sábado, 3 de dezembro de 2011

Mais um record quebrado

Pelo oitavo ano consecutivo, o Benfica não vai vencer a Taça de Portugal, algo que entra para a galeria de records negativos do clube. Desde 2004, com José Antonio Camacho ao leme, que o Benfica não conquista a competição que junta todos os clubes portugueses, perfazendo assim um total de oito épocas sem vencer no Jamor, superando os registos conseguidos entre 1972 e 1980 e entre 1996 e 2004.

Sendo uma prova importante, mais que a Taça da Liga, por exemplo, visto que não é ganha há alguns anos e conhecendo a simpatia que o nosso treinador tem para com esta competição, é inexplicável a falta de atitude evidenciada por alguns jogadores e como a equipa técnica deixou esta situação arrastar-se com o decorrer do jogo.

Até ao momento, a época realizada tem sido extremamente positiva, apesar deste percalço. E a eliminação da Taça, por muito triste que seja, pelas expectativas criadas e até mesmo pela menor qualidade das equipas presentes nesta fase desta época quando em comparação com o que sucedia noutros anos, é isto mesmo: um percalço. Jesus rodou a equipa e rodou bem, apostando em jogadores que são inequivocamente melhores que os do Marítimo. Perdeu porque não teve a sorte do jogo e porque houve desleixo por parte de alguns jogadores e manifesta incapacidade de outros. Esta derrota não pode nem deve abalar uma equipa que se tem mostrado sólida, coesa, equilibrada e adulta. Serenamente, há que analisar os erros internamente e dar a melhor resposta já esta quarta frente ao Galati.

10 comentários:

Anónimo disse...

Caro JNF,
Ainda em relação à observação que fez ao meu texto anterior, devo dizer que, quando consultei o blog, o “post” sobre a Taça ainda não tinha sido publicado.
E devo dizer que o “post” sobre a Taça era, para mim e julgo que para todos os eleitores, mais importante do que o texto sobre o Emerson e sobre a exibição deste com o Manchester. Mas, como é óbvio, o critério das publicações é vosso.

Ainda relativamente ao jogo da Taça de Portugal, que não tive a oportunidade ver, mas que acompanhei pela rádio enquanto ia de carro, tendo também ouvido e lido alguns comentários, acho que faltou ambição à equipa do Benfica.
Acho que não podemos considerar um pequeno revés. É a segunda prova a nível nacional. A final da Taça é, porventura, a maior festa do futebol nacional. Julgo que, nos últimos 16 anos - que é praticamente a idade do meu filho mais velho - o Benfica só ganhou duas vezes a Taça. É pouco, muito pouco, para um clube como o Benfica.
Por isso, não posso deixar de mostrar a minha frustração por este afastamento da Taça. É certo que, num jogo a eliminar, a sorte também é um factor preponderante. Mas, pelas informações que recolhi, não foi só sorte que levou ao afastamento do Benfica.
Devo dizer que as coisas começaram mal com aquela descarada simulação do Nolito. Não gostei de ver (e já vi várias vezes a repetição). Depois, aquele primeiro golo do Marítimo, que podem considerar que foi fruto do acaso, tem poucas probabilidades de acontecer a favor do Benfica, porque no Benfica raramente se remata de fora da área! Não percebo porquê. Por outro lado, já tenho elogiado o Jorge Jesus, mas ontem acho que reagiu tarde de mais à inércia que a equipa vinha mostrando, como no relato isso era evidente. E, pelos vistos, sem Aimar a equipa não funciona. Isso é inadmissível!

Caro JNF,
Na passada quinta-feira, estive nas bilheteiras do Estádio da Luz. Ia com intenções de comprar bilhetes para mim e para, pelo menos, um dos meus filhos. Não tinha exercido o direito de opção do meu lugar porque gostaria de ver o jogo do outro lado, mais perto do banco do Benfica. À última da hora, desisti de comprar os bilhetes. É verdade! Num país que está com uma grave crise económica, quando nos estão a ir ao bolso, gastar € 20 por bilhete, sem contar com o custo das deslocações, dá que pensar. E deveria dar que pensar aos responsáveis pelo Benfica. Se querem público a apoiar a equipa devem exigir tudo da equipa técnica e dos atletas.

Cumprimentos.
MM

John Wakefield disse...

1- Registo preocupante e injustificável

De facto, é um registo preocupante e inadmissível. É claro que também existiram alguns sorteios sinistros, mas isso não justifica o que se tem passado nesta competição. Ontem deveríamos ter ganho e não o fizemos por demérito da equipa (que preferiu adormecer à sombra da bananeira quando se colocaram em vantagem) e, acima de tudo, pela teimosia do treinador que ousou abdicar no onze inicial de jogadores de relevo como Maxi, Javi, Aimar e Bruno César.
O Marítimo foi encarado como se fosse uma equipa qualquer e pagamos justamente por isso...
Os insulares, neste momento, são a 5º melhor equipa a praticar futebol em Portugal e a sua participação a nível de campeonato/taça tem atestado isso.

2- Falta de Planeamento desportivo por parte do treinador:

Se o sr JJ queria poupar jogadores que o fizesse numa competição aonde não temos hipóteses realistas - por exemplo na Champions.
As alterações que decidiu efectuar ontem não fariam mais sentido no jogo com o Otelul, onde existiria menos a perder?

3- Concluindo o meu comentário, JJ, embora não sendo o único, é o principal responsável pela eliminação. Sobra-lhe o campeonato e a tacita da Liga, e, como já o disse noutros posts, só o primeiro salva a época...

JNF disse...

MM (1) e John Wakefield (2):

1 - De qualquer das formas, a ideia era a seguinte: publicando dois posts, deixar o mais importante (que é o da Taça) mais visível. Quando alguém abre o blog, vê primeiro o post da Taça e só depois o do Emerson. Foi essa a ideia. Quanto ao preço dos bilhetes, é de facto excessivo. Percebo que o Benfica precise de receitas de bilheteira, mas estará a privar muita gente de ir aos jogos. Diminuindo o preço dos bilhetes, provavelmente teria mais gente e conseguiria uma receita semelhante.

2 - Sobre a questão de poupar jogadores, penso que o jogo com o Otelul deve ser encarado da forma mais séria possível. Os romenos são fracos, provavelmente nem estão ao nível do Marítimo, mas JJ quer, e bem, a meu ver, segurar o primeiro lugar, evitando assim a maioria dos tubarões (Barça, Real, Arsenal, Inter, Bayern). Acho que Jesus fez bem em rodar a equipa porque, como disse, os jogadores que apresentou são muito melhores que os do Marítimo.

Anónimo disse...

O principal problema do Benfica, mais do que a ala esquerda, pareçe-me ser o nº10. Não temos ninguem que substitua o pablito, tal como não me pareçe que o Jesus tenha encontrado um tatica onde o pablo não apareça.

Nuno Pinho disse...

Muita descompressão de alguns jogadores. Os jogadores tiveram um rendimento disforme num jogo atípico. O posicionamento do Eduardo nos dois golos é discutível, o Amorim e o Emerson voltaram a encontrar muitas dificuldades em fechar as laterais, o Jardel e o Garay estiveram muito bem na 1ª parte, mas relaxaram imenso no segundo tempo, o Matic não soube acompanhar o ritmo de jogo do Witsel (alguém falou em Emre?), Nico e Nolito entraram bem, mas na 2ª parte perderam gás, o Aimar fez um excelente passe para o Nolito e desperdiçou dois golos, um deles difícil de compreender, e o Rodrigo esteve muito mexido, mas desperdiçou duas boas oportunidades e por isso nem ele se escapou.
Custa sempre ser eliminado, mas não acredito que seja esta derrota a alterar o rumo da (boa) época. Mérito para o Marítimo que foi um justo vencedor.

FireHead disse...

Não concordo. Jesus não tinha nada que inventar neste jogo. Não estudou bem o adversário, foi o que foi. Não é por acaso que o Marítimo está em quarto lugar no campeonato. Se Jesus quisesse rodar a equipa, que o fizesse na quarta-feira, já que os «oitavos» da Champions estão garantidos. Agora rodar a equipa num jogo que decide a continuidade numa competição, não se percebe. E a melhor maneira de rodar o plantel não é mudar de uma assentada uns quantos jogadores de cada vez, mas sim um, dois ou três jogadores.

O Marítimo foi um justo vencedor e nós vamos passar mais um ano sem vencer a Taça. E já estou a ver que com Jesus no comando não havemos de ganhar uma Taça.
E agora já sem a Taça, é menos uma desculpa para o Benfica não ser campeão esta época. Ganhar o campeonato e a Taça da Liga (que pelo menos dá mais dinheiro que os jogos todos realizados em casa durante uma época, para além de já termos uma clara hegemonia nessa competição que urge ser mantida) tornaram-se os objectivos mínimos, já que vencer a Liga dos Campeões é uma miragem (não é por acaso que eu preferia que o Benfica tivesse sido relegado para a Liga Europa).

Anónimo disse...

São elucidativos os comentários dos prezados colegas BENFIQUISTAS. No entanto gostava de dar só uma achega.

1º O "catedrático" deve definitivamente deixar-se de atuardas, pois só desprestigiam o Glorioso. Como é possivel ter o desplante de afirmar que não há equipa que jogue o "jogo pelo jogo", com o Benfica. Não só não tem respeito pelos outros e engole daquelas como a do Marítimo, como não tem absoluta noção da figura que a equipa faz em determinados momentos.

2º É inadmissível que se jogue da forma molengona da primeira parte (embora dominando), sem mínimo de ambição e se entre daquela forma no segundo tempo. Não houve a mínima reação a partir do banco, quando o maior leigo se ia apercebendo da letargia que se ia apoderando da maior parte dos jogadores.

Só houve espevitação quando já perdiamos e com a entrada de Aimar.

3º É confrangedor verificar a forma como esta equipa ataca. Sistematicamente pelo meio (funil), com futebol esteriotipado, sem a envolvência de momentos a que já assisti.

4º É gritante a falta de um lateral esquerdo de superior qualidade, assim como flanqueadores capaz de ir à linha de fundo. Não abram os olhos, porque com esta sonolência acabamos mais cedo do que na época passada em que estivemos em todas até ao ultimo momento e tinhamos poucas opções.
Não quero ter razão,mas...homem prevenido vale por dois.

SLB4EVER disse...

Faltou muita atitude ao treinador e jogadores neste jogo. Pior do que isso é a falta de coerencia e de justiça nas opções do JJ.
Se queria rodar a equipa pq é que não colocou o M.Vitor na direita e jogava o Amorim a médio mais recuado, na sua posição?
Não há Aimar existe o D.Simão, mais falta fez um 10 que paute o jogo do que um 10 que é segundo avançado. Continuo sem percerber pq o JJ se recusa em usar o Simão um jogador que seria titular de caras em grande parte das equipas do nosso campeonato.
Rodrigo já anda a ficar convencido, era preferível ter jogado de início o Oliveira, o Saviola uma nódoa, sem velocidade nem vontade o Mora nem sequer estava no banco pq?
O gaitán depois de andar a dizer que n~muda faz um jogo destes? Devia era levar uns calduços no lombo a ver se cresce, vedetas da treta deviam era ganhar o ordenado mínimo para terem noção das coisas.
Está mais do que visto que JJ continua péssimo a gerir um plantel e que com ele certos jogadores por mais vontade e boas indicações nunca vão ter oportunidades reais. Estou para ver o que se vai passar no mercado de transferencias para ver as brilhantes decisões. Ao que parece o que faz falta é contentores de putos oriundos de todo o mundo, apostar nos na nossa formação tá quieto, até parece que estamos na américa do sul.

Agora contra o Otelul e novamente contra o Maritímo não existem desculpas possíveis para não se ganhar esses dois jogos, espero que se tenha aprendido qq coisa.

Anónimo disse...

Para afastar eventuais cenários de crise, será importantissimo vencer o otelul de forma clara e posteriormente aplicar uma chapa 3 na madeira, bem esclarecedora. Caso contrário o benfica estará em "crise".
E o maritimo, sejamos sinceros, não joga um caralho, um benfica SÉRIO, não teria nenhuma dificuldade.

Bcool973 disse...

Perdeu porque a equipa não teve a sorte que tinha tido contra o beira-mar e outros jogos do género. A questão principal passa pela baixa de intensidade após a marcação de um golo, com essa teoria da gestão do esforço e esta teoria é do JJ, pelo que ele é o responsável pela debacle registada. Podem falar dos frangos do Eduardo, ou da má pontaria do Aimar, ou da falta de sorte que para mim foi inépcia, mas acima de tudo perdemos porque a equipa baixou a intensidade e o marítimo é melhor que beira-mares e olhanenses (foi uma repetição de barcelos)