pés, mas com o braço direito, aquele que corta a bola. Para mim, era penalty.

Jesus esteve muito bem: montou aquele que agora acredito ser o melhor onze e leu bem o jogo ao fazer as substituições. O vergonhoso estado do terreno foi uma dificuldade para o SLB. Aimar, que estava a ter dificuldades em construir jogo, foi substituído pelo todo-terreno Ruben Amorim, que entrou muito bem a jogar de área a área. Depois, por lesão de Sidnei, entrou Miguel Vítor, que traz mais segurança ao sector que o seu colega brasileiro. Por fim, nos instantes finais, e quando a defesa do Sporting poderia abrir-se mais e ficar desconcentrada, entrou o veloz Coentrão para a saída de Saviola, que esteve em dúvida até ao dia do jogo.

O resultado não é mau, mas a vitória, a acontecer, teria de ser para os visitantes. Fomos melhores globalmente, tivemos mais posse de bola que o Sporting e constituimos ameaça durante os 90 minutos, ao contrário do adversário. Ficamos em primeiro lugar à condição com 11 pontos de avanço dos verde-e-brancos, 6 do Porto (que podem passar a 3, hoje) e com um do Braga. Há muito campeonato por jogar e o Benfica entra agora numa fase crítica, com jogos muito importantes e onde não pode desperdiçar pontos. Olhanense e Académica são daquelas equipas com que não podemos perder. E é tradição o Benfica perder campeonatos nos jogos com estas equipas. É aqui que realmente residem os trabalhos de Jesus.

8 comentários:

Dav1d disse...

Bem antes de mais dar te os parabens por mais uma opiniao. Depois dizer te que sou benfiquista ferrenho tal como tu e a maioria dos leem este blog.

Porém e analisando a tua analise ao jogo de ontem,acho que foste benfiquista de mais e isso nao te permitiu fazer uma analise correcta das coisas. Nós nao mereciamos vencer,longe disso,fizemos um dos jogos mais pobres a par do que fizemos com o guimaraes pa taça. Defendemos bem,salvo uma ou outra excepçao,mas a atacar e a reunir jogo foi fraco,prova disso,Cardozo fez um remate digno de registo.

Quanto ao lance do Polga acho que só tu mesmo é que viste que foi dentro. Só tenho a lamentar que depois essa jogada tenho dado um livre muito perigoso para a baliza do benfica e cartao para o D.Luiz. Mas a mao foi claramente fora da área.

Cumprimentos e saudaçoes benfiquistas,e ve se começas a fazer cronicas mais imparciais e vendo as coisas como elas sao

Tiago disse...

pior que todos os lances analisados e pior que o lance do Polga que ainda estou na dúvida se foi dentro ou fora da grande área para mim foi a cotovelada do Caneira no Cardozo que foi de propósito e só podia dar em falta com expulsão e o respectivo penalty!!!


PS os avençados do Jogo conseguiram dizer que o David Luiz cometeu um penalty sobre o Liedson por ganhar vantagem e chegar a frente sem uso de mãos ou sequer carga de ombro... é hilariante!

PS2 e claro que tb n viram a cotovelada assim como a maioria... mas as imagens são claras e o plano do Cardozo a se queixar devia criar alguma curiosidade em como se tinha magoado... mas não interessa!

sigmund disse...

Uma mentira repetida muitas vezes quase se torna verdade. Os lagartos estavam com tanto medo de serem goleados, que este nulo soube a exibição de gala. Daí todos terem dito que mereciam ter ganho. Mesmo jogando fora e sem o pé no acelerador, tivemos mais posse de bola, mais ataques e a grande oportunidade do encontro (ramires de baliza aberta) foi nossa. Só não ganhámos pq o Jesus, desta vez, não demonstrou grande ambição. Preferiu um pássaro na mão que dois a voar (o que até se entende, uma vez que o árbitro dava pelo nome de Pedro Proença).

Vimos uma equipa grande, a jogar pelo chão (ou tentando, o que naquele batatal nao era fácil) e outra pequenina, que só sabia usar uma fórmula: 5 homens no meio-campo a tentar recuperar a bola e chutão imediato para a frente, para a corrida de Liedson. Essa foi a táctica de Carvalhal durante todo o jogo. Daí terem tido menos posse de bola mesmo jogando em casa: a posse de bola só é benéfica para quem sabe usá-la e Carvalhal sabia disso. O que lhe interessava era manter a bola o mais longe possível da sua área e tentar aproveitar uma bola lançada em velocidade para as costas da defesa (como conseguiu com o Marítimo na Luz).

Só quero ver qdo tiverem que assumir as despesas do jogo. Ainda vão sentir saudades de Paulo Bento.

sigmund disse...

O Dav1d, pede pra c*gar... Parcial e não sei quê... Jogámos pior que eles e tal. O que tu queres sei eu.

Pedro disse...

Cardozo fez um remate e teve uma cabeçada q quase deu golo, Amorim teve uma boa oportunidade, Di Maria outra, David Luiz tb e para acabar a oportunidade mais flagrante de Ramires ao cair do pano. E atacamos pouco como dizes.

A mão do Polga é um escandalo tal como o amarelo ao Javi Garcia. Se houve penalty por assinalar foi a cotovelada do Caneira ao Cardozo.

As quebras de forma são naturais em qqr equipa de futebol o importante é ir conseguindo pontos e mantermo-nos lá em cima até voltarmos ao rolo compressor q esta equipa realmente é!

Jotas disse...

Sporting e Benfica, proporcionaram um jogo quase sempre em toada morna, em que houve sempre uma maior preocupação em anular as acções ofensivas de cada um, do que explorar acções atacantes e de ruptura, ou seja, houve demasiado respeito. Houve alguns momentos de ligeiro domínio de ambas as equipas, mas estes nunca foram nem muito evidentes, nem muito consistentes e se há jogos em que se pode dizer que o empate é justo.

Dav1d disse...

Sigmund acho bem esse teu comentário. É pessoas como tu que tenho pena que sejam do meu clube.

Maria disse...

JNF...estava à espera de ver aqui mais uma lição do que é penalti e o que não é penalti. Estranhamente, não vejo nenhuma referência ao lance entre o David Luiz e o Liedson. Vou ler tudo outra vez...pode ser que me tenha escapado alguma coisa!