terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Like-Dislike #1

Inauguramos hoje uma nova rubrica no Eterno Benfica. Uma vez por mês convidamos um blogger ou um leitor para discutir um assunto que é motivo de discórdia ou divergência entre um blogger desta casa e alguém de fora. O assunto desta semana é a contratação de Yannick Djaló, o convidado é o Sammer. Eis os pontos de vista:

«É provavelmente uma das transferências mais sonantes do mercado interno, sobretudo pelo clube que representou e pelo que se passou com o jogador nos últimos meses. Terá sido uma contratação mais com intuito psicológico, pois é uma alfinetada ao Sporting, do que propriamente com interesse na vertente desportiva. Mas analisando o jogador, pode ser uma mais valia. É um jogador veloz, com uma enorme capacidade de explosão, e que consegue tirar proveito disso para marcar alguns golos (é jogador para fazer 10/12 golos por época). Não é um goleador, como se vê pelos números, nem tem faro de golo como Óscar Cardozo, não é muito dotado tecnicamente, mas não fica nada aquém de nomes que recentemente passaram pelo Benfica e inclusive foram cruciais (como Weldon). Temos que ver também que, pelo ambiente em que se situava, não conseguia expor ao máximo o seu futebol. Pelo mal-estar em Alvalade, pela mentalidade do clube, pelo treinador, entre outros. E em relação ao treinador, Jorge Jesus pode ser muito importante com Djaló. Jesus sabe potenciar os jogadores, consegue tirar-lhes todo o seu "sumo", fazendo que tenham grande rendimento. Isto, se for possível. E no caso do Djaló parece-me que sim. Para além disso, é português (sim, é importante) e conhece bem o campeonato. Não necessita de adaptação. Precisa sim de treinar, visto que, após estes meses, a forma física não deve ser a melhor. Ainda para mais, é uma contratação a custo 0 (com os devidos detalhes dessas transferências). A opção parece-me válida. E o próprio Yannick vai melhorar bastante com esta passagem pelo Benfica. Que tenha sorte e consiga ajudar a equipa a atingir os objectivos propostos.»

Sammer

«Sempre considerei Djaló um grande jogador... até o ver jogar à bola pela primeira vez. Desde cedo, quando o jovem avançado envergou a camisola verde-e-branca pela primeira vez, se criou um mito acerca da sua qualidade. Como é aliás hábito em Alvalade. Mal uma criança se estreia é logo a nova coqueluche do Sporting. Djaló não foi excepção e eu, inicialmente, embalei nesta cantilena. Para avançado tem um grande defeito: não consegue controlar uma bola. Quando lhe passam a redondinha, ela bate no seu pé de tijolo e afasta-se rapidamente da sua posse. Não é garantia de golos apontados nem costuma fazer parte da construção de jogadas de ataque que levam a golo. Claro que a sua contratação era algo apetecível por alguns aspectos que não são de menosprezar, como o facto de ser a custo zero e ter características físicas que permitem uma abordagem diferente em alguns jogos, mas no global, a não ser que Jesus consiga potenciar este atleta, não lhe vejo grandes perspectivas de sucesso na Luz.

E ultrapassando um pouco a esfera da contratação de Yannick, não era dele que o Benfica precisava. Não só por já ter Cardozo, Saviola, Rodrigo e Nélson Oliveira para o ataque e Gaitán, Nolito, César e Perez para as alas, mas também pelas visíveis deficiências não colmatadas em Janeiro. Maxi continua sem suplente, com a agravante da saída de Amorim não ter sido devidamente acautelada. Se Capdevila não conta para Jesus, e Emerson é a única solução... não estamos mal. Estamos péssimo. Por estes motivos parece-me que a contratação de Yannick não era prioritária.»

JNF

Digam de vossa justiça.

9 comentários:

Marta disse...

Ambas as opiniões me parecem válidas mas concordo mais com o Sammer e claro, espero que tenha razão. O Djaló não é um Ronaldo nem um Nani mas pode sacar boas jogadas pelas alas. Não é mau tê-lo como alternativa, muito menos vindo a custo zero. Vamos ver o que o Jesus e todo o balneário conseguem fazer com ele.

Sharapova

Rearviewmirror disse...

Se o Djaló, a jogar numa equipa como o Sporting, conseguiu fazer com que alguem pagasse 4.5M€ por ele, acredito plenamente que em 6 meses o Jesus faz o homem valer pelo menos o dobro.

www.averdadedaliga.blogspot.com

Germano Bettencourt disse...

Não sei que diga. Por um lado vem a custo zero (entenda-se) e com sorte pode ser potenciado, o facto de ser Português obviamente que importa, por outro lado, para a justificação que o Jesus deu, acho que tínhamos o Urreta, que a meu ver consegue ser tanto ou mais veloz que o Djaló. Depois existe um puto que é capaz de jogar numa posição muito parecida à de Djaló, Ala/Avançado, que também é tudo e não vejo ninguém falar dele, Ishmael Yartey com apenas 22 anos (feitos em Janeiro).

Por tudo isso, é complicado opinar, por um lado gostaria de o ver ter sucesso na Luz, por outro não acho que tenha sido um achado.

Abraço

CP disse...

Concordo que ficaram dois extremos da defesa ficaram por colmatar, mas trata-se de um risco que o treinador e a direcção decidiram correr. Além disso,não é fácil contratar um defesa direito que saiba de antemão que não vai ter lugar na equipa, porque Maxi é daqueles que (quase sempre) dá tudo o que tem dentro do campo e não será fácil tirar-lhe o lugar. Terá sido por isso, e porque esta época o meio-campo está mais dotado, que o Ruben Amorim decidiu criar problema a fim de o pôrem "ao fresco". E não podemos esquecer que há um sueco contratado e a rodar numa equipa estrangeira. Depois, o preenchimento do lugar de defesa esquerdo tem outros contornos. A partir do momento em que Ansaldi renovou(?) não se perspectivava outra contratação, até porque há que ir potenciando as qualidades que JJ reconhece em Luís Martins e há ainda Carole em rodagem e que nos jogos em que participou na época passada deu indicações positivas (e já deixo de parte outros jogadores que andam por aí em possível rodagem). Quem fosse contratado para uma dessas duas posições tinha que ser uma mais-valia e, pelo menos para defesa-esquerdo, tinha de entrar de caras na equipa. Só assim se justificaria o investimento. Quanto ao Djaló, note-se que tem 25 anos mas ainda estará a tempo de aprender mais qualquer coisa com JJ e fazer algo de interessante pelo SLB, até porque, dizem, era benfiquista ferrenho quando jogava nas camadas jovens da Asoociação Desportiva da Estação - uma colectividade da minha terra, Covilhã - onde a equipa de maior renome é filial da "lagartada". E note-se que, além da velocidade, tem outra qualidade importante: é humilde. E isso permitirá, creio, que se possa dedicar de alma e coração a tudo aquilo que o treinador lhe poderá (e quererá) ensinar. Craque com formação na "alvaláxia" era um tal Dani e deu no que deu. Uma verdadeira treta.

John Wakefield disse...

Estou mais inclinado para o ponto de vista do JNF. Compreendo os argumentos do Sammer mas não me convencem minimamente.
Djaló nunca provou ser um jogador de qualidade para merecer uma oportunidade no Benfica. É claro que o Jorge Jesus pode sempre potenciá-lo mas a sua margem de progressão já é mínima. Pode ser que ganhe mais alguma experiência e cresça um pouco com jogador, mas nunca deixará de ser um jogador banal.
Agora se o adaptarem a lateral direito como fizeram com outros extremos inconsequentes que tivemos (Miguel, João Pereira, Fábio Coentrão - este último lateral esquerdo), então pode ser que aí tenhamos uma surpresa agradável. Velocidade não lhe falta para fazer a ala toda... Teria que assimilar cultura defensiva e ser devidamente moldado...
Como extremo/avançado, Djaló não vem acrescentar nada e isso, já está mais que visto e atestado.

eupensopelaminhacabeçaeusoulivre disse...

o rapazito vai trazer velocidade supersónica e isso agradece-se... nos jogos com equipas muito fechadas com as linhas muito juntas mandar bolas para as costas da defesa é sempre uma solução...

xirico disse...

O Yartley é muito melhor que o Yannick.

Francisco disse...

O meu amigo André que me desculpe, mas claramente JNF...


Como disse o xirico, temos jovens nos quadros com características semelhantes, que precisam de ser aposta. Se não contam para o clube, rescinde-se.

Quanto ao Yannick... Acho que é um jogador fraco, sem capacidade mental para vingar no Benfica, e aposto que se "aparecer", será só a espaços. Para mim, vive do mito que se criou quando tinha 20 anos de que, "tem potencial". Acho que quando tiver 30 anos, alguns também dirão que "tem potencial", mas pronto, isso também é levar a conversa para outros caminhos...

Sendo pouco válido ou não... grandes nomes da história do Benfica: Nene, Toni, Humberto Coelho, entre muitos outros, não chamavam Lyonce Viktóryya à filha. Campeões neste clube fizeram-se com fibra e com bidoge, e não come estas "mariquices" modernas. Mas quero com a questão do nome dizer, que mostra alguma falta de fibra mental ao jogador, aspecto que considero fundamental para vingar no clube.

A rubrica, parece ser boa ideia, veremos como correrá!

Abraço

Anónimo disse...

Partilho mais dos pontos de vista de Sammer do que do JNF. Espero que o JJ consiga tirar partido das potencialidades que o Djaló tem e penso que ele poderá ser importante nas transições, em que seja necessário jogar em velocidade.
Com o previsível empréstimo do Enzo Peréz, a contratação do Djaló assume ainda maior importância, constituindo mais uma alternativa para as alas.
Reclama-se que seria necessário efetuar mais contratações nesta abertura de mercado de Janeiro. No passado, poucas foram as contratações efectuadas pelo Benfica em Janeiro que deram certo. Gastar dinheiro numa altura em que os Bancos não concedem crédito à economia, incluindo aos clubes, poderia ser um suicídio financeiro. Mais vale, assim, apostar numa contratação a custo zero de um jogador cujas características são amplamente conhecidas do nosso treinador.
Uma coisa esta contratação já conseguiu. Djaló entrou na simpatia dos benfiquistas, como se pôde comprovar no treino do Seixal e no último jogo na Luz e como há muito tempo não acontecia com outro jogador (estou-me agora a lembrar do Mantorras). Ele que trabalhe com afinco e mantenha a sua humildade que conseguirá triunfar no Benfica.
MM