segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Forte contra os fracos, fraco contra os fortes

É este o Benfica que temos. É assim que é. Contra os fracos, agiganta-se. Contra os fortes, encolhe-se.

Tínhamos tudo para vencer este jogo. Tudo. O facto de a equipa estar em boa forma, o facto de o adversário estar diminuído (e muito) em termos de qualidade (sem Maicon, Rolando e James Rodriguez, para não falar de Hulk, Álvaro Pereira, titulares no ano passado), o facto de o adversário ter entrado em campo com uma soberba que não é habitual. E fraquejámos como gente pequenina, uma vez mais.

Ao invés de entrar com vontade de "matar" o adversário, não, o Benfica entrou cheio de medo. Medo. Borrado de medo. A jogar em casa, com 60 mil nas bancadas, com a confiança dos resultados conseguidos desde Agosto, contra um adversário menorizado pelas condicionantes que teve para este jogo. Como? Porquê?

O medo espelhado nos nossos jogadores e, sobretudo, no nosso treinador, foi patético. A forma como a partida foi abordada diz bem da mediocridade de Jesus e do seu crónico acagaçamento frente ao Porto. Jesus entregou a iniciativa de jogo ao adversário (que também, diga-se, por clara incompetência não conseguiu explorar o ataque) e não soube emendar a mão quando se apercebeu (será que se apercebeu?) das dificuldades do Benfica em sair a jogar com bola desde a defesa até ao ataque. Vejamos casos concretos: o Benfica teve medo de pressionar o Porto no meio-campo adversário, deixando os centrais e os laterais iniciarem as jogadas de ataque com toda a facilidade do mundo. Até nos lançamentos laterais, o Benfica não pressionou o rival, que não teve dificuldade nenhuma em sair a jogar através deste tipo de lances. Por outro lado, o eixo Artur-Jardel-Garay teve inúmeras dificuldades em sair com bola, que acabava invariavelmente no guarda-redes, para ser chutada para o meio-campo adversário (isto quando não a entregava a Jackson Martínez). Jesus foi incapaz de indicar aos laterais que baixassem no terreno de modo a poderem receber jogo. Incapaz. Incompetente. E esteve, uma vez mais, completamente desastroso nas substituições: com as alterações, retirou toda a dinâmica e velocidade ao meio-campo. A substituição de Enzo até dou de barato devido ao cartão que o argentino recebeu. Já a de Aimar foi completamente despropositada. Entrou um jogador completamente de rastos, vindo de uma exibição medíocre, e que ainda por cima possui todo um historial de exibições medíocres contra o Porto. Não foi capaz de gerar jogo, não foi capaz de ter bola, não foi capaz de fazer nada. Gosto muito de Aimar, mas nestas condições é impossível tê-lo a jogar. Ainda por cima a substituição foi feita numa altura em que Gaitán já dava sinais evidentes de cansaço, condição que pioraria consideravelmente poucos minutos depois, com o camisola 20 a arrastar-se também ele pelo campo. Resumindo, Jesus destruiu o meio-campo do Benfica. Passou a ter Martins, Aimar e Nico, três jogadores sem capacidade física para dominar o Porto, perdeu Lima, o elo de ligação com o último terço do campo, e lançou Ola John demasiado tarde.

Bolas paradas defensivas. Acho que é escusado falar deste assunto, não é? Burro velho não aprende línguas. Mangala, que já tinha feito um golo na Luz, voltou a marcar. Em vez de sermos mais astutos e mais inteligentes, continuamos a deixar os nossos adversários passearem-se pela nossa área sem levarem um encosto, sem ninguém os pressionar. Não há milagres.

O público. Lamentável. As centrais cheias de gente com medo do Porto, com medo de puxar pelo Benfica, com receio de gritar e de levantar a voz. Estão lá como quem está no São Carlos. Medo. O medo passou para os adeptos do Benfica. Às vezes penso se não seria melhor ter um daqueles estádios com apenas 30 mil lugares onde só coubessem os verdadeiros "fanáticos". Assim torna-se mais fácil jogar contra o Benfica na Luz. O público não fez o seu papel.

P.S.: Esta história de o resultado do jogo no site da Liga ser de 3-2 a favor do Benfica é um lapso, um erro e apenas isso. Fazer disso uma questão merecedora de importância, usar isso como bandeira para um auto-de-fé é apenas e só o reflexo da mediocridade dos dirigentes e, sobretudo, dos jornalistas que embarcam nesta conversa. Ok, um erro. Qual é o problema? Que consequências reais é que isto tem? Zero.

10 comentários:

Germano Bettencourt disse...

O Aimar isolou o Cardozo, ou estou enganado?

hertz disse...

Ei, tem lá calma. Então tu dizes que o Porto está mais fraco porque não tem o Maicon, James e Rolando (?????) e porque o Hulk e Alvaro Pereira já saíram? Desde quando o Porto fica mais fraco porque o Rolando não joga se ele apenas fica de fora (é a última opção para central) por mera opção? Só falta falares no Iturbe também. E o Hulk e Alvaro não são para aqui chamados senão também temos de falar no Witsel e Javi. O Porto estava diminuído porque o James, mais até do que o Maicon, estava de fora. Benfica também não tinha o líder Luisão e o Rodrigo. Em 2009 ganhámos ao Porto sem o Di Maria e com o Ramires preso por arames. Não é por aí.
Agora, com o resto do texto concordo.
Quando vi aquele início da Luz com aquela coreografia, o hino a ser entoado, as tochas, pensei mesmo que iamos ter um inferno da Luz. Puro engano. Tirando uns 5min após cada um dos golos do Benfica, pouco mais se ouviu. Contra a Académica para a Taça da Liga estiveram lá cerca e 13mil adeptos e fizeram muito, mas muito mais barulho do que ontem na Luz. Mesmo quando o Benfica esteve a perder, o público estava sempre a apoiar. Assim é que tem de ser e principalmente quando o adversário é um rival directo na luta pelo título. Mais vale poucos mas bons do que o estádio cheio e em silêncio.

Essa do 3-2 no site da Liga só mesmo aqueles montes de esterco para quererem fazer daquilo um escândalo. Enfim.

Anónimo disse...

JNF,

Tens de me explicar em que medida o Lima ligou o meio-campo e o ataque?

É que a exibição do brasileiro ontem foi paupérrima! A dele e a do Cardozo... e nem sequer estou a considerar o falhanço frente ao Hélton.

Bujix disse...

Caro JNF,

gostava de acreditar que este post foi escrito a quente e logo a seguir ao jogo.
Começo pelo fim, o público esteve mal e mostrou medo?! Estarem 60 mil na luz, com a crise actual, é, a meu ver, uma enorme demonstração de confiança na equipa... Também gostava que todos cantassem e vivessem o jogo como eu vivo, mas não acho que se possa pedir isso aos adeptos. Estiveram lá, pagaram bilhete e acima de tudo apoiaram a equipa, sem assobios ao Artur, Cardozo, Melga e companhia.
Quanto a Aimar, não é primeiro que leio a fazer a mesma análise, com a qual estou em total desacordo. Aimar entrou no jogo aos 70 min, ou seja jogou 20 min. Entrou para o lugar de 2o ponta de lança, lugar que não é o dele (ouviste Quique?!), vindo de uma lesão prolongada, e mesmo assim, nesses miseros 20 min conseguiu fazer a assistência para o Cardozo e ainda aparecer na zona de finalização apenas sido travado pelo milimétrico fora-de-jogo. Se isto para si é um mau jogo, então claramente que não viu o mesmo jogo que eu vi ontem no estádio.

Na minha modesta opinião, ontem, tendo tudo para ganhar, não ganhámos por, MAIS UMA VEZ, falta de ambição (medo?) do nosso treinador. Para JJ o empate era um bom resultado, tal o medo de perder em casa com o fcp. Por isso manteve em campo um gaitan até aos 88 (!) min e por isso substitui o Lima por um não-ponta de lança.
Um abraço

Pedro disse...

JNF, no Estoril, quando marcamos o segundo golo a Sporttv pôs 1-1...crime!!

Sobre o jogo, já me pronunciei. Por respeito ao teu optimismo nada disse no teu outro post mas o q se passou ontem era tão previsível q assusta.

Anónimo disse...

daqui para a frente...sempre a descer!
sinceramente acho que estas análises estão "de pernas para o ar"...não é o facto do SLB empatar ontem que me surpreende, o que me surpreende e já o escrevi, é apesar de tudo estar a terminar a 1ª volta e esta equipe, com este treinador ainda estar na liderança...
mas também isso se explica, é que este campeonato está tão nivelado por baixo, que o sporting na jornada anterior estava um ponto acima da linha de água, e hoje...é 7º!
esta equipe é um logro, e tenho direito a dizer isto, pois disse em tempo que a planificação deste plantel era uma miséria, o treinador é...o que se sabe em 4 anos, e tive que andar a englir insultos de benfiquistas como eu, nos últimos 2 meses, porque afinal, afinal...
AFINAL o QUÊ??? estamos fora da Champions, graças ao Celtic, não ganhámos em casa aos nossos rivais directos (Porto e Braga), e ainda estamos na Taça...mas só "AINDA".
Esta época vai ser igual às outras...ponto! E só há uma coisa boa do jogo de ontem...é que se tivessemos ganho, esta semana era a renovação do contrato ao 7º treinador mais bem pago do mundo...assim vou esperar para ver, a lata que vai ser preciso, para fazer a quadratura do círculo, renovar o contrato de um perdedor/ganhador...perderá sempre nas competições, mas ganhará sempre muitos euros na "potencialização"...e isso basta, porque no final da época, Matic, Garay e outro qualquer transferido de última hora, farão o que é preciso: show must go on!
Temos o que merecemos, e pedimos recentemente em eleições.

aalto

JNF disse...

Germano,

fantástico, isolou o Cardozo. E o resto? E tudo o resto? Todas as bolas a que não meteu o pé por medo? A quantidade de vezes em que era pedido para segurar bola e não para passar de imediato? A quantidade de vezes que foi comido pelos centrais do Porto? A quantidade de vezes em que não defendeu? Não olhemos a nomes para avaliar exibições. Aimar entrou mal, como seria de esperar.

hertz,

Por opção? Acreditas mesmo que foi "por opção" que o Vítor Pereira não convoca sequer o Rolando? Um gajo que, mesmo sendo mau, é superior ao Abdoulaye e até ao Mangala? Um jogador que, coincidência das coincidências, forçou a corda para tentar sair no mercado de verão contra a vontade de sua santidade Pinto da Costa? Se calhar o problema está aqui neste último ponto.

Nós já nos habituámos a jogar sem Luisão. E Rodrigo, para o que tem feito, não tem lugar no onze encarnada, nem de perto nem de longe. E a diferença está precisamente no facto de o Porto ir jogar pela primeira vez privado de vários jogadores. Isso sim, faria toda a diferença.

Anónimo,

o Lima fartou-se de fazer "trabalho de sapa". Ganhou bolas de cabeça, pressionou os defesas, abriu espaços e permitiu muita circulação de bola no meio-campo do Porto. E deixo uma pergunta: se em vez de Cardozo tivéssemos Lima naquele lance do falhanço, o que teria acontecido?

Bujix,

A minha crítica prende-se com a passividade dos adeptos. Parecia que estavam no São Carlos a ver uma peça. Calados e amorfos. Não compreendo esta forma de viver o futebol. Alguns até gritaram menos que o Freitas Lobo no golo do Matic.

Quanto a Aimar, entrou a 20 minutos do fim mas parecia que já tinha 70 minutos em cima das pernas. E uma vez mais, para justificar as intervenções de Aimar em jogo, recorres-te a dois exemplos em vez de olhares a exibição como um todo, em vez de analisares todas as intervenções de Aimar.

hertz disse...

O que eu quis dizer é que não podes dizer que o Porto jogou diminuído porque faltava lá o Rolando. Há quanto tempo ele não joga lá? É como se já não tivesse no Porto. Para além disso o Mangala fez um grande jogo. "Nós já nos habituamos a jogar sem o Luisão" e o Porto já não se habituou a jogar sem o Rolando? É que ele não joga na equipa à praticamente ano e meio.
O Porto estava diminuído não por causa do Rolando mas sim por causa da ausência do James. Não tem lógica vires para aqui chamar o Rolando.

PS: De uma vez por todas, parece que anda aí muita gente distraída: QUEM ISOLA O CARDOZO É O GAITAN E NÃO O AIMAR

Gonçalo Teixeira disse...

http://www.youtube.com/watch?v=gW5-Ey2QHg4 - Não me parece esta uma má exibição. De qualquer das formas, concordo com quase tudo o q escreveste. Bom post.

POC disse...

Infelizmente o título deste post diz tudo o que tem vindo a ser o Benfica de Jesus.