domingo, 31 de março de 2013

Meio basta, mas meia é bem melhor

Jesus advertiu, com muita razão, que meio a zero bastava para levar de vencida o Rio Ave. Pedia-se pragmatismo, muito concentração e zero facilitismos. Assim foi. O Rio Ave entrou muito bem na partida, com a lição bem estudada, tentando aproveitar o contra-ataque através das investidas de Bebé e Ukra e poderia mesmo ter chegado ao golo não se fosse a concentração dos atletas do Benfica e a sua vontade em resolver o jogo cedo.

Melgarejo, muito bem a atacar mas um autêntico buraco a defender, abriu o marcador por volta dos 10 minutos ao fuzilar autenticamente Oblak. De seguida, Matic aproveita uma falha de marcação num pontapé-de-canto e faz golo num tipo de lance que raramente tem tido sucesso nesta temporada. O Rio Ave mostrou porque se encontra tão bem posicionado na tabela ao criar vários lances de perigo, fossem eles contra-ataques velocíssimos, vários cantos com cabeceamentos que, felizmente, se revelaram infrutíferos, e ao enviar uma bola à barra da baliza de Artur. No entanto, se dúvidas ainda houvesse, Lima tratou de sentenciar a partida minutos antes do intervalo, ao fazer o 3-0 num belo lance de ataque rápido.

A segunda parte iniciou-se como terminou a primeira, com golo (golaço!) de Lima, seguida de um lance de sorte dos vila-condenses, com Hassan a colocar, inadvertidamente, a bola na baliza de Artur. Mesmo não sendo um jogo violento, Rui Costa conseguiu arranjar tempo para expulsar três jogadores e amarelar mais de meia dúzia. Foi apitando faltinhas aqui e ali, deixou outras por marcar, foi esticando a paciência dos adeptos encarnados e conseguiu que os jogadores caíssem na armadilha. Estragou o jogo, é verdade, mas tal não demoveu o Benfica de golear o Rio Ave. Lima, uma vez mais, a completar o hat-trick e Enzo Pérez, que uma vez mais encheu o campo, fizeram o resultado final.

É assim que se resolvem os jogos. Entrar com muita garra e atitude, marcar cedo e depois saber gerir a seu bel-prazer. Pragmatismo também é isto. Com 6 jogos para o fim do campeonato, e com a possibilidade de fazer mais 7 pelas outras provas em que estamos inseridos, é preciso saber descansar em campo com o resultado já feito. Foi o que o Benfica fez hoje. É também assim que se gere um grupo.

5 comentários:

Anónimo disse...

Nem sempre é fácil marcar no início do jogo, até porque as equipas que jogam à defesa beneficiam de frescura física para se oporem com todas as forças ao ataque das equipas contrárias. Concordo que a chave do jogo esteve na facilidade com que o Benfica chegou ao 1-0. E que grande golo de Melgarejo! Aliás, Melgarejo esteve no melhor e no pior. Sim, aquela falta que fez, já no final do jogo, aos 88 minutos!, que deu origem ao segundo cartão amarelo, é inadmissível. Era certo e sabido que o árbitro estava a mostrar cartões amarelos a todas as faltas cometidas por trás. Foi uma falta escusada, numa altura em que nada, mas nada mesmo, o justificava. Também a falta que deu origem aquele amarelo a Matic, já depois do minuto 80, devia ter sido evitada.
Destaque neste jogo para Lima, pois um hat-trick não é uma proeza fácil de alcançar. E magníficos golos, os que foram marcados por Lima. Diz-se que terá sido o presidente a exigir ou a insistir na sua contratação. Talvez por isso mesmo, essa contratação não foi de início muito bem vista pela generalidade dos benfiquistas. Mas os 5 milhões da sua contratação, que terão levado alguns (muitos) a torcer o nariz, foram bem empregues.
Permitam que destaque um jogar adversário: Bebé. Quando o Manchester o foi buscar a Guimarães, todos julgaram que Sir Alex Ferguson estava a ensandecer. Mas o facto é que o “rapaz” tem potencial. Bem “trabalhado”, até pode ir longe.
Neste jogo só não percebi a gestão dos jogadores feita por Jorge Jesus. Se tivesse tirado Matic a tempo e horas, ele não teria levado aquele amarelo. Porquê só fazer substituições a 15 minutos do final do jogo?! Claro que a primeira substituição não conta, porque foi forçada, já que Ola John entrou para o lugar de Salvio, devido a lesão, esperemos que sem consequências, para este. Pôr Aimar a rodar a 10 minutos do final do jogo é, na minha opinião, ridículo.
MM

JNF disse...

MM,

não foi por ter sido contratado por Vieira. Foi por ter sido contratado numa altura em que o plantel pedia, gritava até, por um lateral esquerdo, por um suplente para a lateral direita e por um trinco suplente. Só isso.

Germano Bettencourt disse...

Meia golo basta, mas meia dúzia é mais bonito.

JNF disse...

Germano,

não percebo se isso é uma crítica ao título do post, mas se é, o número 6 é também conhecido por "meia". Daí o trocadilho entre "meio" e "meia".

bareira disse...

Claro q sim JNF, e que falta tem feito esses jogadores ao plantel... bem mais do que faria Lima. haja paciencia...