sábado, 1 de outubro de 2011

Vitória folgada, primeiro lugar à condição

Foi uma primeira parte algo morna, aquela que o Benfica realizou ante o Paços de Ferreira. Ainda assim mais do que suficiente para garantir a maioria da posse de bola e para criar várias chances de perigo, junto da baliza de Cássio. Uma primeira parte onde apareceu finalmente um Saviola em grande forma, muito oportuno nos dois golos que marcou, demonstrando que está aí para ajudar a equipa e ser uma opção válida dentro do plantel, que seja para continuar. Jesus manteve Bruno César e Gaitán nas alas, manteve Nolito no banco, Matic entrou para o lugar de Javi Garcia e Aimar substituíu Witsel. Apesar destas nuances no meio campo, a equipa esteve coesa e dominou por inteiro o Paços nos primeiro quarenta e cinco minutos. Acabou 2-0, podia ter acabado 3 ou 4. Mesmo sem imprimir um ritmo diabólico, o Benfica soube fazer o quanto baste para arrumar desde logo com o jogo e partir para uma segunda parte mais desafogada.

Mas o Paços reagiu e nos primeiros quinze minutos da segunda parte, jogaram com uma outra atitude, conseguindo reduzir a desvantagem no marcador, num penalty cometido por Luisão. Era um Benfica sem sal naquele período, sem alegria no jogo, sem imprevisibilidade no momento ofensivo. Jesus percebeu isso, trocou Bruno César por Nolito e o resultado foi imediato. A equipa tornou-se mais rápida nas transicções defesa-ataque, mais acutilante com bola. Luisão num livre superiormente marcado por Aimar, ampliou a vantagem e Nolito, quem mais poderia ser, pouco depois, molhou de novo a sopa, marcando o 8º golo da temporada, o 5º na liga portuguesa. Estava feito o 4-1 para o Benfica. Daí para diante, o que foi feito sobretudo, foi uma gestão de posse de bola, deixando os minutos passarem, segurando a margem confortável que a equipa dispunha - não houve grande história a partir do momento em que o Benfica chegou ao quarto golo. Não fosse a entrada tremida no segundo tempo e teria sido um jogo completamente tranquilo para a equipa encarnada.

Nota: Torna-se algo preocupante a forma como raramente o Benfica consegue acabar um jogo sem qualquer golo sofrido. É certo que o ataque é poderoso, mas convinha afinar certos mecanismos defensivos de forma a reduzir alguns calafrios, seja na Luz, seja fora de casa. Há ainda muito trabalho pela frernte para Jorge Jesus.

12 comentários:

El Mago disse...

Far(away): O Saviola deve ter lido o teu post sobre ele x)

Far(away) disse...

Verdade, ehehe.

Esperemos que não tenha sido fogo de vista. Que seja para continuar, o Benfica terá muito a ganhar com isso.

Anónimo disse...

Aspectos positivos da equipa do Benfica:
Saviola, o melhor jogador da equipa, parecendo que queria dar uma resposta aos críticos. Dois grandes golos e poderia ter marcado mais. O primeiro resultou de uma bela jogada de equipa. O Segundo, num canto, em que rematou de primeira, numa magnífica execução. É importante para Saviola a presença de Aimar, dado o entendimento existente entre os dois.
Aimar joga e faz jogar a equipa. Fez um grande jogo, mesmo não tento marcado nenhum golo. Correu o campo todo, parecendo um jovem.
Emerson, que tem vindo, injustamente, a ser criticado, foi o melhor do quarteto defensivo.
Artur sofreu mais um golo, desta vez de “penalty”, mas fez uma grande defesa, que foi decisiva, numa altura em que o Paços pretendia chegar ao empate.
Nolito entrou bem e marcou mais um golo.
Há uma melhoria na execução das bolas paradas, de que resultaram dois golos. Foram marcados cantos para o segundo poste, dos quais resultou o golo de Saviola, e para a entrada da grande área, de modo a permitir remates de meia distância.

Aspectos menos positivos:
Alguma desconcentração na defesa, de que resultou a falta que deu origem ao “penalty” contra o Benfica. É preciso fazer descansar alguns jogadores do sector defensivo que têm vindo a jogar consecutivamente e, ao mesmo tempo, possibilitar que outros comecem a ganhar rodagem.
Só foi dada oportunidade de jogar a um dos jogadores jovens, mesmo assim julgo que entrou tarde de mais.
Matic precisa de ter mais oportunidades para jogar, para ganhar ritmo, já que a sua exibição esteve uns furos abaixo daquilo que costuma fazer Javi Garcia.

Mais três notas, duas positiva e outra negativa.
Positiva a participação do público na parte final da partida com palmas consecutivas ao despique, uma vez uma parte dos adeptos e depois a outra parte. Bonito! Devia ser sempre assim.
Positiva também a nota para Melgarejo, jogador emprestado pelo Benfica e que foi o melhor da equipa do Paços.
Negativa a arbitragem, porque invalidou um golo limpo ao Benfica e perdoou um “penálty” contra o Paços, para além de alguns cartões amarelos escusados, num jogo em que não houve problemas.

MM

xirico disse...

Penso que o JJ perdeu uma oportunidade de colocar o David Simão.

Aquilino Pires disse...

Estamos muito frágeis na defesa, é um facto. Mas hoje só tem uma jogada de perigo. E o golo nem sequer resulta dessa jogada, antes resulta de uma invenção.

Bcool973 disse...

o bruno césar perdeu mais uma bola e deu origem ao golo, digo mais uma, porque hoje foram muitas, teve um jogo fraquinho. não percebi a entrada do witsel, visto precisar de descanso, acho que se justificava a entrada do ruben amorim para lhe dar algum ritmo. preocupante a forma como a equipa tremeu depois de um penalty desnecessário. grande o artur a mostrar como faz diferença para o roberto, intervem pouco mas bem.

John Wakefield disse...

O Benfica fez uma exibição segura, tirando aqueles primeiros 15 minutos da segunda parte. Sofreu um golo devido a uma invenção de Matic que, ao ser pressionado, aliviou mal a bola (mais valia ter deitado a mesma para fora). Depois foi a vez de Melgarejo (revelou pormenores interessantes) proporcionar uma excelente defesa a Artur Moraes. O Benfica acabou depois por assumir de novo o controlo do jogo e mereceu assim a vitória.
Saviola foi o melhor em campo mas também sublinho ainda as boas exibições de Nolito, Aimar, Bruno César e Cardozo...

NN_SLB disse...

Em questões defensivas até estivemos bem, só sofremos de penalty ( penalty igual sobre o Aimar não foi marcado , enfim...), de resto só no cabeceamento do Melgarejo ( grande jogador ) vi uma passividade defensiva, e um errito ali e aqui, tendo ficado meio adormecidos depois da entrada na segunda parte...

Far(away) disse...

Aqueles 15 minutos da segunda parte foram um completo contraste com o que se passou no resto do jogo. Algo a rever.

xirico disse...

Essa de que temos uma defesa fraquita,devemos ter visto jogos diferentes.

NN_SLB disse...

Ninguém disse que era uma defesa fraca, mas uma defesa que adormece fácilmente...

xirico disse...

Estava a responder ao Aquilino e não ao NN-SLB.