segunda-feira, 25 de março de 2013

Os doze trabalhos de Hércules

Como pena pelo assassinato de sua mulher e de seus filhos, o oráculo de Delfos ordenou a Hércules, aqui representado por Jesus, não o Cristo, mas o da Reboleira, que cumprisse doze tarefas, conhecidas por "trabalhos", de modo a obter a redenção. Claro que a morte da mulher e da prole não se equipara à perda do campeonato 2011/2012 com 5 pontos de vantagem (fica ao critério de cada um o que é mais grave), mas também não é por isso que o nosso "herói" precisa de maior ou menor castigo. Os doze trabalhos são uma forma justa de o homem da Reboleira obter o perdão.

Toda a gente sabe que este Hércules é filho ilegítimo de Zeus, por sua vez uma espécie de Vieira, um Deus grego que a maioria dos benfiquistas não ousa questionar nem interrogar. Só que nesta história grega que se desenrola na Luz, não foi o oráculo mas sim o próprio Zeus que incumbiu o seu filho ilegítimo (e "ilegítimo" até porque teve uma relação [laboral, entenda-se] com Salvador) de realizar as doze tarefas. É claro que Zeus também tem a sua quota-parte de responsabilidade no meio disto tudo, afinal de contas Hércules só está presente nesta história devido a um devaneio sexual de Zeus com uma mísera mortal. Mas quanto a isso não podemos fazer nada. Se há algo que a História nos ensinou é que por entre cruzadas, desastres naturais e assassínios em massa, Deus, ou Zeus, se preferirem, safa-se sempre com paninhos quentes.

Atalhando, porque a história já vai longa, este nosso Zeus ordenou a Hércules que ganhasse o campeonato nacional. E fê-lo retirando o tapete à última da hora ao pobre (pobre? Mas o homem ganha 333 mil patacas por mês...) Hércules. Mas Hércules, vaidoso como é, disse que nem precisava do tapete, até porque quando acorda de manhã prefere sentir o chão frio por baixo da planta dos pés (apesar de todos sabermos que é assim que se apanham as mais chatas constipações). E assim, sem tapete nem rede por baixo do fio que percorre pé ante pé, Hércules vai levando a água a bom Benfica, cumprindo estes doze trabalhos decretados por Zeus.

Factualmente, com um plantel desequilibradíssimo, onde não há soluções para as laterais, onde se vendeu à última hora Javi e Witsel sem se acautelar as suas suas saídas, onde se perdeu Nolito e César no mercado de Janeiro e onde se tem assistido a uma temporada fraquíssima, por razões diferentes, de peças tão influentes como Aimar, Martins, Rodrigo, é de facto digno de assinalar que Jesus, perdão, Hércules, tem feito um trabalho assinalável. No que se jogou do campeonato até hoje, Hércules conseguiu 88,4% dos pontos possíveis, superando todos os registos das outras equipas europeias, inclusivamente os 88,1% do Barcelona, perdendo apenas para os 88,5% de pontos conquistados por Bayern e Olympiakos na Alemanha e Grécia, respectivamente.

Mas não é por nove ou dez das doze tarefas estarem concluídas que o filho ilegítimo de Zeus merece "perdão" (conhecido no século XXI por "choruda renovação"). Conhecem alguma versão da História em que Hércules tenha sido recompensado ainda antes de ter concluído os trabalhos? Eu não. Por isso é que defendo que se deve aguardar pelo fim dos trabalhos para saber se Hércules deve ou não ser perdoado. Até porque há três cenários em cima da mesa: ou vence as batalhas que tem pela frente, e aí merece a "renovação-perdão"; ou as perde por culpa própria e aí receberia um par de patins e a visita dos amigos de Felgueiras; ou as perde por culpa de terceiros (plantel curto, arbitragens, etc) e aí até defendo que se possa "renovar-perdoar".

Resta aguardar que este campeonato não termine, à semelhança de tantos outros, numa tragédia grega. Dia sim dia não se ouve que "nunca o Benfica perdeu um campeonato a 7 jornadas do fim", que "este é melhor Benfica desde Hagan" e mais uma data de verdades que, se forem pesquisadas, se calhar não são assim tão verdadeiras. Parafraseando o bom do Hércules, "o que interessa é como se acaba". Nem mais! Arregacem as mangas, cerrem os punhos e lutem até Maio. Não caminharão sozinhos. Quanto a ti, Hércules, lembra-te: "Os sonhos não morrem, somos nós que matamos os nossos próprios sonhos".

10 comentários:

Anónimo disse...

Tudo ok até ler que Nolito e Bruno César fora perdas... Perdas????? Importa-se de repetir?

Aguia sonhadora disse...

Bonito gostei imenço porque desde jovem sempre gostei dos filmes do Hercules e esta comparacao esta hilariante parabens gostei.

Anónimo disse...

Realmente... no inicio da temporada ter Bruno César e Nolito era ter extremos a mais...agora já fazem falta. Este JNF qaundo é para falar mal do JJ/LFV diz tudo e mais alguma coisa, chega a ser incoerente.

Anónimo disse...

Um mês e meio depois...eis um post neste blog...notável!
Na semana das eleições era um post a cada hora e meia!
Por muito que concorde (e concordo) com a linha de critíca estruturada que aqui se tem feito, não acho que a ritmo deva ser, muitos posts quando as coisas estão a arder, e nenhum post quando se deve tirar o chapéu, e enaltecer os méritos que nós próprios não reconhecíamos.
Assim o Eterno...é mais terminal.

aalto

Anónimo disse...

nao percebo a intolerancia com o jesus ou outro qualquer treinador. querem mudar constantemente quando o clube de alvalade está no estado em que esta por casa disso?
antes de jesus o benfica mudava sempre e via-se o resultado.
ganhando ou perdendo há que manter uma base competente, os resultados aí aparecem ou nao, (ate pq nao jogamos sozinhos).
odeio fanatismos! so de realçar que desde que jesus assumiu o banco o benfica melhorou na qualidade de futebol praticado, é so.

JNF disse...

Anónimo das 17h57,

sim, perdas. Jogadores de qualidade que deixam de estar presentes no plantel são efectivamente perdas.

Anónimo das 11h35,

uma coisa que convém fazer, antes de se dizerem disparates, é relacionar a crítica com o crítico. Havia extremos a mais no início da época? Havia. Eram Nolito e César os que estavam a mais? Ups... se calhar não foi isso que se disse. Mas eu dou um desconto.

aalto,

desejo-te a quantidade de trabalho que tenho tido. Desejo mesmo. Seria sinal que não estarias desempregado. Quem decide quando escrevo, como escrevo e o que escrevo, sou eu, apenas eu e ninguém além de mim. Estamos entendidos neste ponto, espero. E falar do que não se sabe dá nisto. Fazes ideia de qual a razão pela qual se abriram vagas para o Eterno há uns tempos? Precisamente pelo facto de eu saber que ia ficar sem tempo para escrever. Quanto ao que fazer com o blog, se calhar ficarias surpreendido se soubesses a minha posição.

Anónimo das 15h43,

Ninguém falou em mudar de treinador. Falou-se em não renovar agora. Não confundam as coisas.

Francisco Silva disse...

Excelente.

Anónimo disse...

JNF

não quero iniciar uma polémica contigo, não sou desempregado, e tenho muito respeito e solidariedade por quem cai nessa condição.
Só achei que entre 11 eternos alguém poderia escrever um post em mês e meio.
Repito: este é o primeiro blog benfiquista que abro/leio todos os dias, e aquele cuja linha mais me identifico. Nunca me viste uma linha de ataque pessoal em qualquer comentário.
O que julgo é que há uma responsabilidade para com os nossos leitores (mesmo num blog) quando se tem um trabalho sério de reflexão/informação como é o Eterno.

Bom Trabalho, e espero ler-te mais vezes, porque gosto e porque o Benfica precisa.

Boa Páscoa

Anónimo disse...

por lapso não assinei o comentário
que termina "Boa Páscoa".

aalto

Anónimo disse...

1. Devo começar por dizer que deixei de visitar regularmente este blog e deixei de fazer comentários, devido à ausência dos escritos do JNF. E até estou perfeitamente à vontade, porque, muitas vezes, não concordo com os posts por ele publicados. Mas reconheço que são geralmente bem escritos, imaginativos, originais, como é o caso deste, e seguem uma certa linha de coerência. E devo dizer que nem sempre gosto das respostas inflexíveis dadas aos comentários adversos. Mas o balanço é muito positivo. Além do mais, até gosto de vozes dissonantes.
Já vi que, para além deste post, há outro posterior que não tive ainda oportunidade de ler e que irei ler de seguida. Não sei se é um regresso “à moda antiga”, mas espero que seja.
2. Quanto ao teor deste post, parece que, finalmente, começa a ser reconhecida pelos mais cépticos a qualidade do trabalho que Jorge Jesus tem feito no Benfica. Ainda me recordo de Jimmy Hagan e devo dizer que Jorge Jesus é muito superior ao inglês. Este teve o mérito de introduzir a componente física no futebol que, em Portugal, era, na altura, muito negligenciada. Mas comparando a componente técnico-táctica, Jorge Jesus é muito superior. Agora, em termos de palmarés, Jorge Jesus ainda tem que ganhar vários títulos para se superiorizar a Jimmy Hagan.
3. Quanto à renovação do contrato, também considero que é fundamental que Jorge Jesus ganhe, pelo menos, o título nacional. Se não ganhar nada, ou se ganhar apenas a Taça de Portugal, acho muito difícil que haja condições para continuar, para o ano, como treinador do Benfica. E digo isto nesta fase do campeonato, em que o Benfica tem 4 pontos de avanço sobre o 2.º classificado. Quando faltam apenas 7 jornadas para o final do campeonato seria desastroso que o Benfica desperdiçasse esta oportunidade para ser campeão. Seria mau demais.
4. Já o mesmo não poderia dizer no início do campeonato. Com efeito, concordo plenamente que, com a perda de dois dos jogadores mais influentes da equipa antes do início do campeonato, seria difícil adivinhar que, nesta altura da época, o Benfica estivesse em 3 frentes com fortes possibilidades de ganhar todas elas. Mérito, sem dúvida, de Jorge Jesus. E concordo também que sem Nolito e Bruno César, que no ano passado foram reais opções, e com Aimar e Carlos Martins muitas vezes lesionados, não seria de esperar um desempenho tão brilhante do Benfica.
5. As próximas 5 jornadas são, na minha opinião, essenciais para o Benfica ganhar o campeonato. O Benfica não pode perder pontos nessas 5 finais. O ideal será chegar ao Dragão com os 4 pontos de vantagem para, e isso seria vermelho sobre azul, ganhar o campeonato no campo do principal adversário!
MM