quinta-feira, 8 de abril de 2010

Erros teus, má fortuna, estádio ardente

Anfield Road vestiu-se de gala para receber o Benfica. Os vermelhos de Merseyside compreenderam as palavras do seu treinador e souberam criar o ambiente e o inferno necessários para levar a sua equipa a vitória. E assim foi, mas poderia ter sido tão diferente.

Aos três minutos, quando Carlos Martins se isola na cara de Reina, o árbitro anula a jogada para marcar falta a favor do... Benfica. Fiquei incrédulo com a decisão, mas já esperava. Afinal de contas, o árbitro veio do país que está em luta directa com Portugal pelos lugares uefeiros, um país que tem mantido uma rivalidade acesa com Portugal mesmo a nível da FIFA, com aqueles oitavos-de-final do Mundial 2006 a ficarem na memória, o jogador expulso polemicamente na primeira mão era holandês, enfim, motivos que me deixaram incomodado, mas que se verificaram suficientes para apoquentar qualquer benfiquista.

O Benfica até entrou melhor no jogo, os primeiros dez minutos foram claramente nossos. Raras vezes o Liverpool chegou ao meio-campo adversário com bola controlada e hipóteses de perigo nem ve-las. Depois, tudo mudou. Os papéis inverteram-se o Liverpool dominou, foram empurrados pelos seus adeptos e os golos sucederam-se. O Benfica acaba por sair de uma Liga Europa muito mais competitiva que as anteriores edições da Taça UEFA, com um resultado "à Porto". Mas a exibição não teve qualquer ponta de semelhança.

Porquê "erros teus"? Porque Jorge Jesus, que tem grande mérito a nível de toda a excelente temporada que o Benfica está a fazer, tem quota parte de responsabilidade na derrota. Não pelo onze escolhido, aí até concordei com as escolhas de Jesus, nomeadamente Amorim à direita e David Luiz à esquerda (que eu tantas vezes critiquei, é certo, mas era a única opção plausível para parar Kuyt, que fez gato-sapato de Coentrão na Luz), mas mais pela forma como sofremos o primeiro e o terceiro golos: no primeira é a velha questão defesa à zona vs defesa homem a homem nos lances de bola parada. Não há qualquer falta sobre Luisão ou Júlio César, o guarda-redes não saiu nem podia, pois Kyrgiakos poderia ter cabeceado ao primeiro poste. No terceiro golo é inconcebível que o Benfica defenda apenas com Ramires frente a uma equipa como o Liverpool. As transições ataque-defesa são fracas, a equipa não consegue reagir quando lhe aparecem em velocidade três ou quatro adversários. Claro que isto no nosso campeonato português nunca aconteceria porque também não há qualidade.

Por isso se percebem as palavras de Jesus, que além de salientar o cansaço físico de alguns jogadores, fruto, em parte, de um conjunto de tradições religiosas que só se vêem neste jardim à beira-mar plantado, que até é um estado laico, e que obrigaram o Benfica a jogar com a Naval numa segunda-feira. Já diz o povo "é o país que temos". Mas além disso, como JJ referiu, o Liverpool é de outro campeonato. O jogo para eles foi normal, aquele ritmo de "bola cá, bola lá" ocorre em todos os jogos da Premier League. Aquilo para eles é pão de todos os dias. E a jogar assim estiveram como peixe dentro de água.

A primeira parte terminou com 2-0, resultado pesado já que o empate seria mais ajustado, mas acabámos mesmo por estar a perder por estes números fruto de alguns erros. No segundo tempo, quando o jogo até estava equilibrado e o Liverpool só criava perigo no contra-golpe, a equipa da cidade dos Beatles chegou ao terceiro golo dessa forma. Cardozo, que fez um jogo horrível, tal como Aimar ou Ramires, marcou o tento de honra num livre à entrada da área. A esperança crescia, poderia o Benfica realizar uma recuperação histórica? Poderia, mas o novo livre de Cardozo saiu ligeiramente ao lado, por desvio de Torres. Tão, mas tão perto, que após a bola sair nem soube como reagir: se gritar golo ou se levar as mãos à cabeça, tal a ilusão que deu de a bola entrar e não entrar ao mesmo tempo. O Benfica lançou-se no ataque e sentia-se que ou chegaria ao golo que daria o apuramento ou sofreria mais um. Júlio César teve a infelicidade de se lesionar após um choque com Kuyt, ficando a queixar-se da vista. Pareceu-me ve-lo dizer "não vejo nada", a João Paulo Almeida, médico do Benfica. Moreira entrou e sofreu o quarto golo, sem culpa no lance, no entanto. O Benfica perdia todas as esperanças nesse momento.

4-1 é muito pesado, o Benfica fez uma exibição que merecia, na pior da hipóteses, a derrota por apenas um golo, mas a maior experiência do Liverpool, bem como o trabalho de casa feito por Rafa Benítez, acabaram por prevalecer. Glória ao Liverpool, vencedor, glória ao Benfica, digno vencido, provavelmente o melhor oponente que o Liverpool apanhou este ano na Liga Europa. Até porque terça-feira haverá um vencedor diferente.

10 comentários:

Amansa pombos disse...

Terça feira a diferença é que ganha uma equipa igualmente grande mas que veste de verde!!Força Leoes!!

Pedro disse...

"O jogo para eles foi normal, aquele ritmo de "bola cá, bola lá" ocorre em todos os jogos da Premier League. Aquilo para eles é pão de todos os dias. E a jogar assim estiveram como peixe dentro de água."

Exacto. É uma grande diferença que nesta fase faz mossa!!! O ritmo competitivo é totalmente diferente.

Blog do Sport Lisboa e Benfica disse...

PARABÉNS BENFICA, AMO-TE!

Parabéns JNF pelo blogue :)

Anónimo disse...

Foi o principio do fim...

Temos pena... Muita pena mesmo...

Até terça...

YOU WILL NEVER WALK ALONE... :)

JL

JL disse...

Só de pensar que a 15 do fim um golo dar-nos-ia a passagem da eliminatória, custa ainda mais aceitar esta derrota.
Fizemos uma excelente campanha, faltou-nos um pouco de sorte nos dois jogos, e agora resta levantar a cabeça, porque o principal objectivo mantem-se intacto, contra a azia de muitos meninos que jogam de pijama.
Força Benfica

Homem da Luz disse...

Ganhou a melhor equipa, mas como disse uma vez o Mourinho, alguém vai ter de pagar por isto.
3ª feira passem na contabilidade com os vossos recibos verdes.

Abraços rumo ao título, com paragem no Marquês

João Nativo disse...

Foi um resultado muito pesado... Acho que 3-1 seria o mais justo. Tínhamos equipa para vencer, mas, como referiste, o nível de competição é outro e não podemos exigir a vitória nesta competição quando apanhamos um tubarão como o Liverpool.

No primeiro golo, deito as culpas para o Julio Cesar, que não se fez à bola e ainda tentou "sacar" uma espécie de falta ao Kuyt.
No segundo, ataque organizado do Liverpool, sem hipóteses para a nossa defesa e, incompreensivelmente, Júlio César hesitou quando não devia. Um bom guarda redes não hesita!
No terceiro, acho que não posso atribuir culpas a ninguém. Foi um contra ataque puro, rápido e preciso. Imparável, numa altura em que o Benfica precisava de marcar para empatar a eliminatória.
No último golo do Liverpool, a culpa vai para o David Luiz, que tenta uma brincadeira já no meio campo do Liverpool e perde a bola. Tem de ganhar muita maturidade.

Os melhores em campo: Ruben Amorim e Sídnei. Deixaram-me muito desapontado o Cardozo e o Di Maria.

Tenho muita pena de não conseguir gostar destes dois, apesar de todas as alegrias que já nos deram esta época. Cardozo, porque se não tiver uma equipa que jogue para ele, não triunfa. É lento, tem muitas oportunidades falhadas por jogo; Di Maria, porque com a pressão de um jogo como este, não passa de um extremo-esquerdo banal. Tenta sempre dar um último toque desnecessário e consequentemente perde a bola.

De qualquer forma, acho que o campeonato este ano não escapa. Temos de estar orgulhosos deste nosso Benfica, está a fazer uma época como eu há muito tempo não via.

Abraços Benfiquistas

djeiti disse...

"Aquela bola entrou…tenho a certeza! Aquela bola entrou e saiu! Vejam a rede, só pode estar rota! Eu juro que vi! A bola entrou!"
Foi o que eu gritei repetidamente enquanto pulava por cima do pessoal umas 3 ou 4 filas à frente na bancada de Anfiel e festejava aquele segundo livre do Cardozo que dava o 3-2...
Ainda neste momento após aterrar há poucas horas atrás de regresso continuo a não acreditar que a bola terá passado ao lado...não consigo, ou não quero...não sei.
Continuei a cantar e aplaudir até final e após o jogo...mas para mim o que se passou dentro do campo apagou-se a partir desse momento. Não me lembro de mais nada...ou talvez prefira não me lembrar.
É que voltar aos poucos à realidade está a bater forte!
Custa, dói, tremem as palavras!
Não haverá ambiente no mundo do futebol semelhante ao de Liverpool! Foi uma experiência inigualável!
Nunca caminharás sozinho!
E 3a feira que não chega...

JNF disse...

Eu vi o jogo pela televisão e quando foi esse lance que referes, djeiti, não festejei nem levei as mãos à cabeça, fiquei a olhar em suspense para perceber se era para festejar ou não...

Bimbosfera disse...

Boas! Primeiro que tudo as minhas desculpas, por pensar que já acompanhava aqui o Eterno Benfica e não o fazer. Ainda por cima sendo um (dos) autor(es) um visitante ao meu blog. Já está reposto o erro, já o sigo, e vou colocar o link, se houver interesse em trocar, apesar de o meu blog não ser «muito» vermelho, ou seja, bater em todos, eheheh!

Quanto ao jogo, bem, para mim creio que se está a dar demasiada importância às mudanças na defesa. Para mim todas resultaram bem, não há grande falha de ninguém dessas posições, e o que ditou a derrota, apesar de este ano o Benfica não falar oficialmente de arbitragem, temos que falar nós, foi a péssima, péssima, péssima qualidade de passe. Sem passe não se progride, não se leva a equipa para a frente, não se galga terreno, não se chega com a bola em condições aos avançados. Para mim foi a grande falha da equipa.

Esse «senhor», merdolas do apito, desculpem as palavras, foi realmente um arranjinho, de certeza, não do Liverpool, provavelmente não do Liverpool, mas sem dúvida da UEFA. O futuro terá que ser feito contra mais alguns, mais algum dinheiro tem que ser gasto para EXCELENTES executantes por forma a se 11 bons não chegarem, 12, 13, 14, 22, 30 óptimos jogadores terem que chegar para eles, para os 11 e os 5 ou 6 dos apitos com que eles jogam, e seja cá ou lá!

Por isso, que venha terça-feira, não digo para pagarem facturas nenhumas, mas para ver se damos mais um passo rumo ao título, pois foi mesmo o que nós preconizámos para esta época!

Abraço

Márcio Guerra, aliás, Bimbosfera

http://Bimbosfera.blogspot.com