sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Sofrer à Quique

Custou mais foi. Sob a batuta de Pablo Aimar, elemento mais esclarecido da equipa, o Benfica somou a quinta vitória consecutiva na Liga numa exibição que teve altos e baixos que levaram os adeptos na Luz a um desespero nunca antes visto na Era Jesus. Fez lembrar os tempos de futebol aos repelões e de sofrimento total com Quique Flores tal a falta de controlo sobre o jogo entre os minutos 15 e 60. No final, valeu pela vitória, pelos 3 pontos e por Aimar, Coentrão e Roberto. Se dúvidas houvesse ficou novamente provado que ainda há um longo caminho a percorrer, há mesmo "muito frango para virar".

O Benfica não entrou mal no jogo, pelo contrário, viu-se que havia determinação em chegar à vitória logo a partir do primeiro minuto. E o primeiro quarto de hora, sem ser demolidor, longe disso muito por culpa do Paços que também se mostrou, revelou bom entendimento entre os jogadores e uma mão cheia de oportunidades. Depois de algumas ameaças mais tímidas, Saviola foi o primeiro a dar o aviso ao aparecer isolado cara-a-cara com o guarda-redes Cássio e a rematar contra o corpo do brasileiro que saiu lesto da baliza para fazer a mancha quase à saída da área. No minuto seguinte o pequeno argentino enviou a bola à barra naquilo que mais me pareceu uma tentativa de passe para Aimar que um remate. E no minuto imediatamente a seguir Aimar recebe a bola de Luisão ainda no meio campo benfiquista e, perante a fraca oposição pacense, galga sessenta metros por entre "amarelos", finta três e desvia o quarto ao pé-coxinho e remata colocado para o canto inferior esquerdo da baliza. Até parece fácil, o futebol, quando existe um jogador com uma condução de bola simplesmente perfeita. Enorme golo de Pablito Aimar que confirma o excelente momento de forma que vive na Luz, provavelmente o melhor dos últimos 5 anos da sua carreira, melhor até do que em 2009/2010.

Na frente, o Benfica continuou a pressionar por alguns minutos seguindo-se novo festival de oportunidades falhadas: Saviola acerta no corpo de Maykon, Javi remata para defesa de Cássio e Coentrão atira para fora, era a melhor fase do Benfica no jogo. E a partir do minuto 22, o Benfica entrou em fim-de-semana prolongado. O jogo foi perdendo interesse e o Benfica entregou as despesas de jogo à equipa da capital do móvel que conseguiu incomodar Roberto por mais que uma vez. A chuva voltara, o Paços tinha o jogo controlado e os erros sucediam-se por parte dos nossos jogadores, com especial destaque para Peixoto (meu Deus, que mal...) e Gaitán, este último que se vê a milhas que vai dar jogador mas que toma decisões tão despropositadas e ridículas que deixam qualquer adepto com os nervos em franja. E no tribunal da Luz, nenhum deles foi poupado, ouvindo-se bastantes assobios. Nos últimos cinco minutos do primeiro tempo, Roberto foi chamado a intervir por duas vezes, ambas de real perigo, e ainda viu duas outras bolas passarem perto ou levarem perigo.

Esperava-se melhor segunda parte, pelo menos melhor do que o final da primeira, no entanto o Benfica reentrou com a mesma atitude frouxa com que tinha saído. Os erros sucediam-se, a baliza de Cássio era uma miragem e o público estava cada vez mais impaciente, o ambiente na Luz estava longe de ser o melhor. Face à inoperância que a equipa revelava, Jorge Jesus resolveu retirar César Peixoto para colocar Salvio, recuando Fábio Coentrão para defesa esquerdo. E no minuto seguinte devido a uma falta existente de Cohene sobre Coentrão, o árbitro assinalou a devida grande penalidade. Chamado à marcação, Alan Kardec não vacilou e atirou para o segundo golo, estava feito o resultado que dava maior tranquilidade ao Benfica.

Até final, o Benfica passou a ter mais bola e a criar mais perigo também porque o Paços passou a atacar mais desorganizado, deixando mais (es)paços. Salvio foi uma lufada de ar fresco no ataque encarnado, e os objectivos restantes, como referiu Jesus, foram cumpridos, com especial destaque para a folha disciplinar limpa que faz com que todos estejam disponíveis para o Dragão. Vimos ainda os nossos "meninos" Nélson Oliveira e David Simão serem efusivamente aplaudidos pelos adeptos numa demonstração de que, mesmo longe de casa, continuam (e penso que esperamos que estes dois continuem) a sentir esta como a sua casa.

Destaques positivos para Aimar, Coentrão e Roberto. O argentino porque marcou um golo fabuloso mas também devido à forma como consegue atacar, defender, dirigir, pressionar, parece ser o nº10 e o trinco simultaneamente, está num dos melhores momentos da carreira. O português porque foi novamente o abre-latas, foi médio, defesa, avançado, fez o corredor praticamente sozinho por necessidade de uma equipa amputada em dois locais (zona "20" e zona "25") sempre em alta-rotação. O espanhol porque, mesmo não fazendo um daqueles jogos em que "deu" pontos com defesas sobrenaturais, fez uma grande exibição repleta de segurança e de boas intervenções, nomeadamente todas aquelas em que conseguiu segurar a bola à primeira, algon que não via na baliza encarnada desde Robert Enke. E amanhã terá direito a post.

Vitória justa, a quinta consecutiva sem sofrer golos na Liga, mas sem brilho. No entanto os 3 pontos são mesmo o mais importante. E a uma semana da deslocação mais complicada da época, mesmo sem grandes jogos, os resultados vão aparecendo, o que é positivo.

P.S. Não foi fácil encontrar net fora de casa, daí a crónica só ter saído hoje. As minhas desculpas a quem esperou por lê-la.

7 comentários:

xenrik disse...

Um gigante, Dá gosto ter um GR seguro na baliza...

:)

Anónimo disse...

Não te passou pela cabeça que o Benfica fez pouca pressão com medo dos amarelos? Isso condiciona a postura da equipa, ou não? 5 Vitórias Consecutivas! 5 Jogos sem sofrer golos! 5 jogadores a postos para o Dragão (Coentrão, Maxi, Javi, Luisão e Martins)...

JNF disse...

Não foi só pouca pressão, houve muitos erros, então defensivos foram em catadupa.

Roberto esteve muitíssimo bem, é daqueles jogos em que mesmo não dando directamente pontos com uma defesa do outro mundo, fez umas 3 ou 4 de grau elevado e que deram segurança. Não dando directamente pontos, esteve muito bem.

O GLORIOSO disse...

Sinceramente não acho que foi uma vitoria á Quique. Controlamos o jogo e o Paços tirando remates de longe e uma ou outra jogada do Pizzi não criou muito perigo apesar de me paracer uma boa equipa, bem trabalhada á imagem do "nosso" Rui Vitoria (tenho muita curiosidade na sua carreira que vai ser boa depois do que aqui aprendeu).
Só a obra de arte do Pablito valeu a noite.
A equipa está a crescer isso é nitido. Tem já a consistencia defensiva e aborda os jogos de forma diferente do ano passado. Como o nosso Jesus disse o rolo compressor acabou, agora joga de forma diferente mas com mais controlo de jogo, consistencia defensiva não sendo tão espectacular mas mais pratica. É normal pelos jogadores que temos mas comparar com o Quique? A aflição evidente em qualquer jogo na Luz onde todas as equipas jogavam bem (pois tinham espaço no meio que não acabava) e as vitorias eram a ferros por 1 golito (só ganhamos por 2 ao clube patetitco do WC), onde qualquer Aves nos fazia a vida negra, de facto tem muito a ver com a equipa actual Campeã do JJ.

P.S- Em 27 de Agosto fez um post cheio de "elogios" ao Roberto. Para quando um pedido de desculpas? Eu já o fiz pelo que cheguei a escrever. Roberto é actualmente o melhor GR do futebol Português e é de facto GR para uma decada no Glorioso. Mais uma grande vitoria do Jesus, uma chapada de luva branca em todos.

Anónimo disse...

vencemos bem!
mais um jogo, a ida ao dragão temos que vencer sem hipoteses!

ps. Acho que devemos de apostar também nos nossos jogadores portugueses, afinal somo um clube português, basta de importações de africanos e brasileiros (que por vezes são autênticos flops) temos portugueses de qualidade também, senão qualquer dia nem parece que estamos em Portugal e na Europa.

saude amigos
Glorioso Benfica Honra nn

JNF disse...

Vocês cantam vitória tão cedo, mesmo a 7 pontos do líder. Vitória é em Maio que se canta.

Quanto ao Roberto terá um post esta 2ª feira.

Bimbosfera disse...

Sei que não foi para mim, mas quem é que cantou vitória com o que quer que fosse? Só se foi pelo Roberto... Mas ok!
Sobre o campeonato, «ainda há muita frango para virar», isso é certo. Se me garantirem 21 jogos com vitória por um a zero, à Quique, à Trappatoni, aposto que somos campeões! E assino já por baixo assim!

Abraço

Márcio Guerra, aliás, Bimbosfera

Bimbosfera.blogspot.com

P.s.- Quem me lê aqui há mais tempo sabe que sempre fui dos que defendeu Roberto, sobretudo quando outras situações se impuseram, como negociatas e afins, no entanto, apesar de não sofrer golos, agora com mais à vontade, posso dizer que ainda não convenceu totalmente. Ainda faltam testes a sério, e isso ver-se-á por esta semana, creio eu... Luz e Dragão, Lyon e Porto. Poderá ser um tira-teimas agora... Se escapar mais ou menos ileso, para o ano poderemos ter guarda-redes, e assumir que só para o ano é que se afirmará. Para mim é o meu guarda-redes, mas ainda não é a segurança que já apregoam e basta ele falhar uma vez para voltarem os fantasmas todos, creio! Abraço.