quinta-feira, 12 de novembro de 2009

"Silêncio"

Como enorme clube que é, o Sport Lisboa e Benfica decretou que irá prestar homenagem ao falecido Robert Enke, no próximo jogo a contar para a Taça de Portugal frente ao Vitória de Guimarães, na Luz. Possivelmente essa homenagem passará por um minuto de silêncio em memória do jovem jogador alemão.

Um triste hábito português que se instalou foi o de bater palmas durante o momento de fazer silêncio. É ridículo, triste e despropositado. Porque mais que tudo, o minuto de silêncio serve para relembrar o jogador. Lembram-se do peso que houve no minuto de silêncio em memória de Fehér no Benfica - Académica de 2004? Era assim que se deveria respeitar a memória de quem parte, não com palmas.

Por isso, e associando-me a uma óptima ideia lançada pelo Éter, do Céu Encarnado, peço a todos os benfiquistas que por aqui passam, independentemente de serem sócios ou não, de enviarem o seguinte texto para este site:

"Gostaria de pedir, a quem de direito, que no próximo jogo no Estádio da Luz, contra o Vitória de Guimarães, o speaker informasse os espectadores presentes que o minuto de silêncio em memória de Robert Enke fosse mesmo para cumprir em silêncio, e não com palmas, à semelhança do que aconteceu com Miklos Fehér.

Obrigado pela atenção."

Só assim podemos chamar a atenção para que esta situação não se volte a repetir. Divulguem.

Adenda [14-11-09, 12:26]: Silêncio total e absoluto dos adeptos ingleses em memória de Robert Enke, no minuto de silêncio no estádio de Wembley. Quero ver hoje como vai ser com a Bósnia...

12 comentários:

Vitor Hugo disse...

Concordo plenamente e já fiz a minha parte...

Teufel [29] disse...

conc9ordo plenamente contigo, e ja o fiz .

Anónimo disse...

antes palmas q assobios

mariofarm disse...

Também nunca achei piada baterem palmas quando aquele momento deveria ser de total silêncio. Boa ideia sim sr!Ah, também já mandei o recado.Um bem-haja!

Pedro disse...

O silêncio trocado pelas palmas não é moda portuguesa é algo habitual nos grandes palcos mundiais.

E até faz sentido. Pq num minuto de silêncio com o qual eu concordo totalmente q devia ser silêncio absoluto há sempre uns anormais q não respeitem. Qqr minuto de silêncio no Estádio da Luz com uma qqr claque azul ou verde seria transformado num minuto de ofensas gratuitas. As palmas servem para abafar essas ofensas e mantem-se a homenagem.

Num mundo perfeito o minuto de silêncio seria o desejado. No nosso mundo as palmas são o mal menor!

Eduardo disse...

eu conheço pessoalmente o speaker..

se quiserem posso lhe transmitir esta mensagem..

1 abraço

Eduardo

Anónimo disse...

isso foi um habito que os lagartos instalaram, e como é óbvio nunca vem coisa boa daqueles lados

Anónimo disse...

Com Feher por acaso até se fez silêncio.mas foi mesmo por acaso.que lagartice ridicula essa treta das palmas.
ay-a-tola

JS disse...

A questão das palmas foi precisamente para diferenciar o momento banal que se tornou o minuto de silêncio. Faz-se (ou, pelo menos, fazia-se) um minutos de silêncio por tudo, desde o sócio 13457 que morreu, o filho da prima do pai do cunhado do fundador ou o preparador físico de há 20 anos que ninguém sabe quem é.

O pessoal começou a ver que precisava de distinguir aqueles que mais se sentiam e então bateu-se palmas nos casos mais importantes. Rapidamente, esta forma também se banalizou e agora não significa nada.

Quando o silêncio era o banal, as palmas faziam arrepiar. Agora que as palmas são banais, o silêncio deve ser mais eficaz.

Conclusão, o ideal é neste caso, para ser mais sentido, é mesmo todos fazerem um minuto de silêncio.

JNF disse...

Seria excelente, Eduardo. Obrigado.

John Wakefield disse...

qual é o mal das palmas? é uma forma de agradecimento e de reconhecimento. desde que nao sejam insultados como aconteceu uma vez num estádio com um grande jogador do Benfica.

grande ENKE!

Éter disse...

Eu continuo a dizer que só quem não presenciou o minuto de silêncio pelo Fehér no Benfica-Académica é que pode sequer pensar em palmas.