terça-feira, 16 de setembro de 2008

O Cardozo


Acabado o "castigo" de Óscar Cardozo (ou período de reflexão decretado por Quique), o ponta-de-lança paraguaio voltou aos treinos. Na minha opinião, esta medida disciplinar do treinador benfiquista, além de justa foi importante: não só manda um dos melhores activos do plantel reflectir sobre a sua maneira de estar no futebol, mostrando um elevado sentido de autoridade (e não autoritarismo), mas também consegue, ao mesmo tempo, mostrar que para ele não pode haver relaxamento, não deve haver qualquer sinal de baixa de rendimento nem de empenho.

Desde que chegou ao Benfica, cedo se percebeu que Cardozo é um jogador que gosta de ter a bola no pé, que gosta de chutar à baliza e marcar golos. O problema é que não gosta de se esforçar ao máximo, mesmo durante o jogo. Por várias vezes vemos Cardozo não correr tudo o que pode, não saltar a uma bola que parece não poder chegar. Em suma, o nosso "7" faz-me lembrar um antigo "7" do nosso clube. O Nené. Têm ambos características muito diferentes, mas lutar por uma bola que parece impossível é, para eles, um desperdício. Assim como marcar golos é... um hábito.

Os benfiquistas (e os latinos, em geral) gostam de ver um jogador dar o litro em cada jagada. Gostam de ver um jogador fazer um sprint a uma bola impossível. É talvez por isso que muitos de nós (onde me incluo) gostam do Nuno Gomes, que apesar da [enorme] falta de confiança que tem dá tudo em campo pelo Benfica. Sente a mística.

Cardozo não faz isso, e é uma pena. Mas mesmo assim, creio que é muito importante fazê-lo sentir-se em casa. Afinal, ele é o nosso melhor ponta-de-lança.

3 comentários:

Francisco disse...

Concordo em absoluto.
O rui Costa hoje ja disse o que tinha a dizer. O Caso esta encerrado


Cumprimento, Benfica Sempre

Cristina disse...

Continuo sem perceber por que é que estes nossos casos vêm para a praça pública....

Aplaudo a atitude do Quique. Os jogadores têm de ser rigorosos e perceber que nada está garantido. O futebol já não se ganha com nomes nem emblemas. O Cardozo tem de se aplicar nos treinos como nos jogos, até sair a bufar. Merecemos, enquanto adeptos e pagantes, esse respeito.

Por mais tosco que um jogador seja, por pouca confiança que mostre, qualquer jogador que sinta a camisola, perceba que tem de se esforçar para conquistar um lugar e que, aos 90' a perder 3-0, acredita que podemos virar o jogo é um JOGADOR À BENFICA!

O Nuno não merece a falta de respeito de que é alvo. Não me lembro de capitão tão contestado...mas será sempre O MEU CAPITÃO!

LF disse...

Benfiquistas:
Temos a obrigação moral de apoiar o nosso clube nesta eliminatória, pelo menos, na mesma medida em que o fizeram os adeptos do adversário.
Ninguém pode faltar ao jogo do ano. Não podemos ficar de fora.
Bilhetes desde 10 euros para sócio e desde 20 para público em geral. O Benfica merece.
Divulgem esta mensagem o mais que possam.